Voltar

Especialista da Unimed-BH fala como adaptar o organismo para o início do horário de verão

Especialista da Unimed-BH fala como adaptar o organismo para o início do horário de verão

Especialista da Unimed-BH fala como adaptar o organismo para o início do horário de verão

O horário de verão no Brasil terá início em 4 de novembro, mesma data do primeiro dia da prova do Enem, que já tem confirmados mais de 5 milhões de inscritos. Como acontece todo ano, a maioria das pessoas reclama do horário de verão e da dificuldade de se adaptar à mudança. Entre as principais queixas está a alteração da qualidade do sono, que pode gerar outros problemas, por exemplo, a dificuldade de concentração e perda de apetite.

De acordo com o clínico geral da Unimed-BH, Valério Trindade, existem alguns malefícios para o organismo com a antecipação de uma hora no relógio. “A mudança de horário afeta o ciclo circadiano, que designa o período de 24 horas sobre o qual se baseia nosso relógio biológico. Adiantar em uma hora o relógio impacta principalmente a ação de alguns hormônios produzidos durante o sono e o período de vigília, a melatonina e o cortisol, respectivamente”, afirma o especialista.

O médico explica que a melatonina é conhecida como o hormônio do sono. Ela é produzida pela glândula pineal e, entre as várias funções, regula o momento de dormir e ajuda na recuperação das células. Já o cortisol, que começa a ser produzido nas primeiras horas da manhã, é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais, localizadas acima dos rins. Sua função é ajudar o organismo a controlar o estresse, reduzir inflamações, contribuir para o funcionamento do sistema imune e manter os níveis de açúcar no sangue constantes, assim como a pressão arterial.

Para Valério Trindade, o desconforto causado pelo horário de verão é físico e psicológico. “É um mal-estar inespecífico que pode ser comparado ao que sentimos quando viajamos para outro país e o fuso horário é diferente”, relata.  O especialista explica que, como o ciclo hormonal está alterado, o ato de acordar uma hora mais cedo pode causar alterações no sono, dificuldade para dormir à noite, dificuldade de concentração, alteração no apetite, dores de cabeça, entre outros sintomas.

Sobre uma das principais reclamações da população, que é a alteração na qualidade do sono, o médico dá algumas dicas. “Tente fazer a higiene do sono, que significa se preparar para a hora de dormir. Para isso, evite a ingestão de alimentos muito pesados antes de dormir, a prática de atividades físicas à noite, ficar acordado vendo televisão, usar computador e/ou celular na cama e quartos muito iluminados e com muito barulho. Todos esses hábitos, que são muito comuns entre a população, impactam na qualidade do nosso sono”, afirma.

Dicas para quem fará o Enem

Esse ano, a mudança da data do horário de verão coincidiu com o primeiro dia de provas do Enem, o que pode afetar os estudantes. Para que fiquem mais tranquilos para a prova, o especialista destaca algumas alterações na rotina que podem ajudar no dia da prova. “Dias antes da prova tente ir para cama 10 a 15 minutos mais cedo para ir se preparando para o horário de verão; durante a semana não faça refeições pesadas, opte por uma alimentação mais leve e beba muita água”, explica.

Outra orientação do especialista é para evitar o tão famoso estresse que é normal no dia da prova e também na noite, já que temos que adiantar o relógio em uma hora. “Peçam ajuda à família. Uma pessoa deve ficar encarregada de fazer a alteração no relógio e ajudar o estudante a acordar mais cedo. Com isso, ele pode dormir com mais tranquilidade e terá uma noite mais reparadora”, relata.    


Média (0 Votos)

COMPARTILHAR:


 
 
 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em