Voltar

Deu branco! Esquecimentos durante a gravidez

Deu branco! Esquecimentos durante a gravidez

Perda de memória e concentração é uma queixa muito comum entre gestantes. Saiba se existe mesmo essa relação e como você pode lidar com isso

Deu branco! Esquecimentos durante a gravidez

14 Junho 2019

Não é novidade para ninguém que os hormônios são responsáveis por uma série de mudanças no corpo e também impactam o lado emocional das mulheres durante a gravidez. Além de mais emotivas e sensíveis, as gestantes costumam se deparar com situações de esquecimento. Sem a ajuda de um bloco de anotações ou do celular para fazer seus registros, muita coisa pode passar batido, sem contar aqueles casos corriqueiros de não lembrar onde foram deixados objetos do dia a dia.

Ilustração de uma mulher grávida pensando em várias atividades

O esquecimento na gravidez tem algumas explicações. Por meio da análise de ressonâncias magnéticas realizadas em mulheres antes, durante e até dois anos após a gestação, uma pesquisa feita pela Universidade Autônoma de Barcelona, da Espanha, em parceria com a Universidade Leiden, da Holanda, indica que nessa fase tão importante na vida da mulher ocorre uma redução em áreas do cérebro responsáveis pelas interações sociais. Segundo o estudo, isso acontece para auxiliar a mãe a criar laços com o bebê e se preparar para as demandas da maternidade.

 
Esquecimento na gravidez é normal. Mas na hora de ir para o hospital ganhar seu bebê, a futura mamãe pode evitar deixar itens essenciais para trás . Confira essa lista que preparamos com tudo que é preciso levar na mala da maternidade!
 

A pesquisa apontou ainda que todas as mulheres são afetadas da mesma forma, não havendo qualquer relação com o fato de a gravidez ter ocorrido naturalmente ou ter acontecido por meio de fertilização in vitro.

Os hormônios por trás da falta de memória

Semelhante às mudanças estruturais que acontecem no cérebro durante a adolescência, essa alteração na gestação, que afeta algumas funções do cérebro, principalmente com a área relacionada à atenção, pode estar relacionada ao aumento da taxa de progesterona.

Trata-se de uma situação recorrente na gravidez e que não requer nenhum cuidado específico, já que é revertida naturalmente após o nascimento do bebê, com a diminuição da progesterona.

Ilustração indicando ocitocina e progesterona no corpo de uma mulher

 

Esse não é o único hormônio que merece levar a “culpa” pelas distrações e falta de memória. A ocitocina também tem o seu papel em todo esse processo. Ela é responsável pelo aumento da ativação em áreas motivacionais do cérebro, respondendo ao estímulo do contato da mãe com o filho. Já na reta final da gestação e também nos primeiros dias da lactação, há o aumento dos receptores de ocitocina em várias áreas do cérebro, mais uma justificativa para os esquecimentos.

Mas nem tudo pode ser atribuído aos hormônios. Muitos obstetras e neurologistas explicam às pacientes que essa mudança de foco também pode estar associada à ansiedade para a chegada do bebê, e ainda à privação do sono, já que, especialmente na reta final da gravidez, é difícil encontrar uma posição confortável e ter uma boa noite de sono, e até mesmo ao estresse decorrente da avalanche de mudanças na vida.

Como driblar esse esquecimento

Especialistas indicam algumas atividades que podem ajudar a contornar esses esquecimentos:

 

Livro, caneta, quebra-cabeça, despertador e xadrez

Exercite a memória

Afinal, como o cérebro é um músculo, ele precisa ser estimulado para ter melhor performance. Ler, estudar, montar quebra-cabeça, anotar todos os compromissos na agenda, fazer caça-palavras e sudoku e manter uma rotina são as sugestões que podem ajudar a driblar os lapsos de memória.

 

Ilustrações de pessoas se alongando, correndo e meditando.

Pratique exercícios físicos

Também são indicados pelo fato de favorecerem a liberação de endorfina e combaterem o estresse. Mas, antes de incluí-los no seu cotidiano, converse com seu obstetra e, se for liberada a prática, procure ter a orientação de um profissional de educação física ou fisioterapeuta especializados.

 
O esquecimento também pode estar associado a certas doenças. Clique aqui e leia este artigo que produzimos sobre o assunto.

Texto: Karina Fusco | Edição: Thaís Guimarães de Lima | Design: Alex Mendes e Fernanda Assato

Fonte: Revista Nature Neuroscience e Portal Hospitais Brasil

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.