Voltar

Teste do Pezinho: conheça esse e outros exames para recém-nascidos

Teste do Pezinho: conheça esse e outros exames para recém-nascidos

O teste do pezinho é um dos mais importantes exames para recém-nascidos. Você sabe para que serve essa e outras triagens realizadas no hospital? Descubra aqui.

Teste do Pezinho: conheça esse e outros exames para recém-nascidos

15 Janeiro 2011

 

O Teste do Pezinho é um exame realizado por meio da coleta de sangue do calcanhar do recém-nascido. O objetivo é detectar doenças genéticas ou metabólicas que podem prejudicar ou comprometer a qualidade de vida do bebê.

 

Sabemos que o nascimento de um bebê é um momento muito esperado pelos pais, que desejam conhecer o rostinho do filho e ter certeza de que ele nasceu saudável. 

 

Para que alguns distúrbios ou anormalidades sejam identificados precocemente, é fundamental que sejam feitos alguns exames. São os testes de triagem metabólica (teste do pezinho), visual (teste do olhinho) e auditiva (teste da orelhinha), realizados logo após o nascimento. 

 

Com a detecção precoce, há mais possibilidade de prevenir sequelas e outras manifestações, aumentando a viabilidade de um desenvolvimento saudável da criança.

 

Para entender melhor sobre o Teste do Pezinho, e qual a importância de realizar os demais exames do recém-nascido, continue a leitura.

 

Neste artigo, você vai aprender:

 
  • Teste do Pezinho: o que é e como é feito?
  • Por que é importante fazer o Teste do Pezinho?
  • Quais são os outros testes do exame de triagem neonatal?
  • Teste do Pezinho: perguntas e respostas
 

Boa leitura!

Teste do Pezinho: o que é e como é feito?

O teste do pezinho é um dos primeiros exames realizados no recém-nascido

 

Também conhecido como Teste de Triagem Neonatal, o Teste do Pezinho é um exame de sangue. A amostra é coletada do calcanhar do bebê, nos seus primeiros dias de vida. 

 

O exame pode diagnosticar doenças metabólicas ou genéticas que possam impactar em uma deficiência cognitiva, ou prejudicar a qualidade de vida da criança

 

Esse é um teste realizado nos primeiros dias de vida do bebê.  Com ele, os médicos podem tomar medidas para evitar o desenvolvimento de eventuais doenças identificadas no exame.

 

Como você pode perceber, o teste do pezinho é um exame importante para a saúde do seu bebê. Entenda melhor:

- Qual é o prazo para fazer o teste do pezinho?

O Teste do Pezinho deve ser feito, preferencialmente, entre as 48 horas após o nascimento do bebê até a primeira semana de vida. 

 

Em muitos casos, o exame pode ser realizado ainda no hospital. Caso não aconteça, o pediatra irá lhe entregar a solicitação para que o exame seja feito em um laboratório. 

- Para que serve o teste do pezinho?

O Teste do Pezinho identifica transtornos que incluem: hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, hemoglobinopatias e fibrose cística.

 

A identificação precoce auxilia para que os médicos possam impedir o desenvolvimento dessas doenças. Isso contribui para  que a criança cresça com saúde e melhor qualidade de vida. 

 

Por sua importância, o teste do pezinho é obrigatório em todo o ambiente nacional. Não fazer o teste pode impedir, inclusive, o registro da certidão de nascimento da criança.

- Como é feito o teste do pezinho?

Para fazer o teste, é necessário que o aleitamento materno já tenha sido iniciado. O exame é feito com a coleta de sangue a partir de um furinho no calcanhar do bebê. 

 

O teste é feito nessa região, pois é uma área com bastante circulação sanguínea e menos dolorosa. No entanto, se for preciso fazer o teste de tipagem sanguínea - onde o sangue deve ser retirado de uma das veias do braço - o teste do pezinho pode ser realizado com essa mesma amostra.

