Voltar

Colesterol na infância

Colesterol na infância

Crianças também podem apresentar níveis elevados de colesterol. Entenda e saiba como lidar com o problema

Colesterol na infância

6 Abril 2018

A aparência saudável pode esconder alguns problemas de saúde, independentemente da idade. Alterações no nível de colesterol, por exemplo, só são identificadas após a realização de exames de sangue. Por isso, a visita ao médico na infância é tão importante quanto na vida adulta. 

Os motivos para o aumento do colesterol em crianças podem ser diversos, como doenças metabólicas hereditárias, obesidade, diabetes, doença hepática, doença renal ou hipotireoidismo. Alguns desses fatores podem estar relacionados, por exemplo, à alimentação ou hereditariedade. Durante a consulta e com os exames em mãos, o médico poderá identificar o problema e buscar sua causa.

 

Alimentação

Crianças que têm o hábito de consumir alimentos gordurosos, como fritura, salgadinhos, bolacha recheada, doce, hambúrguer e pizza estão mais expostas ao desenvolvimento de algumas doenças. Nos Estados Unidos, por exemplo, devido ao aumento da obesidade em crianças, a Academia Americana de Pediatria recomenda a verificação do colesterol em todas as crianças de 9 a 11 anos. Além disso, a orientação é válida também para aquelas acima de dois anos cujos pais ou avós tiveram ataques cardíacos, foram diagnosticados com artérias bloqueadas, AVC ou com histórico de colesterol alto. 

 

A principal preocupação em relação ao colesterol alto na infância são os riscos para a vida adulta, pois é grande a probabilidade de o problema persistir ao longo dos anos. A elevação do nível de gorduras no sangue pode gerar a formação de placas de gordura na parede das artérias e, na vida adulta, resultar em problemas graves como hipertensão arterial, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC). 

 

 

DICAS PARA UMA INFÂNCIA SAUDÁVEL

 

 

 

1. Escolha, preferencialmente, alimentos que tenham alto teor de nutrientes (proteínas, vitaminas e minerais) em comparação à quantidade de calorias, gorduras e sal;

 

 

2. Tenha à disposição frutas e legumes frescos;

 

 

3. Inclua no cardápio alimentos com alto teor de fibras e opte pela versão integral de arroz, massas e pães;

 

 

4. Queijos, leites e iogurtes devem ter baixo teor de gordura;

 

 

5. Opte por frango sem pele, peixe e cortes de carne magra;

 

 

6. Inclua óleos saudáveis, como canola ou azeite de oliva extra virgem;

 

 

7. Biscoitos, bolachas recheadas, salgadinhos, pizza e embutidos devem ser evitados pois têm alta concentração de gordura;

 

 

8. Prefira métodos de cozimento sem gordura, como assar, grelhar ou cozinhar.

 

 


Texto: Jailde Barreto / Design: Carolina Moura - Alex Mendes

Fonte: Hospital Albert Einstein e Academia Americana de Pediatria

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (3 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em