Voltar

Programa de Desenvolvimento dos Dirigentes inicia novo módulo

Programa de Desenvolvimento dos Dirigentes inicia novo módulo

Programa de Desenvolvimento dos Dirigentes inicia novo módulo

12 Julho 2021

Começou, no último dia 7, mais uma edição do Programa Estadual de Desenvolvimento de Dirigentes, com dois módulos, na modalidade on-line, a serem trabalhados até setembro: o institucional e o inovação e desenvolvimento. Na abertura, o presidente da Unimed Paraná, Paulo Faria, destacou a importância do aprimoramento constante nas temáticas que envolvem o negócio saúde diante dos cenários aí expostos. Ele apresentou então os palestrantes da noite, que foram Paulo Stöberl, advogado e consultor da Equalitas, e Tomas Sparano, professor da Universidade Estadual do Paraná e consultor da Beecoop Ecossistema de Transformação Cooperativa.

Para uma plateia atenta, de cerca de 40 pessoas, eles falaram sobre o cooperativismo, detalhando temas como visão conceitual, cooperativismo moderno, visão atual do cooperativismo e seu potencial para o futuro e o diferencial das cooperativas.

Störbel pontuou as diferenças entre cooperativas e empresas mercantis, ressaltando que uma cooperativa é uma sociedade de pessoas, tem por objetivo prestar serviços, seu capital é dividido em cotas-partes, atua de forma democrática, inclusive em seu controle (um voto para cada cooperado), e não permite a transferência para terceiros, entre outros. Enquanto a empresa implica uma sociedade de capital, cujo objetivo é o lucro para seus acionistas (não o trabalho em primeira mão), o sócio majoritário tem poder de decisão, o capital é dividido por ações e o controle é acionário, ou seja, cada ação é um voto. Os dois têm assembleias que poderão nortear ações, mas a assembleia da cooperativa é baseada em número de associados, já a da empesa, em número de ações.

Além disso, a cooperativa também permite o retorno proporcional ao valor de suas operações, pode ter números ilimitados de associados e seus associados são proprietários e usuários dos serviços que ela presta. Sem contar que a cooperativa produz sobras para os associados, promove a integração e tem compromisso educativo, social e econômico. Já as empresas possuem dividendos proporcionais ao número e valor das ações nas bolsas de valores, têm número limitado de acionistas, têm empregados (e não cooperados), produzem lucro para seus acionistas/cotistas, promovem a concorrência e seu principal compromisso é o econômico.

Resposta à comunidade

Com o intuito de fomentar ainda mais a reflexão sobre esse universo cooperativista, o professor Sparano falou sobre o que se chama de novo cooperativismo, algo que tem por objetivo levar as cooperativas às suas origens, reconfigurando uma resposta comunitária à lógica neoliberal e aos seus inerentes riscos sociais, ambientais e econômicos.

O professor explicou ainda que o novo cooperativismo se caracteriza por duas ondas: a de 1970 a 2000, que implica um modelo concorrente aos movimentos sociais que iam contra a ideologia imposta pelo capitalismo neoliberal; e a onda de 2000 até o presente, que implica um modelo concorrente a propostas menos ou não capitalistas + plataformas tecnológicas de geração, captura e compartilhamento de valor. São as agora chamadas cooperativas de plataforma.

Sparano explicou que “cooperativas de plataformas são empresas que usam um site, aplicativo móvel ou protocolo para vender produtos ou serviços. Elas têm como base a tomada de decisões de maneira democrática e a propriedade compartilhada pelos membros da cooperativa e/ou usuários da plataforma”. O que isso implica de mudanças para as cooperativas atuais e para a sociedade de modo geral? É essa a reflexão que ele deixou aos presentes.

O professor destacou por fim a importância da comunidade no seio do cooperativismo e a responsabilidade de se colocar essa relação na missão e visão de uma cooperativa, como foi o caso da Unimed Paraná, esmiuçando alguns conceitos de comunidade. Ao analisar o sétimo princípio do cooperativismo, que trata justamente do interesse pela comunidade, Sparano chamou a atenção para quatro dimensões desse princípio: serviços sociais (ações comunitárias que contribuem para reduzir a pobreza e a desigualdade), atividades políticas (por meio da Justiça Social), interesse pelos jovens (foco na próxima geração) e viabilidade econômica (foco no aumento da prosperidade da cooperativa). Intitulando-se um cooperativista liberal, ele lembrou que esses conceitos eram apenas degustação para endossar as discussões na próxima aula a ser ministrada, no dia 21 de julho.

Importante lembrar que esse módulo institucional, vem em seguida ao módulo de mercado, também da segunda edição do Programa Estadual de Desenvolvimento de Dirigentes de Mercado, já iniciado no ano passado, com aulas sobre gestão de vendas, gestão de carteira, relacionamento de mercado, reajuste de contratos, inteligência de mercado e marketing. Esse módulo ainda tem duas aulas que deverão acontecer, respectivamente, dias 22 de julho e 26 de agosto. Quando todos esses módulos finalizarem, será a vez dos módulos Saúde e Administrativo-financeiro, com a divulgação de programas e datas ainda a ser realizada. Aguardem!

Veja o cronograma das próximas aulas

 


Assessoria de Imprensa

Fonte: Unimed Paraná