Voltar

Hanseníase e o diagnóstico precoce

Hanseníase e o diagnóstico precoce

A melhor maneira de prevenir a hanseníase é saber reconhecer os sinais e buscar tratamento, evitando a transmissão da doença

Hanseníase e o diagnóstico precoce

25 Janeiro 2019

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen. É uma das doenças mais antigas das quais se tem registro e no passado era chamada de lepra. Para esclarecer informações sobre diagnóstico, tratamento e cura e ajudar a combater o preconceito que ainda cerca essa enfermidade, entidades como a Sociedade Brasileira de Dermatologia realizam, todos os anos, a campanha Janeiro Roxo. Já o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase é lembrado no último domingo do mês.

Em 2016, o Ministério da Saúde registrou mais de 26 mil casos novos da doença no país — a segunda maior incidência de casos no mundo, atrás apenas da Índia, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Sintomas

De evolução lenta, entre a infecção e os primeiros sintomas podem se passar sete anos ou mais. A hanseníase possui duas formas, sendo que uma delas possui potencial de transmissão. A doença é crônica, não hereditária e tem como principais sintomas manchas na pele, que podem ser claras, vermelhas ou escuras, e insensíveis ao toque e ao calor. Essas manchas podem estar associadas à perda de pelos e à ausência de transpiração na região atingida. O problema também pode afetar os olhos, a respiração e os nervos periféricos.           

Quando um nervo é atingido, surgem dormência, perda de tônus muscular e retrações dos dedos com as consequentes incapacidades físicas. Nas fases agudas, podem aparecer caroços e inchaços nas orelhas, pés, mãos e cotovelos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A importância do diagnóstico precoce

Diante do aparecimento de qualquer sintoma, a recomendação é que um dermatologista seja procurado para avaliação e encaminhamento do paciente para tratamento, quando confirmado o diagnóstico.

Vale ressaltar que a hanseníase tem cura, mas se não tratada pode deixar sequelas e, quanto mais cedo é detectado o problema, mais rápida é a recuperação. Em qualquer estágio da doença, o tratamento é feito com medicamentos antibióticos por um período que varia de seis meses a um ano. Logo após a primeira dose da medicação, não há mais risco de transmissão.

Também é importante frisar que tocar na pele do paciente não causa a infecção, já que a transmissão se dá por meio do contato com gotículas de saliva ou secreções do nariz de pacientes portadores da forma transmissora, que não se encontram em tratamento e com os quais haja uma convivência muito próxima e prolongada.

Caso não haja contraindicação e a fim de reforçar o sistema imunológico, o Ministério da Saúde recomenda a vacina BCG em pessoas que moram no mesmo domicílio de quem foi diagnosticado.

Conforme reforçam as entidades médicas, a divulgação de informações é o melhor artifício para prevenir e combater a hanseníase.


Texto: Karina Fusco | Edição: Thaís Guimarães de Lima | Design: Alex Mendes

Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia, Sociedade Brasileira de Hansenologia, Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana de Saúde e Sociedade Brasileira de Patologia Clínica

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (6 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Ver todas Noticias

Notícias Unimed ver todas as notícias

2° via de boleto

2° via de boleto 2° via de boleto ...

Trabalhe conosco

Seja um Colaborador Unimed ou Um Jovem Aprendiz   IMPORTANTE: Estou ciente que sou responsável pela veracidade das informações enviadas. Qualquer divergência e/ou...

Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em