Lâmpadas fluorescentes

Lâmpadas fluorescentes

 

As Lâmpadas fluorescentes contém mercúrio, substância tóxica, nociva ao ser humano e ao meio ambiente. Somente no Brasil, cerca de 70 milhões de lâmpadas são descartadas anualmente de forma incorreta, ou seja, são desprezadas no meio ambiente. Enquanto intacta a lâmpada não oferece risco, entretanto, ao ser rompida libera vapor de mercúrio que será aspirado por quem as manuseia. A contaminação do organismo se dá principalmente através dos pulmões. Se forem lançadas em aterros, contaminam o solo, e mais tarde, os cursos d’água, lençóis freáticos, chegando à cadeia alimentar.

No Brasil a NBR 10004 impõe limites rigorosos à presença do mercúrio nos resíduos sólidos. Existem empresas que recuperam completamente o mercúrio, ao contrário de alguns processos utilizados em outros países, que apenas retêm o mercúrio sob a forma de compostos não voláteis, gerando-se assim, um passivo ambiental.

A busca de uma solução integrada para um problema ambiental, levou o Hospital Unimed de Rio Claro a desenvolver um trabalho sócio-ambiental voltado ao assunto. Em parceria com a Fesp – Federação das Unimeds do Estado de São Paulo, através do Projeto Recicla Lâmpada, iniciado em junho de 2008, encaminhamos o passivo ambiental de lâmpadas que era gerenciado pelo Setor de Segurança no Trabalho à 5 anos e trimestralmente encaminhamos o que foi armazenado no período.

As lâmpadas do projeto, são encaminhadas para a empresa APLIQUIM Equipamentos e Produtos Químicos Ltda., que além de recuperar todo o mercúrio, ainda recicla o vidro e partes metálicas da lâmpada.