Voltar

7 alternativas para substituir o açúcar

7 alternativas para substituir o açúcar

Você não precisa abrir mão do sabor doce nas suas receitas: saiba substituir o açúcar refinado por alternativas mais naturais

7 alternativas para substituir o açúcar

20 Março 2019

 

O açúcar é um alimento muito presente no nosso dia a dia: ele está nos alimentos industrializados, naquele bolo gostoso do lanche da tarde, nas nossas sobremesas preferidas. Para muitas pessoas, não há como passar um dia sequer sem ele, seja no café adoçado ou na guloseima da sobremesa. Outras pessoas, porém, substituem o açúcar por adoçante.

Na busca por uma alimentação mais saudável e reconhecendo o impacto que uma dieta rica em açúcar tem sobre a qualidade de vida, cada vez mais pessoas buscam no adoçante — e também nos açúcares diferentes do tradicional — uma alternativa agradável e menos doce.

 

Quanto mais refinado o açúcar, menos os benefícios

Mas será que o açúcar nosso de cada dia pode fazer mal à saúde? Tudo vai depender da sua medida. De modo geral, profissionais da área de nutrição e de saúde afirmam que quanto mais refinado for o açúcar, menos vitaminas e minerais ele terá e mais aditivos químicos serão adicionados a ele. Por outro lado, o uso de adoçantes é recomendado pela Sociedade Brasileira de Diabetes até em planos alimentares para perda de peso, se usados com moderação e na quantidade correta.

 

Alternativas mais saudáveis para o açúcar

Confira abaixo sete tipos de adoçantes mais saudáveis:

 

É um tipo de açúcar mais puro, que passa por menos etapas de filtração e centrifugação. Por isso, mantém a cor mais escura. Em relação ao sabor, o açúcar mascavo assemelha-se ao caldo de cana – característica que pode não agradar todos os paladares. Seu tom escuro altera a cor das preparações. Ele pode ser usado como açúcar de mesa ou no preparo de doces como bolos e biscoitos. 

 

Tem coloração marrom clara e seu processo de refinamento leve não recebe aditivos químicos, mantendo assim a maior parte dos nutrientes. Só perde em benefícios para o mascavo. É mais difícil de dissolver, porém, é recomendado para receitas de doces, pães e biscoitos.  É melhor para adoçar bebidas do que o mascavo. Não deixa sabor residual.  

 

Produto de granulação uniforme, produzido sem nenhum aditivo químico, preservando os seus sais minerais, tanto na fase agrícola como na industrial, e pode ser encontrado nas versões clara e dourada. Seu processamento segue princípios internacionais da agricultura orgânica e é anualmente certificado pelos órgãos competentes.

 

É um adoçante 100% natural, extraído da planta medicinal Stevia rebaudiana Bertoni, originária da Serra do Amambaí, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Amplamente utilizado no Japão, é o único adoçante de origem vegetal produzido em escala industrial. Seu uso é limitado por causa do sabor residual amargo que possui.

 

É um adoçante 100% natural. Possui quantidades elevadas de potássio, magnésio, zinco e ferro. É também uma fonte natural de vitaminas B1, B2, B3 e B6. Apesar dos benefícios, é importante ressaltar que o açúcar de coco não é menos calórico do que o refinado. No entanto, enquanto o açúcar refinado tem alto teor calórico e quase nenhum valor nutritivo, o de coco oferece as mesmas calorias com muitos nutrientes.

 

É extraído de uma planta de origem mexicana, que é matéria-prima para a fabricação de tequila. Seu extrato tem coloração amarela clara, odor agradável e textura mais suave que o mel. Com menos calorias, o agave costuma ser indicado para quem quer substituir o açúcar tradicional, e até mesmo o adoçante, por uma opção mais saudável.

 

Popular atualmente, é um adoçante muito indicado na chamada dieta low carb (baixo carboidrato). É extraído da fibra de frutas e vegetais como framboesa, ameixa e couve-flor. Seu poder adoçante é similar ao do açúcar refinado, mas tem índice glicêmico baixo. Logo, não provoca picos de glicose e nem de insulina. 

Vale ressaltar que as opções de pessoas que convivem com restrições quanto ao consumo de açúcares, no caso dos diabéticos, devem passar, sempre, por orientação médica. 

 

E quanto ao mel? O mais antigo adoçante natural utilizado pelo homem também tem diferentes características e propriedades benéficas à saúde. Conheça 7 tipos de mel e seus benefícios


Texto: Fabiana Gonçalves | Edição: Thaís Guimarães de Lima | Ilustração e Diagramação: Alex Mendes e Fernanda Assato

Fonte: Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), Sociedade Brasileira de Diabetes, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e Saúde Portal Brasil

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (6 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em