Estrutura Organizacional - Organograma

 

Governança Corporativa

A governança corporativa da Unimed Regional Jaú está estruturada de acordo com as melhores práticas do mercado e em consonância com as diretrizes e normativas da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) e da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

 

Estrutura da Gestão de Governança

Assembleia Geral dos Cooperados (AGO)

Conselho de Administração

Diretoria Executiva

Conselho Fiscal

Conselho Técnico

Auditoria Contábil Independente

Ouvidoria

Auditoria Interna

Compliance e Riscos Corporativos

 

Diretrizes e comprometimento da alta direção

A Unimed Regional Jaú reconhece a importância da conformidade nos processos e a integridade das pessoas que atuam na cooperativa, por isso, de forma proativa e preventiva investe na implantação e sistematização do Programa de Compliance.

Os Conselhos e Diretoria se comprometem com delineamento, desenvolvimento, implementação, manutenção e melhoria continua desse programa de Compliance.

 

Princípios Básicos de Governança
A estrutura de governança tem gestão baseada em quatro princípios básicos:

Transparência: consiste em divulgar de forma clara, completa e objetiva informações relevantes a todos os níveis da operadora e da sociedade, independente da legislação. Além do desempenho econômico-financeiro, contempla também os demais fatores (inclusive intangíveis) que norteiam a ação gerencial e que conduzem à preservação e à otimização do valor da organização.
Equidade: É o tratamento justo e isonômico de todos os sócios proprietários, beneficiários dos planos de saúde da operadora e demais partes interessadas, levando em consideração seus direitos, deveres, necessidades, interesses e expectativas.
Prestação de contas: Os agentes de governança devem prestar contas de sua atuação de modo claro, conciso, compreensível e tempestivo, assumindo integralmente as consequências de seus atos e omissões, e atuando com diligência e responsabilidade no âmbito dos seus papéis.

Responsabilidade corporativa: Os administradores devem zelar pela viabilidade econômico-financeira da organização, reduzir os riscos de seus negócios e suas operações e aumentar a oportunidade, levando em consideração, no seu modelo de negócio, os diversos capitais (financeiro, manufaturado, intelectual, humano, social, ambiental, reputacional, etc) no curto, médio e longo prazos. No caso das cooperativas, essa responsabilidade se estende aos cooperados, especificamente nas suas decisões em assembleias que envolvam temas de repercussão econômico-financeira, riscos de negócio de qualquer natureza e questões operacionais que possam influenciar a sustentabilidade do negócio.

 

Estrutura do sistema de governança corporativa

FONTE: IBGC

 

Partes Interessadas:

As principais partes (Stakeholders) da Unimed Regional Jaú são: Clientes, Cooperado, Colaboradores, Prestadores, Fornecedores, outras Unimeds, Governo, Órgãos Reguladores, Sindicatos, Comunidade, Meio Ambiente, entre outras.

 

Princípios básicos do Cooperativismo

Por ser uma cooperativa, a Unimed Regional Jaú segue ainda os princípios básicos do Cooperativismo:

1º Princípio – Adesão voluntária e livre: “As cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas aptas a utilizar os seus serviços e assumir as responsabilidades como cooperados, sem discriminações sociais, raciais, políticas, religiosas ou de gênero”.

2º Princípio – Gestão democrática e livre: “As cooperativas são organizações democráticas, controladas por seus cooperados, que participam ativamente na formulação das suas políticas e na tomada de decisões. Os conselheiros e diretores – eleitos nas assembleias gerais como representantes dos demais cooperados – são responsáveis perante estes. Nas cooperativas de primeiro grau os cooperados têm igual direito de voto (cada cooperado, um voto)”.

3º Princípio – Participação econômica dos cooperados: “Os cooperados contribuem equitativamente e controlam democraticamente o capital de suas cooperativas. Os cooperados destinam os excedentes a finalidades como o desenvolvimento da cooperativa, eventualmente através da criação de reservas, parte das quais, pelos menos será, indivisível; benefício aos cooperados na proporção das suas transações com a cooperativa; apoio a outras atividades desde que aprovadas pela assembleia geral dos cooperados?.

4º Princípio – Autonomia e independência: “As cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, controladas pelos cooperados. Em caso de firmarem acordos com outras organizações – incluindo instituições públicas – ou recorrerem a capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o controle democrático pelos cooperados e mantenham a autonomia da sociedade”.

5º Princípio – Educação, formação e informação: “As cooperativas promovem a educação e a formação de seus cooperados, dos representantes eleitos, dos gerentes e de seus colaboradores, de forma que estes possam contribuir eficazmente para o desenvolvimento da cooperativa. Divulgam os princípios de cooperativismo, e informam a natureza e os benefícios da cooperação para o público em geral, particularmente para os jovens e os líderes de opinião”.

6º Princípio – Intercooperação: “Para as cooperativas prestarem melhores serviços a seus cooperados e agregarem força ao movimento cooperativo, devem trabalhar em conjunto com as estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais”.

7º Princípio – Interesse pela comunidade: “As cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentado das suas comunidades através de políticas aprovadas pelos cooperados”.