Para aumentar ou diminuir a visualização do conteúdo, segure a tecla "ctrl" e pressione + ou - no seu teclado.

Segure CTRL, aperte + para aumentar ou - para diminuir o tamanho da letra

Se preferir, use as teclas de atalho (acesskeys) para facilitar sua navegação:

  • No Internet Explorer segure "alt" mais a tecla desejada;
  • Em outros navegadores, segure "alt" + "shift" e a tecla correspondente.

Unimed - O melhor plano de saúde é viver. O segundo melhor é Unimed.

Anvisa proíbe a venda de Funchicórea nas farmácias do Brasil

Francine Athaide Cadore

Produto fitoterápico, obtido a partir do funcho, era usado para aliviar cólicas de bebês

27 Abril 2012 -

Um medicamento fitoterápico utilizado pelas mães para aliviar as cólicas dos bebês não está mais disponível para a venda nas farmácias do Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou o registro da Funchicórea ao alegar que a eficácia do produto não é comprovada. Além disso, uma resolução de 2004 determina que medicamentos fitoterápicos que contenham plantas ou partes delas não podem ter o cadastro ou
registro da agência reguladora.

A decisão de retirar a Funchicórea das farmácias foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) em 6 de fevereiro deste ano, mas o processo para a cassação do registro do medicamento corria na Justiça desde 2005. O laboratório fabricante conseguiu manter a autorização da produção e venda durante estes anos por meio de liminares.

A Funchicórea era comercializada em pó e costumava ser dada aos bebês diluída em água. O produto é obtido a partir da planta funcho, conhecida também como erva-doce.

Conforme a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Funchicórea proporciona efeito relaxante e sedativo no tratamento sintomático da cólica, pois “se sabe que a tensão é um dos principais elementos envolvidos na gênese da cólica do bebê de até três meses”. A SBP chama atenção para o consumo excessivo em virtude de relatos de lactantes que teriam sido sedados a ponto de sofrerem paradas respiratórias.

A cólica, conforme a Sociedade Brasileira de Medicina

As cólicas do primeiro trimestre ocorrem em muitos bebês e variam de intensidade. O desconforto pode fazer com que os pequenos chorem, fiquem vermelhos e se retorçam de dor.

As causas ainda não são bem conhecidas, mas se estima que tenham relação com a imaturidade enzimática que acarreta a fermentação e produção de gases, que distenderiam as alças intestinais e provocariam a dor. A dor passaria com a eliminação dos gases.

A influência de temperos e alguns alimentos na dieta materna é discutível e não está cientificamente comprovada.

As cólicas são transitórias, costumam desaparecer naturalmente e sem tratamento após os quatro meses de vida. Administrá-las é mais importante do que tentar resolvê-las.

O que pode ser feito

Por mais que o bebê chore, tenha paciência e tente aconchegá-lo no colo. Posicione-o na sua barriga ou apoie-o de bruços na extensão do antebraço.

Não ceda à tentação de oferecer chás e de dar medicamentos sem orientação do pediatra. A amamentação poderá ser prejudicada e a cólica, tampouco, será resolvida. 

Fonte: Agência de Vigilância Sanitária e Sociedade Brasileira de Pediatria


Conteúdo aprovado pelo coordenador técnico-científico do Portal Unimed.

Cadastre-se para receber o Boletim Viver Bem.

Arquivo

Veja todas as notícias de Pais e Filhos.

Ver todas

Guia Médico

 
Acesse o Guia Médico Nacional Unimed no celular. Disponível nas lojas App Store e Google Play
Área restrita para colaboradores e cooperados:

Portal Nacional de Saúde - Unimed Brasil | Copyright 2001-2014 Portal Unimed. Todos os direitos reservados. Agência Nacional de Saúde Suplementar