Nossa Cooperativa

Saiba mais sobre nossa cooperativa

Nossa Cooperativa

Saiba mais sobre nossa cooperativa

 

 

ORIGEM DAS COOPERATIVAS MÉDICAS NO BRASIL

A primeira Cooperativa Médica fundada no país foi a UNIMED de Santos, São Paulo, no dia 12 de dezembro de 1967. Nos primeiros três anos de cooperativismo médico, foram fundadas 90 Cooperativas Médicas no Brasil, incentivadas e apoiadas pelo idealizador do Sistema, Dr. Edmundo Castilho, que na época da implantação da nova alternativa de assistência médica, era Presidente do Sindicato Médico de Santos-SP.

A Unimed é uma Cooperativa de Trabalho Médico, em que os médicos cooperados são os donos do negócio. Isso garante que os princípios da prática médica possam serem vivenciados no ambiente de seu trabalho, onde nosso beneficiário pode ser atendido com toda dignidade e elevada qualidade nos consultórios dos próprios cooperados.

COMO SURGIU O COOPERATIVISMO

Em 1884, um grupo de 28 tecelões de uma fábrica da cidade de Rochdale, localizada no norte da Inglaterra, se reuniu para combater o avanço do capitalismo e os intermediários que não obedeciam ao princípio da justiça do trabalho.

A idéia era criar um sistema econômico que tivesse como base a ajuda mútua, a solidariedade humana, a cooperação, a honestidade e o esforço coletivo. Surgiu, então, o cooperativismo e estava formada a primeira cooperativa do mundo. Os princípios que direcionaram a organização dos tecelões, aos poucos, foram disseminados pelo planeta.

Na época, a Revolução Industrial estava em processo na Europa desde o século XVIII. O Estado passou a controlar o avanço do capitalismo moderno e ocorreu um crescimento acirrado da classe proletária, que estava sujeita ao controle dos capitalistas e a condições de trabalhos a ela impostas.

A idéia da cooperativa era promover uma ampla mudança estrutural, que pudesse resultar em melhores condições de trabalho para os proletários.

O QUE É UMA COOPERATIVA

Cooperativa é uma associação autônoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma empresa de propriedade coletiva e democraticamente gerida. (Conceito apresentado no Congresso Centenário da Aliança Cooperativista Internacional, em setembro de 1995, em Manchester, na Inglaterra).

Os valores que a sociedade cooperativa se baseia são a identidade de propósitos e interesses das pessoas que a compõem, ajuda mútua, ação em conjunto, busca de um resultado útil e comum a todos, responsabilidade, igualdade, solidariedade, democracia e participação. Daí se dizer que o cooperativismo surgiu para promover uma reforma social dentro do capitalismo.

Os membros das cooperativas acreditam nos valores éticos da honestidade, transparência, responsabilidade social e preocupação pelo seu semelhante. Com o passar do tempo, elas também começaram a atuar com segurança no setor de prestação de serviços, responsável por gerar o maior número de postos de trabalho do mercado.

A prática da democracia tem norteado a doutrina cooperativista desde o seu surgimento. A solução dos problemas e a satisfação do interesse coletivo são alcançados com base na troca de idéias e nas discussões entre as pessoas.

PRINCÍPIOS DO COOPERATIVISMO

Os princípios que devem nortear qualquer cooperativa no mundo são:

Adesão voluntária e livre - As cooperativas são organizações voluntárias, abertas à qualquer pessoa apta a utilizar os seus serviços e assumir as responsabilidades como membros, sem discriminação de sexo, classe, política e religião.

Gestão democrática pelos membros - Uma cooperativa é necessariamente uma organização democrática. Os membros controlam a cooperativa e participam ativamente da formulação das políticas e na tomada de decisões. Os eleitos como representantes dos demais membros são responsáveis perante estes. Nas cooperativas de primeiro grau os membros tem igual direito de voto (um membro, um voto) eas cooperativas de grau superior são também organizadas de maneira democrática.

Participação econômica dos membros - Os membros contribuem equitativamente para o capital das suas cooperativas. O controle do capital é feito democraticamente. Parte desse capital é, normalmente, propriedade comum da cooperativa. Autonomia e independência - Controladas por seus membros, as cooperativas são organizações autônomas, caracterizadas pela ajuda mútua. Se estas firmam acordo com outras organizações, incluindo instituições públicas, ou recorrem a capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o contrôle democrático pelos seus membros e mantenham a autonomia das cooperativas.

Educação, formação e informação - As cooperativas promovem a educação e a formação dos seus membros, dos representantes eleitos e dos trabalhadores de forma que estes possam contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento das suas cooperativas. Informam o público em geral, particularmente os jovens e os líderes de opinião, sobre a natureza e as vantagens da cooperação.

Inter-cooperação - É lema das cooperativas atuarem em conjunto, através de suas representações locais, regionais, nacionais e internacionais. Tudo isso para dar força ao movimento cooperativista.

Interesse pela comunidade - As cooperativas também devem trabalhar para o desenvolvimento das suas comunidades. Para tanto, devem aprovar políticas sociais junto aos seus membros.