Por que é importante fazer o teste do pezinho?

O teste do pezinho é um dos primeiros exames realizados no bebê. Ele é feito rapidamente e é quase indolor. O exame permite que os médicos identifiquem uma série de doenças genéticas ou metabólicas que podem comprometer a qualidade de vida da criança. 

 

Dessa forma, é possível antecipar tratamentos para evitar que alguma doença evolua a ponto de impedir o desenvolvimento do bebê.

 

Segundo Flávio Vormittag, Coordenador Geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde: 

 

“É de vital importância que o diagnóstico seja realizado o mais precocemente possível e assim se possa iniciar o tratamento antes do aparecimento dos sintomas. Todas as doenças investigadas, se diagnosticadas e tratadas em tempo oportuno, podem evitar quadros clínicos graves, como o atraso do desenvolvimento neuropsicomotor e até o óbito”.

-Quais São as Doenças que São Detectadas no Teste do Pezinho?

As doenças identificadas através do teste do pezinho não apresentam sintomas no nascimento. Assim, a única forma de prevenir que uma dessas enfermidades causem danos ao desenvolvimento intelectual ou qualidade de vida da criança é com a realização do exame. 

 

O teste do pezinho permite identificar doenças genéticas, infecciosas ou metabólicas que podem afetar o desenvolvimento cognitivo e prejudicar a qualidade de vida da criança. 

 

Alguns exemplos são a fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito e fibrose cística. Nos exames mais completos, podemos citar também a doença do menino da bolha, leucinose, toxoplasmose congênita, entre outras

 

O teste do pezinho obrigatório e oferecido pelo SUS pode identificar até seis doenças. Mas outras versões do teste podem ser feitas pelo sistema privado, sendo possível identificar  48 enfermidades.

 

Quais são os outros testes do exame de triagem neonatal?

Exames de triagem servem como um check-up inicial, a fim de identificar possíveis doenças que impeçam o desenvolvimento saudável do bebê

 

Além do teste do pezinho, outros testes de triagem neonatal são realizados assim que o bebê vem ao mundo. 

 

O objetivo não é diagnosticar doenças, mas identificar a possibilidade de desenvolvimento de alguma enfermidade. Assim, é possível encaminhar o bebê para outros exames e investigações mais específicas.

 

Fique informado sobre os principais exames feitos nos primeiros dias de vida do bebê. Confira detalhes sobre os exames mais comuns:

- Teste do Olhinho

O teste do olhinho, também conhecido como teste do reflexo vermelho, possibilita a detecção precoce de doenças que comprometem a visão. Alguns exemplos são o glaucoma congênito, catarata congênita, infecções e tumores.

 

O pediatra fará o teste do olhinho antes da alta da maternidade ou na consulta do 5º dia. 

 

O exame é realizado na penumbra, com o posicionamento do oftalmoscópio (instrumento para observação do interior do olho) a um metro dos olhos do recém-nascido. É um procedimento rápido e não dói nada.

 

O objetivo é identificar um reflexo vermelho no olho do bebê.

- Teste da Orelhinha

Também chamado de Teste de Emissões Otoacústicas, esse exame permite a detecção precoce de deficiências auditivas, que podem levar à deficiência na linguagem e no aprendizado.

 

Se não for feito antes da alta da maternidade, pode ser nos primeiros 30 dias de vida do bebê.

 

O teste é feito com um equipamento que emite ondas sonoras no ouvido do recém-nascido e analisa a resposta a esse estímulo. O exame demora entre cinco e dez minutos. Se não houver resposta ao estímulo, o exame deverá ser repetido em um mês.

- Exame do Coraçãozinho

O teste do coraçãozinho é realizado para ajudar a detectar algum tipo de cardiopatia congênita. Ou seja, anormalidades na estrutura ou função do coração. 

