Voltar

Vacinas para gestantes: conheça a lista de imunização para mamães

Vacinas para gestantes: conheça a lista de imunização para mamães

As vacinas para gestantes são um passo importantíssimo no pré-natal, para garantir a saúde da criança e da mamãe. Conheça a lista de imunização e sua importância nesse artigo.

Vacinas para gestantes: conheça a lista de imunização para mamães

17 Janeiro 2018

 

As vacinas para gestantes fazem parte de uma etapa fundamental do pré-natal, o acompanhamento médico que visa orientar e assegurar uma gravidez saudável e tranquila. 

 

O Ministério da Saúde recomenda uma lista de vacinas durante a gestação. Elas protegem mãe e bebê contra uma série de doenças, como Coqueluche, Difteria e Hepatite B. 

 

Realizar corretamente o pré-natal é extremamente importante. Existem inúmeras recomendações do que se deve ou não fazer para que a gestação aconteça da maneira que a mamãe sempre imaginou, sem nenhum susto. 

 

Para entender melhor sobre as recomendações das vacinas para gestantes, preparamos um artigo para explicar: 

 
  • Vacinas para gestantes: conheça as imunizações indicadas
  • Vacinas que a gestante não pode tomar
  • Calendário de vacinas para gestantes 2019
  • Qual o risco de não tomar as vacinas para gestantes indicadas?
  • Tire suas dúvidas sobre as vacinas para gestantes
  • A importância do acompanhamento pré-natal
 

Boa leitura!

Vacinas para gestantes: conheça as imunizações indicadas

As vacinas fazem parte da lista de diversas recomendações médicas repassadas durante o pré-natal 

 

Logo após a confirmação da gravidez, a mulher inicia o pré-natal. Nele, são passadas diversas recomendações pelo médico à futura mamãe.  Uma delas é a atualização da caderneta de vacinação, com a aplicação de três vacinas recomendadas pelo Ministério da Saúde, conforme o histórico da gestante. 

 

Para se informar sobre outras recomendações para o pré-natal, leia o artigo Cuidados importantes na gestação.

 

Veja abaixo a lista de vacinas para gestantes, indicadas pelo Ministério da Saúde:

- Tríplice Bacteriana Acelular (dTpa)

Também conhecida como dTpa Adulto, a Tríplice Bacteriana Acelular é recomendada pelo Ministério da Saúde para todas as gestações. Ela protege contra Difteria, Tétano e Coqueluche. 

 

Essa vacina visa proteger mãe e filho nos primeiros meses de vida da bactéria Bordetella Pertussis, já que os anticorpos são passados por meio da amamentação. 

 

Apenas uma dose já garante a imunização contra agentes causadores das três doenças. Mulheres que perderam o prazo da vacinação podem se vacinar até 40 dias após o parto. 

- Hepatite B

A Hepatite B é transmitida de diversas maneiras: pela prática do sexo desprotegido (sem preservativos); transfusão de sangue contaminado; compartilhamento de agulhas, compartilhamento de materiais de manicure/pedicure, ou também através de procedimentos odontológicos e cirúrgicos fora dos padrões de segurança. 

 

Além disso, a Hepatite B pode ser transmitida para o bebê durante a gravidez e amamentação. 

 

Gestantes que ainda não tomaram a vacina devem receber três doses após o primeiro trimestre de gestação, com o intervalo de 60 dias entre elas.

- Influenza

As mudanças no organismo da mulher durante a gravidez deixam a gestante mais vulnerável às complicações de uma infecção pelo vírus Influenza, causador de diversos tipos de gripe. 

 

Assim sendo, a vacina é especialmente indicada para a gestante nos meses em que o vírus costuma estar circulando com mais liberdade (final do outono e começo do inverno). A vacina pode ser aplicada em qualquer período da gravidez. 

 

A campanha nacional contra o Influenza costuma acontecer nos meses de abril e maio.

 

Para saber mais sobre os cuidados da gestante contra a gripe, leia o artigo Gripe e Gravidez.

Vacinas que a gestante NÃO pode tomar

Algumas vacinas são totalmente contraindicadas para gestantes, pois podem provocar reações adversas e complicações com o bebê. Uma delas é a Tríplice Viral, vacina que protege contra o Sarampo, a Caxumba e a Rubéola

 

Essa vacina, no entanto, pode ser aplicada no puerpério (pós-parto) e durante o período de amamentação.

 

As vacinas contra o HPV e contra a Varicela (também conhecida como catapora), só podem ser aplicadas após o nascimento do bebê. Já a vacina contra a Dengue é contraindicada também durante a amamentação. 

- Vacinas para gestantes que podem ser aplicadas em situações especiais

Algumas vacinas não fazem parte do calendário do pré-natal, mas podem ser solicitadas caso o médico entenda que existe algum risco para a mãe ou para o bebê.

