Voltar

Alunos do Parque Atalaia progridem na Capoeira

Alunos do Parque Atalaia progridem na Capoeira

Projeto assistido pelo PróUnim dissimina o esporte como prática de inclusão

Alunos do Parque Atalaia progridem na Capoeira

Projeto assistido pelo PróUnim dissimina o esporte como prática de inclusão

1º Julho 2013

Além de receber a terceira corda na Capoeira do Projeto Parque Atalaia, o estudante Patrick Junior Soares Santos comemora neste mês de junho, um ano de experiência como menor aprendiz na Farmácia da Unimed Cuiabá. O jovem foi um dos 25 alunos do Projeto que participaram da solenidade do Batizado e da Troca de Corda da Capoeira no sábado, 22, projeto a quem deve mais que a oportunidade de realizar um esporte no tempo livre, mas que proporcionou uma vaga no mercado de trabalho.

De acordo com a coordenadora do Projeto, Sonia Regina Machado, a indicação é feita baseada nos critérios de assiduidade e comportamento, tanto nas aulas de capoeira quanto nas demais atividades do Projeto. “Quando é aberta alguma vaga, entram em contato conosco e selecionamos aqueles que tem um bom desempenho no projeto e que já estão em idade legal para trabalhar”, declara.

Do projeto já saiu um campeão brasileiro de capoeira, título que orgulha a coordenadora. Segundo ela, o esporte não é apenas um passatempo, mas a melhor oportunidade de crianças com 4 anos de idade até senhoras com 50, de aprender uma nova atividade e melhorar problemas de saúde.

Apesar da indicação ser essencial para a vida profissional do aluno, a cerimônia de batizado é uma das etapas mais importantes do esporte. A ação representa um avanço no nível dos alunos reunindo desde aqueles que são iniciantes, recebem a corda crua, até os que estão aptos a ministrar as aulas de capoeira, recebendo a corda de graduação.
 
Para o professor Richard Maurício dos Santos, o esporte é de extrema importância na comunidade, visto que contribui para que os jovens fiquem afastados da vulnerabilidade das regiões periféricas, como o envolvimento com drogas e criminalidade. “Ao todo são cerca de 60 alunos de várias faixas etárias e diversos níveis, por isso, no final do ano está sendo organizado um batizado interno, para que aqueles que não participaram da cerimônia de sábado recebam as faixas do próximo nível, promovendo a participação de todos”, destaca.

Os interessados em participar das aulas de capoeira devem entrar em contato com a Coordenação do Projeto, no centro comunitário do bairro Parque Atalaia. As aulas de capoeira são ministradas às terças e quintas-feiras, por um professor educador físico e com corda de monitor.

O Projeto -Todos os custos do projeto, desde uniformes até a remuneração do professor são bancados pelo Instituto Prounim, da Unimed Cuiabá. Segundo o Presidente do Prounim, Paulo Brustolin, o projeto na comunidade vai além das aulas de capoeira, compreendendo ginástica para idosos, apoio pedagógico, informática, alfabetização para adultos, cursos de capacitação profissional, palestras educativas, horta comunitária e biblioteca.

 


Fonte: Íntegra Comunicação Estratégica