Voltar

Papo Com especialista

Papo Com especialista

Papo Com especialista

4 Abril 2017

No dia a dia é comum observar crianças e adolescentes carregando livros, cadernos, apostilas e diversos materiais para o dia de estudo.

O excesso de peso e também a escolha inadequada da mochila podem acarretar problemas de saúde, em especial na coluna. E sobre esse o médico ortopedista e diretor da Unimed, Dr. Sessue Lopes, conversou com o Ponto Coop. Confira como foi o bate papo com o especialista:

Dr. Sessue, qual o principal problema que o excesso de peso nas mochilas escolares pode causar?

O excesso de peso nas mochilas afeta principalmente a coluna vertebral, mas os problemas podem aparecer também em membros inferiores. Uma criança que carrega sempre uma mochila pesada demais pode não apresentar sintomas imediatos que chamem à atenção, mas sim a longo prazo. O excesso de peso muda a postura, a criança tende a caminhar um pouquinho curvada, os músculos do peito se encurtam, os das costas ficam mais fracos, pode haver uma escoliose (que é um desvio da coluna para um lado) e no futuro a qualidade de vida será afetada.

Utilizar a mochila corretamente é essencial para preservar a coluna de dores e traumas. Qual a forma correta de utilizar a mochila?

Classicamente as mochilas são usadas nas costas, mas devem ajustar-se à coluna, sem folga, de preferência com cinto abdominal para que fiquem bem adaptadas ao corpo. Quando soltas puxam o corpo para trás, forçando os músculos e fazendo a criança curvar os ombros. As alças devem ter, no mínimo, quatro cm de largura, serem ajustáveis e bem acolchoadas para não machucar as crianças e o fundo deve estar ao nível da curva lombar, nunca a mais de cinco cm abaixo da linha da cintura.

O uso na frente também pode acontecer, desde que a criança seja bem orientada, pois faz a musculatura posterior do corpo trabalhar mais e manter ereta a coluna, mas é pouco difundido.

 

Dividir o peso, levando um pouco de material em um dos braços, é uma atitude que vemos muito entre adolescentes, principalmente. Isso é correto?

A divisão do peso é fundamental, mas carregar a mochila somente em um dos ombros ou o material em um dos braços não é recomendável. Força a lateralização da coluna e até mesmo sua torção, aumentando o risco de lesões. Os objetos mais pesados devem ser colocados no espaço principal e no centro da mochila e os outros distribuídos ao redor. Outra orientação importantíssima é evitar que a criança carregue objetos desnecessários, usando, sempre que possível, armários disponibilizados pelas escolas.

 

E as mochilas que contem rodinhas, elas são indicadas?

Sim. Mochila de rodinhas é uma excelente opção, mas a alça tem que estar regulada de forma que a coluna fique reta, para não sobrecarregar os quadris e os joelhos.

 

É correto afirmar que o peso da mochila não pode ultrapassar 10% do peso de quem a carrega?

 

Sim. Os estudos mostram isto. Por exemplo: uma criança de 7 anos, com cerca de 20 kg, não deve carregar uma mochila que pese mais que 2 kg.

 

Em caso de dores ou incômodos, o que se deve fazer?

Na presença de dores, desvios na coluna ou quaisquer dúvidas, basta levar a criança e a mochila com a carga usual ao ortopedista ou ao pediatra para uma completa avaliação e tratamento específico, quando indicado. A boa notícia é que se a criança usou mochila pesada muito tempo ou já tem queixas de dor, muitas vezes o tratamento fisioterápico é suficiente para resolver o problema e evitar sequelas futuras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Viviane Oliveira

Fonte: Revista e Saúde, edição Março de 2015