 

Essas vacinas somente devem ser realizadas com a indicação clara do médico

 

São elas: 

 

 

  • Hepatite A e Hepatite A e B: a Hepatite B faz parte do calendário padrão, mas a Hepatite A pode ser considerada se a gestante estiver muito exposta às situações de risco.
  • Pneumocócicas: esse conjunto de vacinas, realizadas em sequência, protegem contra doenças causadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae como pneumonia, otite média aguda, sinusite, meningite, e bacteremia. Devem ser aplicadas em gestantes de risco.
  • Meningocócica Conjugada ACWY e Meningocócica B: as vacinas que protegem contra a meningite meningocócica poderá ser aplicada na gestante caso ela viva em uma região de risco epidemiológico e se houver recomendação médica.
  • Febre Amarela: a vacina contra febre amarela é, geralmente, contraindicada para gestantes. No entanto, se o risco de infecção for maior que o risco potencial da vacina, o médico poderá indicar a aplicação.

Calendário de vacinas para gestantes 2019

 

O Programa Nacional de Imunizações (PNI), um dos maiores do mundo, é o responsável por adquirir, distribuir e normatizar as vacinas para todos os públicos, contribuindo para a valorização da saúde pública, desde 1973. 

 

O calendário de vacinas para gestantes, válido para 2019 e 2020, está apresentado de forma resumida abaixo. Você pode consultar o calendário com as informações completas, clicando aqui

 

RECOMENDADAS

Vacinas

Esquemas

Disponibilização

Gratuita na UBS

Clínicas privadas

Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (difteria, tétano e coqueluche) – dTpa ou dTpa-VIP 

 

Dupla adulto (difteria e tétano) – dT

Depende do histórico de vacinação. Consultar informações no calendário completo.

SIM, dT e dTpa

SIM, dTpa e dTpa-VIP

Hepatite B

Três doses, no esquema 0 - 1 - 6 meses.

SIM

SIM

Influenza (gripe)

Dose única anual.

SIM, 3V

SIM, 3V e 4V

RECOMENDADAS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

Hepatite A

Duas doses, no esquema 0 - 6 meses.

NÃO

SIM

Hepatite A e B

Para menores de 16 anos: duas doses, aos 0 - 6 meses. A partir de 16 anos: tre^s doses, aos 0 - 1 - 6 meses.

NÃO

SIM

Pneumocócicas

Consulte os Calendários de vacinação SBIm pacientes especiais.

NÃO

SIM

Meningocócicas conjugadas ACWY/C

Uma dose.

NÃO

SIM

Meningocócica B 

Duas doses com intervalo de um a dois meses.

NÃO

SIM

Febre amarela 

Uma dose (uma segunda dose pode ser considerada pela possibilidade de falha vacinal. 

SIM

SIM

 

Qual o risco de não tomar as vacinas para gestantes indicadas?

As vacinas indicadas para a mamãe são a primeira fonte de imunização do bebê

 

Durante os primeiros meses de vida do bebê, sua imunização depende diretamente da mãe. Os anticorpos da mãe são transmitidos ao feto durante a gestação, e continuam sendo repassados durante o período de amamentação.

 

Por isso, a vacinação é essencial para proteger a saúde do bebê e da mamãe. 

 

A Hepatite B, por exemplo, é uma doença grave que pode colocar a gravidez em risco. Além de aumentar as chances de um nascimento prematuro, a Hepatite B pode ser transmitida ao bebê durante a gestação, parto ou até durante a amamentação. 

 

Se o contágio acontecer no período perinatal (22 semanas de gestação até 7 dias completos pós-parto), o risco de uma infecção crônica é maior. 

- Riscos para a mamãe

As mães que contraírem Hepatite B durante a gestação, podem desenvolver doenças graves no fígado, como Cirrose Hepática ou Câncer. 

 

Já no caso da vacina contra o vírus Influenza, o risco é que a gripe comprometa a parte respiratória.

- Riscos para o bebê

O bebê é protegido, em seus primeiros meses de vida, pelos anticorpos repassados por sua mãe. Por isso, as vacinas são tão importantes para as gestantes.

 

A Hepatite B, como já falamos, é uma doença grave que pode comprometer a qualidade de vida do bebê.

 

A vacina contra o vírus Influenza também é muito importante para o bebê, já que a gripe aumenta as chances de parto prematuro

 

a tríplice bacteriana adulta (DTPa) é uma das vacinas mais importantes para o seu bebê. Isso porque a Coqueluche, uma das doenças protegidas pela vacina, é especialmente mais grave para os bebês de até 6 meses.

 

O tétano neonatal, conhecido, popularmente como o “mal de sete dias”, pode ocorrer durante o parto, em função do corte do cordão umbilical .

 

A Difteria, terceira doença prevenida pela vacina, pode causar obstrução das vias respiratórias, tendo maior risco de morte nos recém-nascidos.

