Voltar

ENTREVISTA

ENTREVISTA

Cooperado da Unimed Machado apresenta a doença e a prevenção

ENTREVISTA

Cooperado da Unimed Machado apresenta a doença e a prevenção

29 Abril 2010

VOCÊ SABE O QUE É GLAUCOMA?

Cooperado da Unimed Machado apresenta a doença e a prevenção

Natural de São João da Boa Vista-SP, o oftalmologista Dr. Renato Assalin traz na bagagem 20 anos de experiência na profissão, dos quais 17 atendendo a população de Machado. Nesta entrevista, este cooperado da Unimed Machado nos fala de Glaucoma, doença que atinge 900 mil brasileiros e é apontada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), como a principal causa de cegueira irreversível.

1. O que é o glaucoma?
É o aumento da pressão intraocular que causa a lesão do nervo óptico - nervo responsável por enviar os sinais visuais ao cérebro, onde são processados e se convertem em imagem.

2. Quais são os sintomas?
O glaucoma se desenvolve lentamente, isto explica por que muitas pessoas convivem com a doença por anos antes de notar algum sintoma. Essas pessoas podem apresentar uma perda gradual da visão periférica, levando ao que chamamos de “visão tubular” – quando o olho deixa de notar as imagens laterais, como se houvesse um tubo constantemente diante dos olhos, impedindo a pessoa de olhar em volta sem que seja obrigada a virar o rosto.

3. Quais são os principais fatores de risco?
O glaucoma atinge pessoas de todas as raças, sexo e nacionalidade. No entanto, algumas pessoas apresentam risco maior de desenvolver a doença. As características mais comuns são: pessoas acima de 40 anos, pessoas com histórico de glaucoma na família, diabéticos, raça negra, altos míopes, pessoas que fazem uso regular de alguns medicamentos (cortisona sistêmica e utópica), entre outros.

4. Existem tipos diferentes de glaucoma?
Sim, existem os tipos primários e secundários.
O glaucoma primário pode ser de ângulo aberto e de ângulo fechado, que significa que existe diferença no espaço entre a córnea (janela transparente no olho) e a íris (a parte colorida do olho). A diferença nesse espaço pode ser estreita (ângulo fechado) ou larga (ângulo aberto) o que causa a pressão intraocular.
O glaucoma secundário pode ter origem com o uso de cortisona, infecções, traumas oculares e outros sinais.

5. Como é feito o acompanhamento de pacientes com glaucoma?
Atualmente, o tratamento eletivo é clínico (uso de colírios). O tratamento cirúrgico só é indicado em casos rebeldes ao tratamento clínico. O acompanhamento deve ser contínuo - dependendo do tipo - e com avaliação a cada 3 meses com exames de tonometria (medida clínica da pressão intraocular) e do campo visual.

6. O glaucoma pode ser considerado uma doença reversível?
Não, é uma doença irreversível, porém, tratável. O efeito principal da maioria dos medicamentos utilizados é a diminuição da pressão intraocular.

7. Existe prevenção?
Sim. A avaliação frequente (anualmente) do oftalmologista é um caminho efetivo para ajudar a prevenir a perda da visão em pacientes com glaucoma. É imprescindível também, que o paciente faça o uso diário e correto dos colírios, não podendo interromper o tratamento.


Ana Carolina Araújo