Voltar

Profissionais contribuem para pesquisa sobre Covid-19

Profissionais contribuem para pesquisa sobre Covid-19

O estudo foi apresentado no e-CBMI - Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva, realizado entre os dias 12 e 14 de novembro, numa edição histórica e totalmente virtual

Profissionais contribuem para pesquisa sobre Covid-19

O estudo foi apresentado no e-CBMI - Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva, realizado entre os dias 12 e 14 de novembro, numa edição histórica e totalmente virtual

24 Novembro 2020

Tão importante quanto o exercício da medicina no dia a dia, é o desenvolvimento das pesquisas na área assistencial. E, diante de um cenário de pandemia, elas se tornam ainda mais necessárias e notáveis. Para analisar e compreender a importância da contribuição dos médicos intensivistas da cidade de Joinville no enfrentamento da Covid-19, um grupo de profissionais da área – que integram a equipe da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Centro Hospitalar Unimed (CHU) – participou da pesquisa que levantou dados expressivos sobre o tema. O estudo foi apresentado no e-CBMI - Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva, realizado entre os dias 12 e 14 de novembro, numa edição histórica e totalmente virtual. O maior congresso latino de terapia intensiva, contou com a participação de mais de 1.500 profissionais, além de 18 salas simultâneas.

Para apresentar a importância dos programas de Residência Médica na formação da força de trabalho médico durante a pandemia da Covid-19 em Joinville, a equipe da UTI dividiu experiências e resultados do CHU com o total de oito trabalhos, que foram divulgadas pela equipe do hospital em tempo real. Trata-se de um estudo de método observacional, contabilizando dados do antes e pós-pandemia, considerando o número de Unidades de Terapia Intensiva, médicos em atuação, bem como titulação e local de titulação, horas trabalhadas, internações de pacientes com Covid-19 confirmados pelo teste rápido (PCR) e mortalidade.

Para o atendimento da pandemia, o número de UTIs da cidade mais do que dobrou (de 10 para 21 UTIs) resultando em um aumento proporcionais de leitos de UTI (99 para 207), o que exigiu dos médicos que atuam em UTI, um aumento no número horas trabalhadas/mês, de 7.200 horas para mais de 1.5000 horas, ou seja, 60% das horas trabalhadas foram executadas por intensivistas. Ressaltando ainda que 2/3 de todo atendimento foi realizado por especialistas formados pelos programas de residências de todas as áreas da cidade de Joinville. 

De acordo com o coordenador das UTIs do Centro Hospitalar Unimed, os números apresentados contribuem para o reconhecimento dos profissionais da Medicina Intensiva, além de ressaltar a importância  da formação médica exercida em nossos hospitais em seus programas de residência nas mais diversas especialidades. “O aumento na demanda de médicos capacitados durante a pandemia foi suprido, em sua maior proporção, por residentes e médicos egressos de programas de Residências Médicas locais. Dos 99 médicos que trabalharam durante a pandemia, 65 com ou em formação local cumpriram 2/3 do total de horas. Dessa forma, pode-se enfatizar a importância dessa modalidade de pós-graduação que é a Residência Médica”, ressalta.