Voltar

Tomate: como potencializar seus benefícios na cozinha

Tomate: como potencializar seus benefícios na cozinha

Você sabia que o molho de tomate aumenta a absorção de licopeno em até 10 vezes? Aprenda a fazer em casa

Tomate: como potencializar seus benefícios na cozinha

1º Abril 2021

Vai bem na salada, no molho, na sopa e até no suco. O tomate está presente em quase todas as mesas brasileiras.

Além de versátil na cozinha, o fruto também é rico em muitos nutrientes que ajudam tanto na saúde da pele como na prevenção de alguns tipos de câncer. Vamos saber mais sobre o tomate?

 

Tomate é fruta ou legume?

Os benefícios do tomate para a saúde

Os tipos de tomate

Como fazer molho de tomate caseiro?

 

Tomate é fruta ou legume?

Apesar de ser chamado popularmente de legume, o tomate é classificado pela botânica como fruto. Frutos são os ovários de uma planta, onde ficam as suas sementes.

Ou seja, o tomate é o fruto do tomateiro e carrega as sementes de onde uma nova planta pode brotar.

Da mesma forma, também são frutos o pimentão, a berinjela, a abobrinha e o pepino. Interessante, né?

 

Os benefícios do tomate para a saúde

O tomate tem poucas calorias e muitos nutrientes: é rico em licopeno, vitaminas A, B, C, K e minerais, como fósforo, potássio, cálcio, magnésio e ferro.

Mas o grande destaque nutricional do tomate é o licopeno, que é o carotenoide que dá a cor vermelha ao fruto e atua como um poderoso antioxidante no organismo.

O licopeno é benéfico para a pele, minimizando efeitos danosos da radiação ultravioleta, protegendo contra queimaduras solares e ainda ajudando no aspecto estético, reduzindo poros dilatados e erupções cutâneas.

O licopeno também está associado a menor incidência de alguns tipos de câncer, como próstata, pulmão e estômago. Isso porque ele inibe a proliferação e o crescimento de células anormais ou tumorais.

Quanto mais vermelho o tomate, mais licopeno ele tem. E ele é melhor absorvido quando cozido ou combinado com gorduras saudáveis, como azeite de oliva e abacate.

Para se ter uma ideia, o tomate cru tem em média 2,7 mg de licopeno a cada 100 gramas, enquanto o molho de tomate caseiro tem 21,8 mg.

Quem inventou o molho de tomate não imaginava o bem que estava fazendo, não é? E fazer em casa é mais fácil do que você imagina. Confira a receita do molho de tomate caseiro no fim deste texto.

Não existe consenso na literatura médica sobre a necessidade diária mínima desse carotenoide na dieta. Atualmente, os números giram em torno de 4 a 35 mg, e se aguardam mais estudos para uma prescrição mais correta. Então como tudo na vida: é melhor evitar os excessos, combinado?

 

Mas os benefícios do tomate não param no licopeno!

As vitaminas A e C presentes no fruto têm ação antioxidante, ou seja, atuam no combate aos radicais livres e ajudam a desacelerar o envelhecimento da pele, além de ajudarem a fortalecer o sistema imunológico. A vitamina A é importante para a saúde dos olhos, enquanto a vitamina C também ajuda na absorção do ferro e na hidroxilação do colágeno, proporcionando mais resistência a ossos, dentes, tendões e vasos sanguíneos. Isso torna o tomate um forte aliado no combate a doenças cardiovasculares.

Outro nutriente fundamental para a saúde cardiovascular e que está presente no tomate é o potássio. Esse mineral tem um efeito vasodilatador e ajuda a controlar a hipertensão arterial.

Pelo mesmo motivo, o tomate é indicado para gestantes, já que ajuda a prevenir quadros de pré-eclâmpsia. Além disso, o fruto é rico em ácido fólico, substância altamente benéfica para a formação do feto.

 

Quando o tomate faz mal e deve ser evitado?

Embora seja relativamente raro, existem pessoas alérgicas ao tomate. Nesse caso, esse alimento precisa ser evitado, pois pode provocar distúrbios gastrointestinais como diarreia ou vômito (especialmente o tomate verde).

