Voltar

Projeto terapêutico: organização assistencial no ambiente hospitalar

Projeto terapêutico: organização assistencial no ambiente hospitalar

Projeto terapêutico: organização assistencial no ambiente hospitalar

26 Novembro 2019

Um planejamento que prevê a trajetória do paciente desde a sua entrada até a alta hospitalar. Assim, pode ser definido o Projeto Terapêutico de um hospital, responsável por realizar a estruturação assistencial, identificar o tempo de permanência do paciente internado e os riscos que podem ser evitados com o mesmo. Nos dias 20 e 21 de novembro, uma equipe de profissionais do Hospital Unimed Chapecó recebeu o médico, Dr. Edgar Sobrinho, que conduziu uma capacitação a respeito do tema. Natural do Pará, o médico é especialista em Clínica Médica e Intensiva e Mestre em Saúde e Liderança. Participaram do treinamento cerca de 30 pessoas, entre médicos, equipe multiprofissional e enfermeiros assistenciais e supervisores. 

O especialista esclareceu que todo o paciente hospitalar necessita de um Projeto Terapêutico, porém, há determinados grupos de pacientes que são muito semelhantes como por exemplo, pacientes cirúrgicos de baixa complexidade, que frequentemente internam em um dia e saem no outro, para este grupo sugere-se a construção de uma linha de cuidado assistencial padronizada, onde todos os profissionais conheçam claramente seus papéis e responsabilidades, fator que garante agilidade, segurança e eficiência operacional.

“Os demais pacientes, aqueles mais críticos e mais complexos, que possuem variabilidades envolvidas, precisam de um projeto estruturado, discutir com a equipe as ações que devem ser feitas para que aquele paciente saia no tempo planejado e sem nenhum dano. Isso é o Projeto Terapêutico”, explica Dr. Edgar. Entre os benefícios deste método, além da previsão de alta, o médico destaca a previsão de custos, organização da equipe assistencial e preparação do ambiente como um todo para receber e assistir o paciente. “Não quer dizer que os médicos, enfermeiros e equipe multiprofissional vão começar a prognosticar os pacientes que vão sair ou não do hospital e quando, mas, num plano inicial, é possível fazer uma programação para aquele paciente para que tudo ocorra da forma adequada. E caso não aconteça, a comunicação com a família e com o corpo assistencial se torna mais fácil”, pontua.

Na Unimed Chapecó, a implantação do Projeto Terapêutico está em desenvolvimento. Durante os dois dias de capacitação com o Dr. Edgar foi possível alinhar conceitos, estruturar comunicações e conduzir a equipe para a correta aplicação do Projeto de forma prática. De acordo com o médico coordenador da Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Unimed Chapecó, Dr. Cassiano Branco Dal Piva o treinamento foi uma oportunidade de reflexão e aprendizado. “Falamos em gerenciamento, organização e perspectivas. Uma organização de prontuário que servirá não só para o próprio profissional, mas para toda a equipe multidisciplinar. Com isso, melhorando o atendimento ao paciente com eficiência e segurança e mostrando o papel de cada profissional em relação ao atendimento do nosso cliente”, opinou Dr. Cassiano.