Voltar

29 de outubro – Dia Mundial de Combate ao AVC

29 de outubro – Dia Mundial de Combate ao AVC

29 de outubro – Dia Mundial de Combate ao AVC

16 Outubro 2018

Acidente Vascular Cerebral (AVC) pode ser definido como o surgimento de um déficit neurológico súbito, causado por um problema nos vasos sanguíneos do sistema nervoso central. É a segunda principal causa de morte no Brasil, e é a doença de maior morbidade (que mais causa sequelas).

O AVC é dividido em 2 subtipos, sendo: Isquêmico: quando ocorre a obstrução de uma artéria cerebral, e Hemorrágico: quando ocorre um extravasamento de sangue.

Segundo Marcelo Zalli, neurologista, o número de pessoas que sofrem AVC aumenta a cada ano em todo o mundo. “Alguns elementos simples como o controle de pressão arterial, evitar fumar e não ser sedentário contribuem para se evitar a doença. A obesidade, diabetes e ingestão alcoólica são outros fatores de risco para a doença”, alerta. 

A cada minuto a partir do início do AVC, perde-se cerca de 1,9 milhões de neurônios. Portanto é muito importante identificar os primeiros sinais, para que haja possibilidade de atendimento rápido. Victor Cubas, neurologista, descreve alguns dos sinais a serem observados: 

  • Fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo;
  • Confusão, alteração da fala ou compreensão;
  • Alteração na visão (em um ou ambos os olhos);
  • Alteração do equilíbrio, coordenação, tontura ou alteração no andar;
  • Dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente. 

O profissional destaca ainda que a internação para investigação do AVC é fundamental, com a realização de exames para avaliação de etiologia e encaminhamentos necessários pós-alta hospitalar (reabilitação por meio de fisioterapia, psicologia e fonoaudiologia). “Parte dos pacientes que apresentam sequelas de um AVC possuem Espasticidade (que consiste em limitação de movimentos do braço ou da perna, por exemplo). Esta rigidez limita o movimento e muitas vezes gera dor ao paciente, mas pode ser tratada com toxina botulínica através de uma avaliação de equipe de neurologistas especializados”, finaliza.