Voltar

Petrópolis se fortalece como um dos berços do Cooperativismo

Petrópolis se fortalece como um dos berços do Cooperativismo

Município reúne grande cooperativas que movimentam a economia da cidade

Petrópolis se fortalece como um dos berços do Cooperativismo

Município reúne grande cooperativas que movimentam a economia da cidade

30 Abril 2021

 

No mês em que se celebra 145 anos da fundação da cooperativa mais antiga que se tem registro no Brasil, os petropolitanos têm muito o que se orgulhar. No dia 26 de abril de 1876, a Princesa Isabel assinou o Decreto Nº.6196 em que se criava a Sociedade Cooperativa de Consumo, que possuía normas estatutárias que respeitavam os 7 princípios cooperativistas, como o voto unitário e o modo de distribuição de resultados. Já em 22 de novembro de 1890, foi criada a primeira cooperativa de crédito, de previdência, seguros e de saúde, por meio do Decreto nº 1070.

 

A Unimed Petrópolis – maior cooperativa do município – prestes a completar meio século de existência, assumiu o papel de ser uma das percursoras do movimento cooperativista em Petrópolis. O presidente da cooperativa, Rafael Gomes de Castro, reforça que além do ramo de Saúde, Petrópolis ainda tem cooperativas de crédito, cabelereiros, transporte e habitacional.

 

“A Unimed Petrópolis, fundada em 28 de fevereiro de 1972, é a quarta cooperativa de médicos criada no Estado do Rio de Janeiro. Nós somos a maior cooperativa de Petrópolis gerando cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos, além de sermos a 2ª maior geração de riqueza no município. Ao lado das cooperativas Unicred Serra Mar, Usimed, Unifop e tantas outras, estamos criando uma nova história dentro do movimento cooperativista da cidade e também na economia, gerando emprego e renda”, avalia Rafael Gomes de Castro, presidente da Unimed Petrópolis.

 

O movimento cooperativista em Petrópolis

 

Atualmente, o país conta com 5.314 cooperativas e 15,5 milhões de cooperados. No estado do Rio de Janeiro, há 455 cooperativas registradas no sistema OCB/RJ. Deste número, sete cooperativas são de Petrópolis. Entre elas, está a Unimed Petrópolis, que além de cooperativa com 289 médicos cooperados, também é a maior operadora de Saúde do município com quase 30 mil clientes.

 

Ainda no ramo de saúde, há duas cooperativas que se destacam no município. A Unifop, que atua em Petrópolis há 20 anos, nas áreas de fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição, terapia ocupacional, psicologia, enfermagem, assistência social e a Usimed, cooperativa de usuários de assistência médica da Unimed que atua há mais de 15 anos em Petrópolis com uma farmácia e também com a Casa de Apoio.

 

No Cooperativismo, há outros seis ramos: Consumo, infraestrutura, trabalho, produção de bens e serviços, transporte e crédito. Esse último também está presente em Petrópolis, a exemplo da Unicred Serra Mar, uma importante instituição financeira.

 

Para o superintendente do Sistema OCB (SESCOOP-RJ), Abdul Nasser, através do cooperativismo é possível transformar a realidade à nossa volta. 

 

“Tudo começa quando pessoas se juntam em torno de um mesmo objetivo, em uma organização onde todos são donos do próprio negócio. E continua com um ciclo que traz ganhos para as pessoas, para o país e para o planeta com efeito positivo por onde passa. Mais que um modelo de negócios, o cooperativismo vai além disso, é uma filosofia de vida que busca transformar o mundo em um lugar mais justo, feliz, equilibrado e com melhores oportunidades para todos”, diz Abdul Nasser.

 

Contextualizando

 

Apesar do decreto assinado pela Princesa Isabel que permitiu a criação da cooperativa no ano de 1876, a origem do cooperativismo brasileiro é cercada de histórias que se desencontram. Abdul Nasser diz que outras informações dão conta de que o surgimento desse modelo de negócios ocorreu em Minas Gerais e Rio Grande do Sul, nos anos de 1889 e 1902.

 

“Muitas informações, inclusive nos sites das entidades representativas, dizem que o cooperativismo começou em Nova Petrópolis-RS com a Sicredi Pioneira, ou em Minas Gerais. Ambas são histórias importantes, mas nem de longe representam as primeiras cooperativas do Brasil. Na base de dados do Senado Federal, é possível verificar a existência de Decretos da época do Império e da primeira República, provando que o Rio de Janeiro esteve na vanguarda do cooperativismo brasileiro”, conta Abdul, que ressalta que o decreto N6186, de 26 de abril de 1876, concede autorização de funcionamento à “Cooperativa de Consumo” e aprovação de seus estatutos, tendo o decreto sido assinado pela Princesa Isabel.