Voltar

AVC: fatores de risco que você pode controlar

AVC: fatores de risco que você pode controlar

Diversas atitudes rotineiras ajudam a reduzir a possibilidade de sofrer um derrame cerebral.

AVC: fatores de risco que você pode controlar

2 Fevereiro 2017
Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) apontam que mais de cinco milhões de pessoas morrem, anualmente, em decorrência do AVC (acidente vascular cerebral), popularmente conhecido como derrame cerebral. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, o número de casos é de aproximadamente 100 mil. As sequelas ocasionadas por um AVC são muitas e incluem: paralisias, déficit sensitivo, déficit de memória e alterações comportamentais. 

Sintomas 
Entre os principais sintomas de acidente vascular cerebral estão as manifestações súbitas de: 
- Dormência ou fraqueza da face, braços ou pernas (especialmente em um lado do corpo). 
- Confusão, dificuldade para falar ou entender a fala. 
- Dificuldade para enxergar em um ou ambos os olhos. 
- Dificuldade para andar. 
- Tontura, perda de equilíbrio ou coordenação. 
- Dor de cabeça, sem causa conhecida. 

Fatores de risco 
Um fator de risco é algo que aumenta a probabilidade de surgir uma doença ou uma complicação. No caso do AVC, há condições que não são possíveis controlar como o avanço da idade (a doença é mais comum após os 40 anos) e características pessoais (pessoas do sexo masculino e pessoas negras exibem maior tendência ao desenvolvimento de AVC). Porém, outros fatores de risco que podem ser regulados para ajudar a vivenciar dias mais saudáveis. Separamos os principais:  


Rafaela Fusieger / Designer: Ana Carla Bortoloni

Fonte: Medline Plus / Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein / Rede Brasil AVC / Ministério da Saúde

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (2 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em