redes
redes

Prevenção

Buscar doenças

Ou realize uma busca direta com o nome que deseja encontrar:

  • V
  • Varíola


    É uma doença infecto-contagiosa, exclusiva do homem (não é transmitida por outros animais, como a dengue, por exemplo). Classificada como uma das enfermidades mais devastadoras da história da humanidade, a varíola foi considerada erradicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1980.

    Causa - voltar ao topo

    Orthopoxvírus variolae

    . Ele é extremamente resistente aos agentes físicos externos, como as variações de temperatura.


    Transmissão - voltar ao topo

    A doença é transmitida de pessoa para pessoa por meio do convívio e geralmente pelas vias respiratórias.

    Principais sinais e sintomas - voltar ao topo

    O vírus da varíola pode ficar incubado de sete a 17 dias. Depois, ele se estabelece na garganta e nas fossas nasais e provoca febre alta, mal-estar, dor de cabeça, dor nas costas e abatimento, esse estado permanece de dois a cinco dias. A seguir, a doença assume uma forma mais violenta: a febre baixa e começam a aparecer erupções avermelhadas, primeiro na garganta, boca, rosto e depois se espalham pelo corpo inteiro. Com o tempo, as erupções evoluem e se transformam em pequenas bolhas cheias de pus, que provocam coceira intensa e dor.

    Complicações - voltar ao topo

    No último estágio da doença, quando as bolhas causam coceira, há o risco do enfermo perder a visão, devido à inflamação grave que pode ser provocada se o paciente coçar as feridas e passar as mãos nos olhos.

    Tratamento - voltar ao topo

    Não existe tratamento específico contra a varíola. Quando essa doença ainda não estava erradicada, o máximo que se podia fazer era tentar amenizar a coceira e a dor, e esperar que o organismo reagisse para vencer o vírus. A sobrevivência do doente dependia da forma de varíola que ele adquiria, já que a enfermidade se divide em duas formas principais, a varíola major, com 30% de letalidade, e a varíola menor, também conhecida como alastrim, mais comum e com menos de 1% de casos fatais (também existiam manifestações mais raras da doença, como a hemorrágica e a maligna). Quando secam, as bolhas de pus se transformam em feridas, que podem deixar cicatrizes para a vida toda.

    Prevenção - voltar ao topo

    O modo de frear a disseminação da varíola foi a vacina desenvolvida em 1796 e depois aperfeiçoada. Com ela, foi possível a erradicação da doença. A OMS realizou no mundo todo um plano de vacinação em massa. O último caso de contaminação pelo vírus Orthopoxvírus variolae foi registrado em 1978.

    Fonte: Fiocruz
    Autor: Mariana Mesquita
    Conteúdo aprovado pelo coordenador técnico científico do Portal Unimed

Cadastre-se para receber o Boletim Viver Bem.

Arquivo

Veja todas as notícias de Prevenir.

Ver todas

Conheça

Área restrita para colaboradores e cooperados:

Portal Nacional de Saúde - Unimed Brasil | Copyright 2001-2019 Portal Unimed. Todos os direitos reservados. Agência Nacional de Saúde Suplementar