Unimed no combate ao fumo: número de fumantes no BR caiu 40% em 14 anos

        28 de agosto, 2020


 

Em 29 de agosto é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. De acordo com uma pesquisa feita pelo Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), o número de fumantes no Brasil caiu quase 40% nos últimos 14 anos. Mesmo assim, 9,8% da população brasileira ainda é dependente do cigarro, o que representa milhes de pessoas em risco. 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), 428 pessoas morrem a cada ano em consequência direta do tabaco. Esse número mostra o quanto o tratamento para fumantes é fundamental.

Como parar de fumar?

Ainda há um grande número de pessoas que acreditam que quem fuma não para porque não tem “força de vontade”. Esse pré-julgamento evidencia a dificuldade de encarar a questão como um problema de saúde que, como qualquer outra doença, precisa de tratamento médico e medicamentoso.

Quem não consegue parar de fumar é dependente químico. Isso significa que, quando a pessoa tenta se afastar do cigarro, sente desconfortos e dores (físicas e psicológicas). Por isso, muitas acabam voltando para o mesmo hábito. Assim, podem ser necessárias várias tentativas antes de realmente conseguir parar interromper o vício.

Formas de tratamento

O tratamento para fumantes é composto por várias vertentes:

• Aconselhamento de pacientes e familiares – O diálogo é o primeiro passo para ajudar o paciente a abandonar o cigarro. Nessa conversa, os profissionais devem identificar se há e qual é o grau da dependência química e se a pessoa realmente quer parar de fumar. Também é preciso investigar se há alguma outra doença associada ao vício.
• Farmacoterapia - O uso de medicamentos não precisa ser a única parte do tratamento, mas é uma das principais. De dentro para fora, as medicações vão ajudar o paciente a não sentir tanta vontade de fumar. Na primeira linha, são indicados fármacos como a bupropiona e a terapia de reposição de nicotina. Também há os fármacos de segunda linha, a exemplo da clonidina e da nortriptilina.
• Acupuntura - Pode vir a ser a única opção de tratamento, desde que o paciente queira e caso não haja contraindicações. Na maioria das vezes, é recomendada pelos médicos como terapia complementar.
• Grupos de autoajuda e terapia cognitivo comportamental (TCC) - A psicoterapia individual ou em grupo, com sessões de aconselhamento, são altamente eficazes. É ainda mais importante se o tabagismo vem acompanhado por outros problemas, como ansiedade e depressão.

Antitabagismo Unimed Cascavel

O setor de Medicina Preventiva da Unimed Cascavel tem um projeto para auxiliar fumantes de todas as idades a se livrarem do vício. Encontros semanais abordam temas como a escolha do Dia D, métodos para interromper o tabagismo, técnicas de respiração para controlar a ansiedade, orientação nutricional, manejos para trabalhar possíveis recaídas, gatilhos e sintomas de abstinência.

Para participar, basta ser beneficiário da cooperativa de saúde. Menores de idade devem estar acompanhados por um responsável legal. Caso queira se inscrever, ligue para 3099-4123 ou clique AQUI.

Cuidar de você. Esse é o plano.


Assuntos em destaque: