Voltar

Médico cooperado orienta sobre Coronavírus (Covid 19)

Médico cooperado orienta sobre Coronavírus (Covid 19)

Médico cooperado orienta sobre Coronavírus (Covid 19)

23 Março 2020

O médico cooperado, Fabrício Zandoná, especialista em clínica médica e pneumologia, realizou nos dias 12 e 16 de março, palestras de orientação aos colaboradores da Unimed Pato Branco, sobre os riscos do novo Coronavírus (Covid 19). 
De acordo com o doutor, muitas das informações que estão circulando pela internet e grupos de whatsapp não são verdadeiras. Por isso, ele tomou a iniciativa de repassar aos colaboradores informações reais, que ajudarão à equipe na hora de orientar os beneficiários e seus familiares. 
O Coronavírus é um vírus já conhecido, que costuma causar quadros de resfriados, sobretudo em crianças. Contudo, esta modalidade  que está circulando atualmente, conhecido como SARS-CoV-2 - COVID 19, sofreu uma mutação, e é mais agressivo, sendo que, os primeiros contágios foram registrados na China. Contudo, hoje já se tornou uma pandemia, pois chegou aos cinco continentes. 
Formas de transmissão
Segundo Zandoná, a forma mais comum de contaminação pelo Coronavírus é pelo contato, quando a pessoa contaminada cumprimenta alguém ou toca em alguma superfície ou objeto, ela está repassando o vírus. 
Sintomas 
De acordo com o pneumologista, a pessoa infectada pelo Coronavírus passa por um período de incubação de 5 a 14 dias, até que o vírus comece a manifestar os primeiros sintomas, que incluem: dor no corpo, cansaço, febre, tosse seca e falta de ar. 
Ele reforça, que a partir do momento que a pessoa começa a tossir, é quando se inicia o período de transmissão do vírus. Também, quando ela passa a apresentar dificuldade para respirar, o importante é buscar por atendimento médico, o quanto antes. 
O Ministério da Saúde tem seguido alguns critérios para considerar um caso como suspeito de Coronavírus, entre eles: apresentar febre e sintomas respiratórios, como tosse e falta de ar, ter tido contato com algum caso suspeito da doença ou ter chego de viagem fora do país, nos últimos 14 dias. 
Os epidemiologistas acreditam que o surto maior da doença, no Brasil, deve se manifestar dentro de um mês e meio. Então, é preciso ter consciência do quanto a prevenção é importante, para que os danos Coronavírus sejam amenizados. 
Como se previnir
Além da higienização das mãos com frequência, usando água e sabão ou álcool gel, as autoridades tem solicitado que as pessoas fiquem em suas casas. Mas, se for preciso sair de casa, deve-se evitar frequentar locais com aglomeração e não cumprimentar as pessoas com aperto de mãos, abraços e beijos. O melhor é manter pelo menos um metro de distância das pessoas. Também é preciso cuidado ao encostar em superfícies, como maçanetas de portas e corrimãos, pois o vírus pode permanecer vivo nestes locais.
Outra orientação, é se estiver resfriado, ao tossir ou espirrar, sempre cobrir a boca e o nariz com um lenço descartável, e em seguida fazer a higienização das mãos. 
Grupo de risco
As pessoas idosas ou que possuem doenças crônicas, são as que devem redobrar os cuidados, pois devido à baixa imunidade, elas estão mais suscetíveis a não resistir, caso venham a ser contaminadas pelo Coronavírus. Conforme o médico pneumologista, a taxa de letalidade por complicações do vírus, em crianças, jovens e gestantes é baixa.

A fim de orientar os colaboradores, o médico cooperado, Fabrício Zandoná, especialista em clínica médica e pneumologia, realizou nos dias 12 e 16 de março, palestras sobre os riscos do novo Coronavírus 

Orientações também foram repassadas aos colaboradores do CAS