Rinite Alérgica

Rinite Alérgica


A Rinite Alérgica é uma doença inflamatória das mucosas do nariz. A doença respiratória afeta cerca de 40 milhões de brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai). As crises ocorrem quando a mucosa nasal inflama devido o contato com alguma substância ao qual o paciente é alérgico, como por exemplo: poeira, ácaros, baratas, fungos, caspas de animais como cães e gatos, polens ou até mesmo fumaça de cigarro.

Os sintomas da rinite incluem obstrução nasal, coriza, espirros e coceira no nariz, ou ainda na garganta e nos olhos. Além disso, o paciente pode apresentar otites (inflamação nos ouvidos), sinusites (inflamação de cavidades existentes na face) e roncos devido ao entupimento do nariz, o que pode prejudicar também o sono. Alguns estudos associam ainda, dores de cabeça e pressão facial à doença. O tratamento da rinite alérgica é composto por três pontos fundamentais:

Importância da higiene

A forma mais simples de tratar a alergia é evitar o contato com a substância que desencadeia os sintomas, aliando a higiene nasal à limpeza do ambiente. Lavar as narinas com soluções salinas diariamente, como soro, é imprescindível para remover os alérgenos em contato com a mucosa. Em casa, os ambientes precisam ser arejados e limpos. Para evitar o contato com o ácaro, principal causa da rinite alérgica, algumas medidas simples podem ser adotadas, como por exemplo: evitar o uso de materiais que espalhem poeira pelo ambiente, como vassouras e espanadores. Mesmo em dias frios, as janelas devem ficar abertas para melhor circulação do ar. Evite ter em casa objetos que acumulam poeira, como tapetes e almofadas. Roupas e cobertores guardados há muito tempo precisam ser lavados e secos ao sol antes do uso.

Tratamento com medicamentos

Para amenizar os sintomas, o uso de medicamentos pode ser empregado. Alguns são utilizados de forma preventiva como: descongestionantes, anti-histamínicos, estabilizadores de membranas e corticosteroides. É importante lembrar que cada um dos medicamentos citados atua de maneira diferente, e se utilizados incorretamente podem causar efeitos colaterais. Por isso, é importante evitar a automedicação e procurar acompanhamento médico.

Vacinas antialérgicas

A imunização para a rinite alérgica consiste em pequenas doses de alérgenos para tentar dessensibilizar o organismo e reduzir as crises. No entanto, a vacina só é recomendada pelos especialistas para casos graves, quando todas as outras possibilidades de tratamento já se esgotaram. Vale lembrar que, por ser uma doença crônica, a rinite não tem cura, e, sim, controle.

Utilização de spray nasal: passo a passo

  • Antes do uso, assoe o nariz delicadamente fazendo a limpeza das narinas;
  • Movimente o frasco suavemente por 3 vezes, misturando o produto;
  • Retire a tampa protetora;
  • Segure o aplicador com o polegar na base e os dedos indicador e médio nas laterais;
  • Se estiver utilizando o medicamento pela primeira vez ou após um período de interrupção superior a 3 dias, pressione a válvula longe do rosto até liberar uma névoa fina;
  • Após a rápida liberação do produto, incline a cabeça levemente para frente;
  • Mantenha o frasco em pé, pressionando uma das narinas com o dedo indicador. Na outra narina introduza a ponta do aplicador e pressione a válvula do spray de acordo com a quantidade de vezes prescrita pelo médico;
  • Repita o procedimento da aplicação na outra narina e respire fundo;
  • Após o uso, limpe o aplicador com um lenço de papel seco;
  • Depois de limpar o aplicador, recoloque a tampa protetora.


Importante!

Se você estiver em tratamento e surgirem dúvidas, converse com seu médico ou farmacêutico e evite sempre a automedicação. O melhor tratamento deve ser definido somente por um profissional de saúde habilitado.