Voltar

Exposição de fotos íntimas na internet

Exposição de fotos íntimas na internet

Você já conversou abertamente com seu filho sobre isso? Saiba o porquê e como abordar o assunto com crianças e adolescentes

Exposição de fotos íntimas na internet

14 Setembro 2018

 

 

A exposição de mensagens, fotos e vídeos de jovens nus ou envolvidos em ato sexual na internet pode causar um enorme sofrimento emocional para toda a família. Uma pesquisa americana revelou que 12% dos jovens de 10 a 19 anos já enviaram uma foto com contexto sexual para outra pessoa. Para a Academia Americana de Pediatria, da mesma maneira que uma conversa sobre sexualidade deve ser iniciada antes do início da vida sexual, falar sobre a exposição desse tipo de mensagem na internet deve fazer parte do diálogo entre pais e filhos. Veja abaixo algumas dicas para tratar o assunto com crianças e adolescentes.

1. Entenda qual é a compreensão do seu filho sobre o assunto e acrescente informações apropriadas à idade.

2. Mantenha o diálogo aberto com a criança e faça colocações adequadas sobre o assunto à medida que ela for amadurecendo.

 

3. Para crianças menores, alerte-as de que mensagens de texto nunca devem conter fotos ou vídeos de pessoas sem roupas, com beijos prolongados ou tocando as partes íntimas.

4. Para crianças mais velhas, pergunte se elas foram expostas a imagens nuas ou seminuas e alerte sobre os perigos do envio e recebimento, assim como solicite que relate o recebimento de qualquer imagem dentro desse contexto.

 

5. Seja mais específico com os adolescentes e informe que alguns materiais podem ser considerados pornografia infantil e que remetentes e destinatários podem sofrer consequências jurídicas.

6. Informe que textos, imagens e vídeos podem permanecer para sempre na internet e que farão parte da “pegada digital” deles na rede.

7. Enfatize que o compartilhamento de fotos viraliza facilmente na internet, expondo o adolescente a um número ilimitado de pessoas.

8. Explique por que resistir à pressão dos colegas e como se proteger dizendo não para o compartilhamento de materiais com conotação sexual.

 

9. Mostre-se aberto ao diálogo para que seu filho possa compartilhar com você preocupações sobre o assunto.

10. Caso suspeite de algum comportamento inadequado, monitore o celular, verifique com quem estão se comunicando e restrinja o uso do aparelho, se necessário.

 

 

 


Texto: Jailde Barreto / Design: Alex Mendes e Gustavo Deip

Fonte: Healthy Children/Academia Americana de Pediatria.

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (3 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em