 

O exame, realizado por meio de uma oximetria de pulso, mede a oxigenação do sangue e os batimentos cardíacos do bebê com o auxílio de um sensor de saturação – uma espécie de pulseira – colocado nos primeiros dias de vida no pulso e no pé do recém-nascido.

- Exame do Quadril

Apesar de não ser tão conhecido quanto o teste do pezinho, o exame do quadril também é realizado assim que o bebê nasce. E, da mesma forma, tem o objetivo de detectar doenças antes que elas se desenvolvam. 

 

Também conhecido como Teste de Ortolani, procura, por meio de flexões nas pernas do bebê, avaliar a estabilidade do quadril. Caso existam luxações, pode ser sinal da doença conhecida como Displasia do Desenvolvimento do Quadril (DDQ).

- Exame de Tipagem Sanguínea

O exame de tipagem sanguínea nada mais é do que um exame de sangue que visa identificar o tipo de sangue do bebê.

 

É um exame importante, pois casos de emergência podem exigir transfusões. Como, em geral, nem todo tipo sanguíneo pode doar ou receber de outros tipos, é essencial que os pais conheçam a tipagem do seu bebê.

 

O sangue poderá ser do tipo A, B, AB, e O. Ele é, ainda, classificado de acordo com o seu fator Rh, podendo ser positivo ou negativo. No Brasil, os grupos sanguíneos mais comuns são o O e o A, que, juntos, abrangem 87% da população.

Teste do Pezinho: Perguntas e Respostas

 

O teste do pezinho ampliado é a melhor opção para tranquilizar papai e mamãe em relação à saúde do seu bebê

 

Agora que você já conhece sobre o teste do pezinho e outros testes realizados logo após o nascimento do bebê, vamos esclarecer as perguntas mais comuns. 

 

Em caso de outras dúvidas, lembre-se que você pode deixar um comentário com sua questão.

- Devo fazer o Teste do Pezinho Básico ou Ampliado?

Se você não conta com plano de saúde ou não tem condições financeiras de arcar com o teste do pezinho ampliado, faça o teste básico, na rede SUS.  Havendo condições, o teste do pezinho ampliado  vai  ajudar a identificar cerca de 48 doenças.

 

Se você é cliente Unimed, informe-se na central de atendimento sobre  sobre os testes oferecidos na rede Unimed. Caso seja necessário, consulte também o Guia Médico.

- É possível fazer o Teste do Pezinho Ampliado no SUS?

Não. O SUS oferece apenas o teste do pezinho básico.

- O Teste do Pezinho representa algum risco para o bebê?

Não. O teste do pezinho é feito com a realização de rápidas picadas no calcanhar do bebê para extração do sangue. A região, além de ser rica em vasos sanguíneos, é praticamente indolor. 

Conclusão

O teste do pezinho deve ser realizado nos primeiros dias de vida do bebê

 

O teste do pezinho, como vimos, é essencial para identificar doenças que possam causar prejuízos graves na saúde e qualidade de vida do bebê.

 

Como as enfermidades não apresentam sintomas após o nascimento, é somente com o exame que os médicos podem identificar sinais e controlar o desenvolvimento das doenças. Além disso, o procedimento é rápido e praticamente indolor.

 

Quanto antes as doenças forem identificadas, mais chances os médicos têm de controlar e impedir sua evolução. Assim, contribui-se para que a criança não fique com sequelas.

 

O teste do pezinho, além de ser um ato de amor e cuidado é, também, responsabilidade legal dos pais: o exame é obrigatório em todo o território nacional. 

 

Quer se preparar melhor para a chegada do seu bebê? Então, confira os nossos artigos recomendados:

   

Se ficaram dúvidas ou deseja compartilhar alguma história conosco, deixe um comentário! 

 

Taise de Queiroz Bertoldi

Fonte: Filhos: da gravidez aos 2 anos de idade – guia da Sociedade Brasileira de Pediatria para os pais, volume 1 e site guia do bebê.

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (3 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em