Voltar

Obesidade Infantil

Obesidade Infantil

Dia Mundial da Obesidade Infantil: vamos mudar um hábito?

Obesidade Infantil

Dia Mundial da Obesidade Infantil: vamos mudar um hábito?

3 Junho 2020

O dia 3 de Junho coloca em pauta a questão da Obesidade Infantil e a importância de conscientizar a população sobre este assunto de extrema importância, que infelizmente, vem tomando proporções significativas nas vidas de muitas famílias.

É essencial entender o que a obesidade traz consigo para o dia-dia da criança e saber como reverter esse quadro. Para isso, convidamos Luciana Pfeifer, coordenadora do Programa Crescer Saudável, do Espaço Viver Bem da Unimed Marília, para falar um pouco sobre o assunto.

Antes de tudo, para avaliar se uma criança é obesa ou não, os profissionais da saúde medem o IMC (Índice de Massa Corpórea), que é calculado pela divisão da altura ao quadrado da criança, pelo peso. O resultado obtido é comparado com uma tabela da Organização Mundial da Saúde, classificada por sobrepeso, obesidade ou eutrofia (quando está tudo bem, tudo natural).

“Esse indicador é sempre usado com a curva de crescimento da criança. Normalmente, efetuada pelo acompanhamento do seu pediatra”, acrescenta Luciana.

Mudanças são importantes

“A vida da nossa criança tem se perdido um pouco como criança. Ela fica muito mais tempo em casa, muito mais tempo no sofá, usando a tecnologia, seja ela TV, computador, celular e afins. E ela está deixando um pouco de ser efetivamente criança. De brincar na rua, de ter contato com a natureza. Desta forma, o propósito do nosso programa é justamente mudar os hábitos, fazer com que ela se movimente”, explica a coordenadora do programa.

De que forma que isso é feito? Primeiramente, estimulando a família, pois segundo Luciana, não é possível mudar um hábito na criança sem mexer em toda família. E para isso, é necessário que a família se proponha a mudanças. Então, o estilo de vida da criança deve ser mudado, por exemplo, a partir do brincar.

“Infelizmente a criança obesa, perde um pouco da sua espontaneidade, ela sofre bulling na escola, então ela sofre angústia, depressão. E é por isso que a família deve estar atenta. Nosso programa conta com o acompanhamento da psicóloga, sempre de forma lúdica, e claro, havendo a necessidade de um acompanhamento mais intenso, encaminhamos para outros profissionais”, explica Luciana.

Para a coordenadora do programa, a parte emocional é muito importante, precisa ser muito cuidada e valorizada. “A criança está em formação, o tempo todo, ela ainda não está pronta perante à vida, para à vida, perante seus sentimentos e atitudes”, acrescenta.

Descascar mais e abrir menos

Luciana comenta que bons hábitos alimentares começam em casa.  O programa Crescer Saudável preza que a família se alimente de comida de verdade.  “Descascar mais e abrir menos”. O que isso significa? Literalmente, é apresentar para criança consumir em casa, os alimentos que são oferecidos pela natureza: legumes, verduras, frutas, arroz, feijão e afins. E não ficar só no industrializado, na alimentação ultra-processada, a alimentação rápida e prática de hoje em dia.

“O médico tem total importância nesse tratamento da obesidade, principalmente quando a criança já traz comorbidades, como diabetes, alterações de taxas sanguíneas, entre outras. O programa é um apoio, portanto a presença do medico é muito importante”, acrescenta.

Dentro do programa é feito um tratamento, chamado de PTS (Plano Terapêutico Singular). “Nós atendemos em grupo, mas havendo a necessidade especial de uma criança, uma família com relação a qualquer uma de nossas especialidades, fazemos o PTS, onde os profissionais se dedicam parte do seu tempo em consultas no Espaço Viver Bem para dar continuidade ao atendimento a estas famílias”, pontua Luciana.

O Programa Crescer Saudável

O Programa acontece na APM (Associação Paulista de Medicina), todas terças no período da manhã e à tarde. Hoje, por conta na pandemia, não está sendo realizado o atendimento presencial, mas os profissionais do programa estão monitorando seus grupos. “Fazemos contato toda semana com as famílias, ouvimos suas dificuldades, queixas e damos as devidas orientações. E publicamos no grupo de whatsapp, do próprio programa (com autorização das famílias), conteúdos, para que sintam-se amparados, que sintam um apoio mesmo que à distância”, conta Luciana.

Coordenado por Luciana, o programa Crescer Saudável conta com uma equipe multidisciplinar: nutricionista, psicóloga, enfermeira, T.O, fisioterapeuta, educadora física e cirurgiã dentista (onde Luciana atua também, na parte de prevenção).

Este modelo de trabalho multiprofissional do programa, está apoiado numa certificação recebida em 2014 pelo Ministério da Saúde, pela OPAS (Organização Panamericana da Saúde) como sendo o processo de trabalho e manejo da obesidade infantil mais efetivo do Brasil, o processo de trabalho que mais obteve resultado. Uma conquista obtida pela dedicação e qualidade de todos os profissionais da Unimed Marília que atuam frente à prevenção da obesidade infantil.