Notícias 

Veja abaixo as principais notícias e atualizações da Unimed Paranaguá.
https://www.unimed.coop.br/site/o/sites-theme/images/cards-noticias/noticias-padrao.png

Micose de pele: causas, tratamento e prevenção

As micoses são infecções causadas por fungos que atingem a pele, as unhas e os cabelos. São particularmente frequentes nos trópicos, onde existem condições ideais de calor e umidade, necessárias para o desenvolvimento dos fungos. Neste Momento Saúde Unimed, a Dra. Márcia Costa, especialista em Dermatologia da Unimed Paranaguá, esclarece quais são os principais sintomas e cuidados contra esse tipo de infecção na pele.
Texto: Comunicação e Marketing - Unimed Paranaguá
        09 de julho, 2021

O que causa a micose de pele?

A micose de pele também chamada de tínea, tinha ou dermatofitose, tem nomes populares, como “impinge”, “impingem” e “impigem”. A micose é uma infecção por fungos e pode acometer pele, unhas e couro cabeludo (cabelos). O fungo pode passar de uma pessoa para outra por contato ou o fungo pode estar no chão, na água ou em objetos, como calçados ou toalhas. Os fungos gostam de ambientes úmidos e, de preferência, aquecidos. Quanto maior o calor e a umidade, maior a proliferação de fungos e maior o risco de contágio.

Quais são os principais sintomas

Os sintomas característicos de micose incluem o surgimento de placas arredondadas, com bordas avermelhadas e centro com pele mais clara e muita coceira no local, quando atinge o corpo. Quando atinge o couro cabeludo, surgem placas arredondadas, com descamação e o cabelo cai na região como se tivessem sido cortados rentes à pele. Nos pés, podem haver pequenas bolhas (vesículas), descamação e muita coceira. E nas unhas, geralmente ocorre o descolamento com uma mancha amarelada ou esverdeada nesta área.

Existe tratamento? Qual?

Para pequenas áreas, pode ser prescrito tratamento antifúngico local, tópico (diretamente sobre a área afetada da pele). Há uma variedade de tratamentos disponíveis sob a forma de cremes, loções e pomadas. Estes tratamentos podem provocar alguns efeitos secundários, que incluem problemas de irritação da pele e do estômago. É importante continuar com o tratamento por até duas semanas após os sintomas desaparecerem, pois o fungo pode não ter sido eliminado e os sintomas podem voltar.

Como evitar o surgimento de micoses?

A prevenção pode ser realizada seguindo estas recomendações:

Secar a pele completamente depois de tomar banho; Lavar as meias, roupas e roupas de cama com frequência para remover quaisquer fungos ; Usar chinelos limpos ou sapatos de plástico em áreas comuns úmidas, tais como chuveiros, saunas e piscinas; Usar roupas soltas preferencialmente feitas de algodão ou um material projetado para manter a umidade longe da pele; Não compartilhar toalhas, escovas de cabelo e pentes que poderiam ser portadores de fungos; Trocar de sapatos a cada dois ou três dias para dar-lhes tempo para secar; Manter o diabetes sob controle; Mergulhar pentes, tesoura ou outros objetos em água com água sanitária, se alguém na família tem micose no couro cabeludo; Usar meias de algodão, pois as de tecido sintético favorecem o acúmulo de umidade; Não usar calçados que abafam muito os pés ou os fazem transpirar; Não usar o mesmo calçado por dois dias seguidos e guardar o calçado em lugar arejado; Observar se os instrumentos estão sendo bem esterilizados na manicure ou levar seus próprios alicates, lixas etc.


Dra. Marcia Costa é médica formada pela UERJ, Residência Médica em Clínica Médica no Hospital Universitário Pedro Ernesto, Residência Médica em Dermatologia no Hospital dos Servidores do Estado no Rio de Janeiro, Membra da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Título de Especialista em Medicina Intensiva pela AMIB, Pós-Graduação em Auditoria em Saúde pela Fundação Unimed, é formada em Economia pela UFPR e é médica cooperada da Unimed Paranaguá.

Assuntos em destaque