Voltar

Hospital Unimed Costa do Sol realiza captação de órgãos

Hospital Unimed Costa do Sol realiza captação de órgãos

Hospital Unimed Costa do Sol realiza captação de órgãos

21 Janeiro 2019

No ano de 2018, o Hospital Unimed Costa do Sol (HUCS) realizou quatro captações de órgãos na UTI Adulto da unidade de saúde.

O processo de captação começa quando os médicos constatam que o paciente não responde a estímulos cerebrais. Dois clínicos gerais realizam exames e detectam ausências de reflexos pupilar, córneos ou respiratórios. Concluída a suspeita, um terceiro médico, neurologista, confirma a morte encefálica através de uma arteriografia cerebral, exame capaz de diagnosticar a ausência de fluxo sanguíneo no cérebro.

De acordo com Conselho de Federal de Medicina, a morte encefálica é considerada quando há completa e irreversível parada de todas as funções do cérebro. Isto acontece quando o cérebro deixa de receber o sangue rico em oxigênio e não consegue mais realizar as suas funções, o que significa a morte cerebral.

Seguindo o protocolo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os pacientes com suspeita de morte encefálica são notificados e tratados com a OPO - Itaperuna, a Organização de Procura de Órgãos do estado, e credenciado pelo estado do Rio de Janeiro através do PET (Programa Estadual de Transplantes).

Constatada a morte cerebral, a equipe multiprofissional da UTI Adulto do Hospital Unimed Costa do Sol inicia a abordagem com a família do paciente no sentido de autorizar a doação. Caso aceitem, o HUCS contata a OPO e o Rio Transplante, que avalia o paciente para saber quais órgãos podem ser captados, coleta exames para reconhecer os possíveis receptores e depois entra em contato com o HUCS para alinhar o melhor dia e horário para a captação.
 

 
Equipe realizando a cirurgia para captação do órgão

 

Dessa forma inicia-se o trabalho da equipe do HUCS: a UTI é avisada e a enfermeira responsável, Antônia Brandão de Jesus, entra em contato com o Centro Cirúrgico para reservar a sala de cirurgia. As equipes médicas e de enfermagem realizam todo o processo com muito e cuidado e cautela com os órgãos coletados, e a Rio Transplante os levam de volta para os pacientes que receberão os transplantes.

As gerências do HUCS acreditam nesse trabalho e concordam que a captação de órgãos é um processo de dedicação e empenho da unidade e de todos os setores e colaboradores envolvidos. "O transplante de órgãos é um procedimento dinâmico e complexo que envolve diversos profissionais em diferentes etapas. A equipe de enfermagem do HUCS desempenha um papel essencial, atuando no planejamento, execução, coordenando e supervisionando os procedimentos prestados aos doadores e seus familiares. O enfermeiro estabelece vínculos com suas práticas e competências no cenário hospitalar. A doação exige generosidade e dedicação", declarou a Gerente de Enfermagem, Catiane Albrecht.

Em 2017, 597 órgãos foram captados no estado. A doação de órgãos é um processo que salva vidas. De acordo com Dr. Joel Tavares Passos: "no estado do Rio de Janeiro, o número ainda é aquém de São Paulo, e poder fazer parte da evolução do sistema, é muito satisfatório para a Unimed Costa do Sol", afirmou o coordenador técnico da UTI Adulto do HUCS. 


Setor de Comunicação e Marketing