Voltar

Dia D contra o sarampo é neste sábado

Dia D contra o sarampo é neste sábado

Cidade com o maior número de casos é Florianópolis com 17 confirmações desde janeiro.

Dia D contra o sarampo é neste sábado

Cidade com o maior número de casos é Florianópolis com 17 confirmações desde janeiro.

14 Fevereiro 2020

Ainda que muitos pensassem que o sarampo estivesse erradicado no Brasil, a doença voltou a parecer nos últimos dois anos com novos surtos no país, e segue com expressividade nas primeiras semanas de 2020, quando foram registrados 47 casos em Santa Catarina. A cidade com a situação mais preocupante é Florianópolis, com 17 casos registrados desde o início do ano (11 na última semana). 

O Sarampo é uma doença extremamente contagiosa, que pode evoluir com gravidade e não há um tratamento específico para ela, razão pela qual a vacinação contra o sarampo ainda é mais importante, sendo a única forma de prevenção. Para conter um surto na cidade, que recebe centenas de pessoas de regiões distintas do país, a campanha nacional de vacinação contra a doença foi ampliada em Santa Catarina e o Dia D será sábado, dia 15, com postos de saúde abertos das 8h às 17h.

Calendário anual
A vacina contra o sarampo deve ser tomada por todas as crianças dentro do calendário normal de saúde, além de qualquer pessoa que não tenha a caderneta de vacinação, não lembra ou não sabe se tomou todas as vacinas quando era criança. O público-alvo da campanha são desde bebês de 6 meses a adultos de até 49 anos.

Quem precisa tomar a vacina
Para as crianças:
6 meses de vida: dose zero
1 ano de idade: primeira dose
1 ano e 3 meses: segunda dose

Para quem não tomou essas doses ou não tem certeza se já está vacinado:
até 29 anos de idade: a pessoa precisa ter duas doses
de 30 a 49 anos de idade: a pessoa precisa ter uma dose
Importante esclarecer que gestantes não devem receber esta vacina.

Sarampo
O sarampo é uma doença respiratória, exantemática aguda, que pode causar complicações, como pneumonia, convulsões e, em casos mais graves, levar à morte. A infectologista da Unimed Grande Florianópolis, dra. Rafaela Martelosso Secron explica que a transmissão ocorre de pessoa para pessoa por secreções expelidas na tosse, no espirro ou na fala. O vírus pode permanecer no ambiente por até duas horas e a doença pode acometer indivíduos de todas as idades.

A profissional alerta para os sintomas do sarampo: febre alta e manchas vermelhas pelo corpo acompanhados por sintomas respiratórios como coriza, tosse e olhos avermelhados. “Se a pessoa apresentar estes sinais de alerta, procure um profissional de saúde ou unidades de atendimento para avaliação do caso”, explica.
 Ao buscar uma unidade de saúde, o paciente deve comunicar prontamente a recepção sobre seus sintomas e solicitar uma máscara comum, a ser utilizada até a avaliação médica. “A medida de prevenção faz parte de protocolos de saúde e evitam o risco de disseminação da doença a outros indivíduos”, acrescenta a dra. Rafaela.

Sinais de alerta:
febre alta
manchas vermelhas pelo corpo
coriza
tosse
olhos avermelhados