Voltar

Tire suas dúvidas sobre vegetarianismo

Tire suas dúvidas sobre vegetarianismo

Conversamos com um especialista que esclarece dúvidas comuns sobre essa prática alimentar

Tire suas dúvidas sobre vegetarianismo

4 Março 2010

Dietas e práticas alimentares são sempre motivos de dúvidas e considerações. O médico nutrólogo Eric Slywitch explica alguns aspectos relacionados ao vegetarianismo. Confira e saiba mais sobre o assunto!

O que é vegetarianismo?
Vegetarianismo é a prática de se alimentar sem nenhum produto que implique a morte de um ser do reino animal. De forma genérica, vegetariano é o indivíduo que não utiliza nenhum tipo de carne (vermelhas ou brancas) na sua dieta. O vegetariano pode ou não utilizar derivados animais na sua alimentação.

Quais são os tipos de dietas vegetarianas e quais as diferenças entre elas?
• Ovo-lactovegetariano: é o vegetariano que utiliza ovos, leite e laticínios na sua alimentação.
• Lactovegetariano: é o vegetariano que não utiliza ovos, mas faz uso de leite e laticínios.
• Vegetariano estrito: é o vegetariano que não utiliza nenhum derivado animal na sua alimentação. É também conhecido como vegetariano puro.
• Vegano: é o indivíduo vegetariano estrito que recusa o uso de componentes animais não alimentícios, como vestimentas de couro, lã e seda, assim como produtos testados em animais. •Crudivorista: é, na grande maioria dos casos, um vegetariano estrito que utiliza alimentos crus, ou aquecidos no máximo a 42oC. Alguns podem aceitar leite cru e carne crua também, descaracterizando o termo vegetariano estrito. A utilização de alimentos em processo de germinação (cereais integrais, leguminosas e oleaginosas) é comum nessa dieta. Diferente do que se pode imaginar, essa dieta apresenta preparações bastante sofisticadas e saborosas.
•Frugivorismo: vegetariano estrito que utiliza apenas frutos na sua alimentação. O conceito de "frutos", nesse caso, segue a definição botânica, que inclui os cereais, alguns legumes, oleaginosos e as frutas.
• Macrobiótico: designa uma forma de alimentação que pode ou não ser vegetariana. O macrobiótico tem um tipo de alimentação específica, baseada em cereais integrais, com um sistema filosófico de vida bastante peculiar e caracterizado. A dieta macrobiótica, diferentemente das vegetarianas, apresenta indicações específicas quanto à proporção dos grupos alimentares a serem utilizados. Essas proporções seguem diversos níveis, podendo ou não incluir as carnes (geralmente brancas). A macrobiótica não recomenda o uso de leite, laticínios ou ovos.
• Semi-vegetariano: indivíduo que faz uso de carnes, geralmente brancas, em menos de três refeições por semana. Alguns consideram essa terminologia quando em apenas uma refeição por semana. Esse termo ganha importância nos estudos científicos, na comparação dos efeitos à saúde entre vegetarianos e onívoros, já que, teoricamente, o semi-vegetariano consome carne, mas menos do que um onívoro. Atenção: esse indivíduo não é vegetariano.


Para o ser humano, quais as vantagens dessa prática alimentar?
Para a saúde, de forma geral, há inúmeros benefícios, apontados por artigos científicos de revistas médicas e nutricionais conceituadas:
• Redução das mortes por doença cardíaca cardiovascular em 31% em homens vegetarianos e 20% em mulheres vegetarianas;
• Níveis sanguíneos de colesterol 14% mais baixos em ovo-lacto-vegetarianos do que nos onívoros;
• Níveis sanguíneos de colesterol 35% mais baixos em veganos do que nos comedores de carne;
• Menor pressão arterial (redução de 5 a 10 mmHg) nos vegetarianos;
• Redução de até 50% do risco de apresentar diverticulite nos vegetarianos;
• Onívoros apresentam o dobro do risco de apresentar diabetes quando comparados com vegetarianos;
• Probabilidade duas vezes menor de apresentar pedras na vesícula nas mulheres vegetarianas ;
• Os não vegetarianos têm um risco 54% maior de ter câncer de próstata;
• Os onívoros têm um risco 88% maior de ter câncer de intestino grosso (cólon e reto);
• Redução da incidência de obesidade em vegetarianos.

