Notícias

Voltar Agosto Dourado: Chegou a hora de amamentar, e agora?

Agosto Dourado: Chegou a hora de amamentar, e agora?

A médica pediatra da Unimed Maceió, Andréa Pinheiro, esclarece as dúvidas sobre o assunto
Texto: Matheus Tenório - Assessor de Comunicação
        01 de agosto, 2022


A amamentação é um momento único entre a mamãe e o bebê, mas, para as mães de primeira viagem, amamentar pode gerar nervosismo e até mesmo dúvidas sobre o alimento mais importante para o desenvolvimento da criança: o leite materno. 


Questões como “O que fazer para o bebê pegar a mama nos primeiros dias?”, “Como aumentar a produção de leite?” ou ainda “Como saber a hora certa de parar?” fazem parte do cotidiano das futuras e recentes mamães e são abordadas, principalmente, durante a campanha Agosto Dourado, conhecido como o mês de incentivo ao aleitamento materno. 

A médica pediatra e neonatologista da Unimed Maceió, Andréa Pinheiro, explicou que a busca por informações pode ser uma boa aliada para que as mães percebam que esse momento pode ser tranquilo. 

“A ansiedade para conhecer o bebê e a insegurança para alimentar geram dúvidas e podem atrapalhar esse momento tão sublime. É preciso ter informações sobre as dificuldades que podem surgir e contar com uma rede de apoio para que a amamentação siga naturalmente”, ressaltou a Dra. Andréa. 

Confira a entrevista completa com a médica especialista:


O que fazer para o bebê pegar a mama nos primeiros dias? Esse procedimento é feito em casa?

Dra. Andréa - É fundamental que a amamentação seja iniciada logo após o nascimento, ainda na sala de parto, na primeira hora de vida chamada "hora de ouro" e que um profissional habilitado observe a mamada antes da alta hospitalar para corrigir possíveis anormalidades.


Se o meu bebê chorar e eu não souber o que pode ser, posso oferecer o leite para ele?

Dra. Andréa - Sim, a amamentação acalma o bebê.


Tenho medo de dar muito leite para o bebê. Faz mal? Como saber a hora certa de parar?

Dra. Andréa - Não precisa ter medo. Geralmente, quando o bebê se satisfaz, ele solta o peito ou adormece.


Não estou produzindo muito leite. O que devo fazer para aumentar a produção?

Dra. Andréa - A produção aumenta quando a amamentação é guiada pelo bebê, sob livre demanda, ou seja, ele vai mamar quando sentir fome e pelo tempo que ele quiser. 


Como equilibrar a alternância entre uma mama e outra?

Dra. Andréa - O ideal é que o bebê mame bem em uma mama e, se ele ainda sentir vontade, a outra mama seja oferecida. Caso contrário, a mãe deve retirar um pouco de leite para que a mama não fique endurecida e dificulte a amamentação em um momento posterior. Lembrando que o leite excedente pode ser congelado para ser ofertado em outro momento ou doado a um banco de leite para alimentar os bebês prematuros internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

Se eu não estiver produzindo leite o suficiente, posso oferecer leite materno de outra pessoa para o bebê?

Dra. Andréa -
Sim, mas não de qualquer forma. Só, apenas, se o leite oferecido for pasteurizado, pois algumas doenças podem ser transmitidas ao bebê através do leite.


Qual é a melhor ou as melhores posições para amamentar?

Dra. Andréa - A posição para amamentar quem escolhe é a mãe. Pode ser sentada, deitada e, até mesmo, em pé. O importante é se sentir confortável durante a amamentação.


Quais são os principais benefícios do leite materno?

Dra. Andréa - São inúmeros os benefícios, como, por exemplo: para o bebê, o leite materno é um alimento completo, pois se adequa às suas necessidades, previne doenças infecciosas, alérgicas e metabólicas. Já para a mãe, ele previne hemorragias no pós-parto, doenças cardiovasculares e reduz a incidência de câncer de mama.