Guia Médico

  Encontre um médico e outros recursos da Unimed, sempre perto de você

Mude 1 Hábito

É o Movimento Nacional da Unimed, que promove uma onda de cuidado em todo o Brasil, incentivando as pessoas a viver da melhor forma possível, seja por meio da alimentação saudável, prática de exercícios, encontro do equilíbrio emocional ou pela busca de qualquer mudança que seja capaz de transformar o modo de ver o mundo.

Nossos Reconhecimentos

Notícias Unimed Federação MS

Infertilidade: uma dificuldade de homens e mulheres

Urologista alerta que uso de anabolizantes compromete a fertilidade em homens, pois, consequentemente, não há produção de espermatozoides
Texto: Comunicação Unimed Campo Grande
        09 de novembro, 2022
Você sabia que a probabilidade da mulher ser infértil é a mesma do homem? Ao falar sobre infertilidade muitas pessoas pensam que a mulher é a maior “responsável” pelas estatísticas, mas, na verdade, homens e mulheres compartilham a mesma responsabilidade.  

É importante frisar que a infertilidade faz parte da realidade de muitas pessoas. Se o casal, por exemplo, suspeita de algum problema, é importante consultar um profissional para investigar a causa e iniciar o tratamento.

Pensando nas dúvidas acerca deste tema, a Dra. Klissia Pires Souza, ginecologista e obstetra, e o Dr. André Luis Alonso Domingos, urologista, ambos da Unimed Campo Grande, responderam perguntas frequentes da população. Confira! 

Qual a porcentagem? 
Dra. Klissia 
A “responsabilidade” é semelhante nos dois, homens e mulheres. Como fator isolado, para mulher é em torno de 30 a 40% e em homens 30%. Ambos, homens e mulheres juntos, por volta de 30%. E 10% sem causa aparente. 

Dr. André  

Na maioria das vezes a investigação começa pela mulher, pois é ela que procura a ginecologista. Então, essa informação de que a “responsabilidade”       é de ambos, é muito importante, pois existem as causas masculinas e as associadas.  

Desmistificando  

Dra. Klissia 
De fato, quem procura investigar primeiro é a mulher, e normalmente, sozinha. As mulheres geralmente entram no consultório dizendo “meu marido pediu para investigar, para ver se é algo comigo. Se não for, vamos investiga-lo”. Essa situação não é legal, pois muitas vezes temos fatores associados, tendo a necessidade de investigar de imediato os dois.  

A partir de...? 


Dra. Klissia 

Existe um tempo. Em média um casal que começa a tentar engravidar tem uma chance média de 20% de sucesso ao mês.  
Ser humano, de modo geral, não é muito eficiente em termos reprodutivos e, por conta disto, é normal haver um tempo entre o início da tentativa e a gestação. Neste contexto, esperamos um ano para dizer que um casal tem infertilidade. Porém, não quer dizer que é necessário esperar um ano para buscar ajuda, até porque existem casos onde já há a suspeita de um fator de infertilidade, como por exemplo, em casos que a mulher tem ciclos menstruais muito irregulares. 

Dr. André  

A idade também é um fator, principalmente para mulher, já que a mulher tem “um número programado de óvulos”. Ela nasce com uma quantia até que se exaure a capacidade dela ovular. Já o homem não, ele produz espermatozoides constantemente.   
Tem um fator que consideramos para idade também, que é quando um casal procura o médico e a idade da esposa é mais avançada, próximo dos 40 anos. É importante que essa procura seja feita de forma mais precoce, mais cedo, para poder intervir.   

Causas 


Dra. Klissia 

Nas mulheres: 
- Fator ovulatório: àquelas que não ovulam, e se não tem ovulação, não tem gravidez.  
Em 80% das vezes o diagnóstico é a síndrome dos ovários policísticos (SOP), que é um distúrbio metabólico, endócrino complexo, que leva a uma série de problemas e também à infertilidade. 
- Distúrbios da tireoide 
- Resistência insulínica 
- Obesidade  
- Histórico familiar 
- Idade 
- Endometriose: doença extremamente prevalente  
- Sequelas de doenças inflamatórias pélvicas 
- Sequelas de processos inflamatórios em órgãos vizinhos  
- Entre outros 

Dr. André  

Nos homens: 
- Esterilização voluntária, a vasectomia 
- Varicocele, que é a dilatação das veias testiculares, levando alteração nos espermatozoides 
- Indivíduos submetidos a temperaturas extremas, como por exemplo, pacientes que trabalham em fornalhas  
- Uso de agrotóxicos 
- Quimioterapia e radioterapia 
- Tumores de testículos e tumores sanguíneos  
- Tabagismo 
- Obesidade 
- Uso de hormônios. O uso de anabolizantes* 

*Esses pacientes usam testosterona em altíssimas doses, não preconizadas. Quando o indivíduo usa a testosterona de forma exógena, ou seja, aplica ou utiliza gel, a dose desse hormônio aumenta muito, e quando aumenta há um aviso ao cérebro de que ele não precisa mais produzir o hormônio naturalmente e nem mandar estímulos para o testículo. Desta forma, de fato, para de mandar estímulos, e esses pacientes, normalmente, ficam azoospérmicos, não produzem espermatozoides.  


É importante frisar que não tem como saber se será algo temporário ou por quanto tempo isso permanecerá, ou ainda quantas doses são necessárias para que isso ocorra. 

É essencial também que o profissional que prescreve isso ao paciente, o avise dessas implicações.  

Mito x Verdade 

Dra. Klissia e Dr. André  
- Estresse afeta – Verdade: uma vida estressante tem impacto na saúde do paciente, e tudo que impacta a saúde pode prejudicar a fertilidade 
- Abortos naturais diminuem a chance de uma nova gestação - Mito 
- Existem causas reversíveis para a fertilidade masculina - Verdade 
- Os óvulos envelhecem - Verdade 
- É possível congelar sêmen – Verdade 

Para saber mais sobre o assunto acompanhe INFERTILIDADE: UMA DIFICULDADE DE HOMENS E MULHERES no podcast Cuidar de Você, da Unimed Campo Grande. Basta acessar https://bit.ly/PodcastCuidardeVoce.