Voltar

Probióticos, prebióticos e simbióticos

Probióticos, prebióticos e simbióticos

Você sabe a diferença entre essas substâncias? Descubra e veja por que elas são tão importantes

Probióticos, prebióticos e simbióticos

16 Outubro 2020

Nosso intestino conta com inúmeras espécies de bactérias para funcionar normalmente. Mas, para se manter saudável, esses microrganismos precisam estar em equilíbrio. Os probióticos, prebióticos e simbióticos ajudam nesse processo. Vamos entender como?

 

Probióticos, prebióticos e simbióticos: o que são?

Benefícios do uso de probióticos e prebióticos

Alimentos probióticos e prebióticos

 

Probióticos, prebióticos e simbióticos: o que são?

rapaz abre geladeira para pegar iogurte

Probióticos são definidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como os microrganismos vivos que, se ingeridos em quantidades adequadas, causam benefícios para a saúde. Esses organismos podem ser de diversas espécies, como os famosos lactobacilos ou outros. Eles são encontrados em alimentos como leite fermentado e alguns iogurtes.

Já os prebióticos são componentes que servem para as bactérias se reproduzirem no intestino e estão presentes em alguns alimentos, como cebola, tomate, aveia e banana. Eles também são comercializados em comprimidos. 

Para simplificar: imagine que os probióticos sejam as bactérias do intestino e os prebióticos sejam os “alimentos” dela. Quanto mais prebióticos, mais as bactérias se reproduzem, mais probióticos teremos.

Daí surgem os simbióticos, os alimentos que combinam prebióticos e probióticos. Eles são criados para ter essa ação, como alguns iogurtes específicos e comprimidos de suplemento e têm o objetivo de oferecer benefícios ao organismo.

Você pode fazer uma refeição simbiótica combinando probióticos e prebióticos, como um café da manhã com iogurte e banana, por exemplo.

Os alimentos que contêm uma das substâncias citadas são chamados de alimentos funcionais. Isso quer dizer que, além de nutrir, causam um benefício a mais para nosso corpo. Vamos entender quais benefícios são esses.

Gostando da leitura? Saiba mais sobre o funcionamento do intestino  na matéria  Como fazer o intestino funcionar

 

Benefícios do uso de probióticos e prebióticos

mulher sentada na sala tomando iogurte

O consumo regular de probióticos e prebióticos ajuda na prevenção de doenças e na manutenção de um intestino saudável. Além do uso cotidiano, eles podem ser usados para reduzir sintomas de diarreia em pacientes no tratamento de quimioterapia e radioterapia, para quem fez cirurgia intestinal, entre outros casos recomendados pelos médicos.

Os benefícios dos probióticos são:

  • Estímulo da imunidade
  • Resistência do intestino aos patógenos (organismos que causam doenças)
  • Equilíbrio intestinal após uso de antibióticos
  • Alívio de constipação (prisão de ventre)
  • Promoção da digestão da lactose em indivíduos intolerantes à lactose
  • Aumento da absorção de minerais e produção de vitaminas, entre outros

Já os prebióticos contribuem para:

  • Regulagem da absorção de cálcio
  • Redução do risco de câncer de cólon, entre outros
  • Inibição da multiplicação de patógenos (causadores de doenças)
  • Aumento de bactérias benéficas no intestino, entre outros
Fique atento: o uso desses alimentos – ou suplementos – deve ser regular, sem exageros, mas com frequência. Os probióticos não são indicados para pacientes com imunidade debilitada, e os prebióticos podem ser pouco tolerados por quem tem síndrome do intestino irritável, por exemplo. Busque sempre a ajuda de um médico para verificar sua condição para o consumo.

 

Alimentos probióticos e prebióticos

rapaz prepara vitamina com banana, queijo e leite

Probióticos e prebióticos devem fazer parte de uma alimentação saudável para proporcionar o bem-estar de nosso corpo. Vale ressaltar que a eficácia dos benefícios desses elementos na nossa saúde depende de cada organismo e da própria composição intestinal da pessoa.

Alguns exemplos de alimentos que contêm probióticos são: leite fermentado, iogurte natural, alguns tipos de queijo (como cottage e kefir), chicória, alcachofra de Jerusalém, chucrute, kombucha, pães com fermentação natural. 

Quando necessário, e se indicado por um profissional, a ingestão também pode ser feita por suplementação!

Dica: é fácil adicionar iogurte natural à dieta. Além de consumi-lo no café da manhã ou nos lanches entre as refeições, ele é ótimo substituto da maionese nas saladas de ovo ou batata, além de delicioso acompanhamento para qualquer receita de panificação. O iogurte também pode ser a base de molhos para salada. Experimente!

Texto: Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Fonte: USP, Hospital ACCamargo, Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil


Média (1 Votar)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em