redes
redes

Prevenção

Buscar doenças

Ou realize uma busca direta com o nome que deseja encontrar:

  • D
  • Difteria

    Também chamada de “crupe”, a difteria é uma doença bacteriana aguda que acomete as amídalas, faringe, laringe, nariz, e ocasionalmente, a pele e mucosas. É considerada grave e contagiosa, porém pode ser evitada com a vacinação correta. Ocorre na infância, geralmente, depois de resfriados e gripes.

    Causa/Fator de Risco - voltar ao topo
    É Causada pela toxina diftérica produzida pela bactéria Corynebacterium diphtheriae.

    A transmissão da difteria ocorre pelo contato direto com doentes ou portadores. O contágio acontece por meio da saliva ou outras secreções eliminadas pela tosse, espirro ou ao falar. Raramente ocorre transmissão por objetos que foram contaminados pela secreção

    Principais sinais e sintomas - voltar ao topo
    A infecção começa de 1 a 4 dias após a exposição à bactéria. Normalmente, dura no doente, até duas semanas. Em casos raros pode chegar a quatro semanas.Os sintomas geralmente são dor de garganta e dor ao engolir, febre baixa, aumento da freqüência cardíaca, náusea, vômito, calafrios, dor de cabeça e falta de apetite. As placas branco-acinzentadas presentes nas amídalas podem se espalhar até a laringe e provocar inchaço no pescoço, estreitando as vias respiratórias e tornando a respiração extremamente difícil. Nos casos mais graves, pode ocorrer asfixia.

    Diagnóstico e Tratamento - voltar ao topo
    O médico suspeita de difteria quando uma criança doente apresenta irritação de garganta e uma pseudomembrana. O diagnostico é confirmado através da coleta de uma amostra da membrana da garganta, que é enviada para cultura.

    É importante que o paciente seja tratado, o mais rápido possível, com soro antidiftérico. O uso de antibiótico deve ser considerado uma medida auxiliar. Repouso, dieta leve, nebulização ou vaporização e expelir as secreções com freqüência também são medidas necessárias.

    Todo caso suspeito deve receber tratamento em ambiente hospitalar. Qualquer pessoa que tem contato direto com uma criança infectada e que não foi vacinada contra a difteria ou não recebeu um reforço nos últimos cinco anos deve ser vacinada ou receber uma dose de reforço.

    Prevenção - voltar ao topo
    A vacina tetravalente, tríplice ou dupla bacteriana é a forma mais eficaz de prevenção.

     

     

    Fonte: Portal da Saúde, Manual Merck, Site oficial dr. Dráuzio Varella, guia de bolso "Doenças Infecciosas e Parasitárias: Aspectos clínicos, Vigilância Epidemiológica e Medidas de Controle", elaborado pelo Ministério da Saúde.
    Autor: Thaís Vieira
    Conteúdo aprovado pelo coordenador técnico científico do Portal Unimed

Cadastre-se para receber o Boletim Viver Bem.

Arquivo

Veja todas as notícias de Prevenir.

Ver todas

Conheça

Área restrita para colaboradores e cooperados:

Portal Nacional de Saúde - Unimed Brasil | Copyright 2001-2019 Portal Unimed. Todos os direitos reservados. Agência Nacional de Saúde Suplementar