Qualquer pessoa pode se tornar vegetariana?
Sim, pode. Segundo a Associação Dietética Americana, a dieta vegetariana bem planejada é adequada para todos os ciclos de vida, incluindo crianças e gestantes.
 
Grávidas podem manter uma dieta vegetariana sem fazer nenhuma modificação?
As grávidas podem manter uma dieta vegetariana sim, desde que respeitados alguns poucos ajustes nutricionais. Isso é mais importante quando a dieta escolhida não contempla laticínios e, nesse caso, o ajuste de cálcio na dieta (oriundo de fontes vegetais) deve ser planejado. O ferro segue as mesmas orientações da dieta com carne, pois é fundamental que seja suplementado (em quem come ou não carne) durante a gestação. A vitamina B12 é o ponto de maior atenção e deve ser suplementado sempre, já que as suas maiores fontes são de origem animal.
 
Existe algum elemento fundamental ao organismo humano que só é encontrado em alimentos de origem animal? Se sim, onde ele é encontrado, o que sua deficiência pode gerar e qual a opção para quem é vegetariano?
Existe. É a vitamina B12. É importante acompanhar os níveis de vitamina B12 no organismo dos vegetarianos. A sua suplementação pode ser necessária se os níveis começam a declinar. No mercado brasileiro, atualmente, há opções de alimentos fortificados com a vitamina, o que facilita a sua obtenção diária para o vegetariano estrito. A deficiência de B12 pode ocasionar comprometimento no sistema nervoso e na formação do sangue. Essa vitamina é estocada pelo nosso corpo e pode demorar anos para que a deficiência se manifeste. No entanto, essa deficiência não é exclusiva do vegetariano, pois a perda intestinal tende a ser mais significativa do que a quantidade ingerida. Pessoas com problemas de absorção ou de reaproveitamento dela tendem a ter deficiência, mesmo com uma dieta adequada, e isso está aumentando no mundo todo. Todos os demais nutrientes seguem as mesmas diretrizes para suplementação dos que comem carne.
 
A obtenção de proteína animal costuma ser bastante comentada quando o assunto é vegetarianismo. Uma dieta vegetariana é capaz de suprir as necessidades desse nutriente?
A questão da proteína é o maior mito que cerca a dieta e isso é completamente infundado. O melhor substituto das carnes são os feijões. É importante saber que a comparação das proteínas animais com as vegetais mostra que há menor teor protéico nas vegetais, mas estão acima das necessidades humanas. Para ter uma deficiência de proteína sendo vegetariana, a pessoa precisará se esforçar muito e mesmo assim talvez não consiga. A deficiência de proteína poderá ocorrer quando a pessoa não consome energia (caloria) suficiente, o que se chama falta de alimentação e não vegetarianismo.

Há alimentos que devem obrigatoriamente ser ingeridos por quem é vegetariano?
Recomendo que o vegetariano sempre ingira feijões, o que inclui ervilha, lentilha, grão de bico... Esses são os melhores substitutos da carne. A soja é desnecessária para o vegetariano. Ele pode utilizá-la, mas a sua ausência no cardápio não traz problema algum. Os demais alimentos também são bem conhecidos como parte de uma dieta saudável: cereais (de preferência integrais), verduras, legumes, batatas, frutas, condimentos, oleaginosas (opcionais, pois apesar de benéficas têm maior custo). Para os que utilizam, o cardápio pode contemplar ovos e laticínios.

 
Lembre-se: antes de realizar qualquer mudança de dieta, procure a ajuda de um profissional habilitado para isso. Quer saber qual é o mais indicado? Clique aqui e descubra a diferença entre nutrólogo, nutricionista e endocrinologista.

Eric Slywitch é coordenador do Departamento de Medicina e Nutrição da Sociedade Vegetariana Brasileira, especialista em Nutrologia pela ABRAN/CFM/AMB e em Nutrição Enteral e Parenteral (SBNPE), pós-graduado em Nutrição Clínica (GANEP), docente dos cursos de pós-graduação: Grupo de Apoio de Nutrição Enteral e Parenteral (GANEP) e Instituto de Pesquisa, Capacitação e Especialização (IPCE).


Taise Bertoldi

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (1 Votar)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em