Tire suas dúvidas sobre as vacinas para gestantes

 

Alguns mitos sobre as vacinas podem assustar a gestante, prejudicando a prevenção e uma gestação segura

 

As vacinas são, muitas vezes, tópico de discussões acaloradas. Existem grupos de pessoas que são contra essa medida de prevenção. Como argumentos, compartilham informações que nem sempre são verdadeiras.

 

Para tranquilizar, vamos desmistificar algumas das dúvidas que podem assustar as mamães, prejudicando o bom andamento de sua gestação. 

 

Você terá as informações necessárias para entender porque as vacinas para gestantes são a melhor maneira de assegurar uma gravidez com saúde, tanto para você quanto para seu bebê. Confira:

- É perigoso aplicar mais de uma vacina ao mesmo tempo na gestante?

Não! As vacinas recomendadas no calendário de vacinação para gestantes são todas produzidas com vírus inativados ou mortos, ou seja, não são capazes de produzirem doenças. 

 

É por conta disso que uma vacina não interfere na outra. Isso permite que a aplicação aconteça no mesmo dia ou em um intervalo curto de tempo. 

- Vacina contra influenza pode causar gripe na gestante? 

Não! A vacina contra o vírus Influenza não causa gripe, pois é produzida com um vírus morto. Assim, ele não é capaz de se reproduzir, sendo impedido de produzir a doença. 

 

O que pode, sim, acontecer, é a gestante (ou qualquer outra pessoa) contrair um vírus de uma cepa diferente das três previstas na vacina.

- É perigoso para quem está grávida misturar antibióticos e a vacina?

Não! O antibiótico não interfere na aplicação e absorção da vacina. É importante lembrar que a gestante sempre deve consultar seu médico, tanto para aplicação de vacinas, quanto para administração de medicamentos.

- Posso tomar as vacinas para gestantes mesmo estando doente?

Depende. A gestante deve fazer uma avaliação com o seu médico para saber se a vacina pode ser aplicada, ou se deverá ser adiada. É possível, também, que a vacina se torne contraindicada, dependendo da situação de saúde da gestante.

- É verdade que tem mercúrio nas vacinas para gestantes? É perigoso?

Sim e não. Sim, tem mercúrio nas vacinas. O timerosal é um conservante, à base de mercúrio, usado para evitar a contaminação por bactérias e fungos nos frascos que contém mais de uma dose. E não, não é perigoso. 

 

A quantidade de timerosal presente nos frascos não é suficiente para causar algum dano à saúde da gestante, do bebê ou de qualquer outra pessoa.

A importância do acompanhamento pré-natal

A gestação é um momento mágico na vida de muitas mamães. Planejada ou não, quando acontece, uma das primeiras preocupações é em relação à saúde do bebê. 

 

Hábitos saudáveis, de alimentação e de vida, precisam ser transformados em rotina, para garantir um desenvolvimento saudável do feto e evitar complicações para a gestante. 

 

Com o pré-natal você garante que todos os exames, acompanhamentos e imunizações estão sendo feitos corretamente. 

 

Além disso, o médico poderá acompanhar a saúde da mamãe e do bebê, prevendo situações de risco e potenciais desafios. Isso permitirá que medidas para reduzir riscos para a gestante ou feto, sejam realizadas.

 

Portanto, o pré-natal é indispensável para a gestante. Não deixe isso de lado. 

Você pode consultar o nosso Guia Médico para encontrar o obstetra que lhe acompanhará nessa jornada linda. Clique aqui!

 

Ainda não é cliente Unimed? Encontre um plano* adequado à sua necessidade.

 

* A carência para partos é de 300 dias.

Conclusão

 

O pré-natal e as vacinas auxiliam para uma gestação mais tranquila e saudável

 

Como vimos, as vacinas para gestantes é etapa fundamental do pré-natal, pois protege mamãe e bebê de doenças com riscos graves para a saúde.

 

O bebê tem, em seus primeiros meses de vida, somente os anticorpos que foram repassados pela mãe, tanto durante a gestação quanto durante o período de amamentação. Assim, lembre-se que a vacina não é somente para você, mas sim - e principalmente - para seu bebê. 

 

Uma gestação tranquila e saudável depende muito dos seus hábitos. O acompanhamento pré-natal é essencial para que o médico possa analisar o desenvolvimento do feto e avaliar se a mamãe está mantendo sua saúde em dia. Dessa forma, as chances de ter um parto seguro são muito maiores!

 

Deseja ler outras dicas e informações relevantes para uma gestação mais tranquila? Confira abaixo os artigos indicados para você:

   

Esquecemos de responder alguma dúvida? Então, deixe um comentário para nós!

 

Texto: Jailde Barreto / Design: Carolina Moura

Fonte: Ministério da Saúde/ Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (3 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em