O tomate também é contraindicado para quem tem a doença do refluxo gastroesofágico, por conta da acidez, ou diverticulite, que é uma inflamação no intestino que pode ser agravada pelas sementes do tomate.

 

Tipos de tomate

No supermercado ou na feira você já percebeu que existem vários tipos de tomate, não é mesmo? Qual escolher?

Nutricionalmente, não existem muitas diferenças entre eles. Mas no sabor, formato e consistência, sim. Por isso, na hora da escolha vale pensar qual é o uso que você vai fazer dele. Molho? Salada?

Confira os principais tipos de tomate e suas indicações:

Tomate-caqui, longa-vida, carmem ou salada: redondo/achatado, com peso médio de 200 gramas, é ideal para ser consumido in natura, em saladas, vinagretes e sanduíches, mas não é recomendado para molhos quentes.

Tomate Santa Cruz/Santa Clara/Débora: redondo/alongado, com peso médio de 150 gramas, menos ácido que o tomate-caqui, pode ser consumido em saladas ou molhos caseiros.

Tomate italiano/saladette: tem o formato mais alongado e peso médio de 100 gramas, é considerado o melhor tomate para fazer molhos, pois tem menos sementes e é mais carnudo. Também pode ser usado em saladas e no preparo de tomates secos. A desvantagem é que é o mais sensível deles, ou seja, não dura muito tempo.

Tomates-cereja/ Sweet grape: os tomatinhos com peso médio de 10 gramas são mais adocicados e perfeitos para salada, aperitivos e confit. O modelo sweet grape é um pouco mais alongado, mais carnudo e ainda mais doce.

 

Como escolher o tomate

Quanto mais vermelhos, maior a concentração de nutrientes. Porém, evite os que estiverem com partes moles e escuras, pois podem já estar apodrecendo.

Se você comprar o tomate ainda verde é possível acelerar o amadurecimento em um saco de papel. Já os tomates já maduros devem ser guardados devidamente higienizados e secos na geladeira.

Higienizando os tomates: para retirar bactérias e resíduos de agrotóxicos da casca do tomate, lave em água corrente e deixe de molho de 15 a 20 minutos em uma mistura de 1 litro de água e uma colher de vinagre ou água sanitária. Depois do molho, passe em água corrente mais uma vez, seque e guarde.

 

Como fazer molho de tomate caseiro

Você viu que o molho de tomate facilita a absorção de licopeno pelo organismo. Confira uma receita caseira:

  • 5 kg de tomates italianos maduros
  • 3 cebolas
  • 3 colheres (sopa) de azeite
  • sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Para descascar os tomates: faça um X com a faca na pele dos tomates higienizados e os coloque em uma panela com água fervendo até que a pele comece a se soltar. Use a escumadeira para retirar os tomates e colocá-los em um recipiente de água fria. A pele se soltará no local do X, então basta puxar com a mão mesmo.

Triture os tomates já descascados no liquidificador e reserve. Na panela, refogue a cebola picadinha no azeite até dourar. Em seguida, despeje o tomate batido, tempere com sal e pimenta e deixe cozinhar em fogo baixo por cerca 1h30 minutos, mexendo de vez em quando, até o molho ficar espesso.

Atenção: o tempo de cozimento pode variar conforme o fogão e a panela.

Para armazenar, utilize potinhos de vidro higienizados e conserve na geladeira por até 5 dias. Congelado, ele dura até três meses. Se o objetivo é armazenar no freezer, use menos sal no preparo, para que o processo de congelamento não apure tanto o tempero com tempo e deixe o sabor muito salgado.

 

Dica extra: na etapa do liquidificador, você pode acrescentar uma beterraba crua e um pouco da água do cozimento dos tomates. Além de mais vitaminas, o açúcar da beterraba ajuda a quebrar a acidez do tomate. Durante o processo de cozimento, a cor e o sabor da beterraba ficarão quase imperceptíveis.

 

Fontes: TBCA, Tua Saúde, Revista de Nutrição, Einstein


Texto: Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil


Média (0 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em