Voltar

Quem eram Alzheimer, Down, Hodgkin, Papanicolau e Parkinson?

Quem eram Alzheimer, Down, Hodgkin, Papanicolau e Parkinson?

Quem eram Alzheimer, Down, Hodgkin, Papanicolau e Parkinson?

20 Maio 2014

Alzheimer, Down e Parkinson. Ao ouvir esses nomes, certamente você pensa nas patologias relacionadas a eles, mesmo que não seja exatamente um profissional de saúde.
 
Mas, afinal, quem eram Alzheimer, Down e Parkinson? Por que estas doenças foram batizadas com estes nomes? E quanto a Papanicolau e Hodgkin?
 
Veja abaixo quem foram os médicos por trás dessas descobertas, que significaram, a seu tempo, compreensão e esperança de tratamento aos pacientes.

Alzheimer
 
O psiquiatra alemão Alois Alzheimer foi o primeiro profissional a pesquisar o que ficou conhecida, na época, como “demência pré-sênil”, em 1901. Ele acompanhou de perto o caso de Auguste Deter, de 51 anos, que apresentava sintomas como perda de memória recente e comportamento errático.
 
Em 1906, apresentou um estudo chamado Sobre uma grave e peculiar doença dos neurônios do córtex cerebral, em que narrava o caso de Auguste até sua morte, naquele mesmo ano.
 
Emil Kraepelin, também psiquiatra e colega de Alzheimer, ampliou os estudos e nomeou a doença com o nome do precursor.

Entenda mais sobre a Doença de Alzheimer e outras síndromes ligadas ao esquecimento. Clique e leia mais sobre tratamentos e prevenção desses males.
 

Síndrome de Down
 
O nome vem do médico inglês John Langdon Haydon Down, que descreveu os sintomas em 1866 e os classificou como uma forma separada de deficiência mental.
 
De acordo com sua pesquisa, seria possível classificar diferentes condições pelas etnias. O profissional reparou que algumas crianças nascidas de pais ingleses tinham características físicas similares às do povo da Mongólia. Por isso, na época, a doença também era chamada de mongolismo. O termo foi usado até meados da década de 1960 e aposentado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1965.
 
Down foi professor do London Hospital Medical College e foi diretor do Hospital Psiquiátrico de Earlswood, experiência que o auxiliou a implantar programas de assistência aos doentes mentais do Reino Unido.

Linfoma de Hodgkin
 
O Linfoma de Hodgkin foi descrito pela primeira vez em um relatório elaborado pelo médico inglês Thomas Hodgkin. Ele descreveu o crescimento do tecido linfático, do baço e do fígado, que invadem outros tecidos.
 
Hodgkin foi um grande defensor da medicina preventiva e publicou diversas outras descobertas, como a primeira descrição da apendicite e o formato bicôncavo das células vermelhas do sangue.

Papanicolau
 
O teste de Papanicolau é considerado de vital importância para a saúde da mulher. Por meio da coleta de células do colo do útero, ele identifica células anormais ou cancerosas.
 
O grego George Papanicolaou estudava, em 1923, as mudanças provocadas pelos hormônios no útero, analisando secreções de pacientes. Ao observar células deformadas em uma das voluntárias, que tinha câncer, percebeu que aquele tipo de exame também diagnosticava tumores.
 
O profissional escreveu um estudo de mais de 100 páginas, mas atraiu pouca atenção de seus colegas quando o distribuiu em um encontro médico, em 1928. A situação só se inverteu em 1943, quando ele resumiu seus achados em oito páginas.

Parkinson
 
A Doença de Parkinson, uma enfermidade neurológica degenerativa que afeta os movimentos da pessoa, recebeu este nome por ter sido descrita pela primeira vez, em 1817, pelo cirurgião inglês James Parkinson, no estudo An Essay on the Shaky Palsy.
 
No ensaio, o médico descreveu os sintomas de seis pacientes do sexo masculino, que apresentavam tremores involuntários, arqueamento do tronco para frente, alteração da marcha, etc.
 
Foi o neurologista francês Jean-Martin Charcot que, em 1875, sugeriu o nome de Parkinson para caracterizar a doença que o médico havia descrito em detalhes tantos anos antes. Charcot realizou estudos adicionais, entre 1868 e 1881, que são considerados marcos no entendimento da doença.
 
Além de cirurgião, Parkinson era geologista, paleontologista, ativista político e farmacêutico.

 


Unimed do Brasil

Fonte: Unimed do Brasil

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (0 Votos)

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em