Voltar

Mês das Mães: o que é e quais são as fases do puerpério

Mês das Mães: o que é e quais são as fases do puerpério

Mês das Mães: o que é e quais são as fases do puerpério

7 Maio 2021

O corpo da mulher passa por diversas transformações físicas e psíquicas, desde a gravidez até o nascimento do bebê. No período de 45 a 60 dias pós-parto, o corpo sofre mutações progressivas, em que começa a se preparar para voltar ao estado de não-grávida. Esse ciclo é chamado de puerpério e deve ser acompanhado com atenção para que a mulher tenha o apoio necessário para realizar a transição com saúde e segurança.

O que acontece durante o puerpério?

Com a gestação, são muitas as transformações internas - desde os órgãos digestivo até a pressão arterial. Nas primeiras 24 horas após o parto, as mudanças de corpo se concentram no órgão que mais fez esforço durante o parto: o útero. Para ter ideia, no fim da gestação, o útero chega a medir 32 centímetros. Quando o bebê nasce, mede apenas sete. O peso do órgão também muda: de uma média de 1,5 kg durante a gestação, volta a pesar cerca de 60 gramas.

Nesta fase, é normal o aparecimento de um tipo de "menstruação" que, na realidade, é um sangramento normal causado pelo parto chamado: o lóquios, que inicia de forma abundante, mas vai diminuindo pouco a pouco. Em média, esse sangramento dura cinco semanas, sendo caracterizado pela saída de sangue vermelho-escuro com consistência espessa e que, por vezes, apresenta coágulos.

Os órgãos digestivos vão voltando pouco a pouco à posição de antes e retomam a fisiologia usual. É normal que nos primeiros dias após o parto o intestino fique preso, mas o funcionamento retorna ao normal de forma espontânea. No período de puerpério, recomenda-se uma dieta leve, com alimentos que facilitem a evacuação.

O que muda no corpo da mulher?

Mamas mais duras - Por ser também o período de amamentação, as mamas ficam cheias de leite e, consequentemente, mais pesadas. Caso você se sinta muito desconfortável, é ideal procurar um médico para receber orientações sobre uma eventual necessidade de fórmula infantil (amamentação através de produtos recomendados pelo profissional de saúde). É importante ressaltar que essa deve ser uma escolha conjunta entre mãe e médico, buscando alternativas que fortaleçam o desenvolvimento do bebê e que também possam deixar a mãe mais confortável. Compressas de água quente podem ajudar.
• Barriga inchada - Nos primeiros dias o abdômen permanece inchado devido ao tamanho do útero, que ainda não está no tamanho normal, e por conta da prisão de ventre, que é comum nesta fase. Com o passar do tempo, o útero vai voltando ao seu estado anterior e a barriga tende a ficar mais flácida. Não se preocupe! É importante respeitar o seu tempo e entender que o seu corpo passou por grandes transformações nessa etapa. Ame-o e respeite-o! 
• Aparecimento de sangramento vaginal - As secreções do útero vão saindo pouco a pouco. Por isso existe o já mencionado sangramento parecido com a menstruação (lóquios), que é mais intenso nos primeiros dias mas que diminui gradativamente, até desaparecer por completo. Se você notar um sangramento com cheiro característico e cor muito intensa por mais de quatro dias, é importante consultar um médico para ter certeza de que tudo está bem.
• Cólicas - Agora que já sabemos que o útero está mudando de tamanho e regredindo à forma original, é importante saber que podem haver cólicas e desconfortos abdominais. Isso não quer dizer que você está menstruando. As dores são parte natural do processo de retorno ao corpo não-grávido mas, caso sejam muito incômodas, você pode usar compressas quentes na região para aliviar. Chás e repouso também são ótimas medidas! 
• Incontinência urinária - A incontinência é uma complicação relativamente normal no pós-parto (especialmente se a mulher teve parto normal). A incontinência pode ser sentida como uma vontade repentina de urinar, que é difícil de controlar, podendo haver escape de urina. 
• Retorno da menstruação - O retorno da menstruação está ligado ao fato da mulher amamentar ou não. Quando amamenta, a menstruação tende a voltar em cerca de seis meses, mas é recomendado usar métodos contraceptivos extras para não engravidar nesse período. Caso a mulher não amamente, a menstruação volta em aproximadamente um ou dois meses. 

Cuidados durante o puerpério

• Andar durante as primeiras horas do dia diminui os riscos de trombose, melhora o trânsito intestinal e contribui para a circulação de sangue.
• Marcar uma consulta com o seu médico em uma média de seis semanas pós-parto é importante para checar se o útero está cicatrizando bem.
• Ter paciência com o seu corpo, pois esse período é muito delicado e pode também afetar o equilíbrio emocional das mulheres. Nesse ciclo, tenha paciência e lembre-se de que você está passando por grandes transformações no seu corpo e que muitas delas se resolvem com o tempo. Tenha orgulho do trabalho que o seu corpo fez até aqui.
• Para ajudar a cicatrização do útero e evitar movimentos e contração, evite pegar peso ou fazer grandes esforços. Dessa forma, você deixará os órgãos mais relaxados para trabalhar.

Cuidar de você. Esse é o plano.