Voltar

Gravidez sem álcool

Gravidez sem álcool

O consumo de álcool durante a gestação pode provocar danos irreversíveis ao bebê. Entenda

Gravidez sem álcool

6 Novembro 2017

Se uma nutrição adequada antes e depois de engravidar é a base para o desenvolvimento do bebê, imagine o que o álcool, cigarro ou drogas podem provocar. Um estudo americano realizado pelo Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo (NIH) identificou que de 20% a 30% das mulheres consomem álcool em algum momento da gravidez. A ingestão de álcool durante o período gestacional pode resultar em consequências graves e irreversíveis que se classificam como Espectro de Desordens Fetais Alcoólicas, dentre as quais, a Síndrome Alcoólica Fetal (SAF).

A Síndrome Alcoólica Fetal não tem cura. Como resultado, a criança pode apresentar retardo mental, anomalias congênitas, alterações na face, baixo peso, dificuldades na fala, memória e audição, além de alterações comportamentais. 

Todas essas alterações ocorrem porque, durante a gravidez, o álcool chega rapidamente para a o feto por meio da placenta. Em apenas uma hora, os níveis de álcool no sangue do feto e no líquido amniótico são equivalentes aos do sangue da mãe. No entanto, eles tendem a permanecer por mais tempo no líquido amniótico do que no sangue materno, visto que a placenta da mãe e o fígado do feto têm capacidades metabólicas limitadas para substâncias como o álcool. Sendo assim, o nível de álcool só é reduzido quando entra novamente em circulação no sangue da mãe. Como consequência, a substância interfere no desenvolvimento do cérebro, órgãos, estruturas e sistemas fisiológicos.

 

Álcool e amamentação

Logo que a criança nasce, e ao longo dos meses seguintes, o leite materno será o alimento que fornecerá ao bebê os nutrientes necessários para a evolução do seu desenvolvimento. Assim, se a mulher faz o consumo de bebidas alcoólicas durante o período de amamentação, o bebê também receberá doses da substância no leite materno. Por isso, a recomendação é não consumir bebidas alcoólicas mesmo após o nascimento da criança.

O período de amamentação deve ser rico em alimentos saudáveis como é o caso das frutas frescas, vegetais e grãos integrais. Proteínas como carnes, ovos, peixes, frangos e leite, além de feijão, também devem estar presentes nas refeições para tornar o leite materno ainda mais nutritivo.

 

Leia também: A alimentação da mulher antes e depois de engravidar


Texto: Jailde Barreto / Design: Carolina Moura

Fonte: National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism (NIH)/ Sociedade Brasileira de Pediatria/ Hospital Albert Einstein/ Efeitos do álcool na gestante, no feto e no recém-nascido. Conceição Aparecida de Mattos Segre. Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Conteúdo aprovado pelo coordenador técnico-científico do Portal Unimed.


Média (2 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.