Voltar

Envolvimento cardíaco na covid-19

Envolvimento cardíaco na covid-19

Envolvimento cardíaco na covid-19

Quando pensamos na covid-19, logo nos vem à mente sintomas respiratórios graves, unidades de terapia intensiva e ventiladores mecânicos. Há um ano convivendo com a pandemia da covid-19, médicos e pesquisadores estão começando a entender como a doença afeta o organismo dos pacientes. Atualmente, a infecção causada pelo vírus SARS-COV-2, da família dos coronavírus, é considerada uma doença multissistêmica, que produz manifestações pulmonares, neurológicas, gastrointestinais, tromboembólicas e cardíacas, de forma associada ou não. 

Desde o início da pandemia, a covid-19 tem sido associada a problemas cardíacos, incluindo comprometimento da função de bombeamento do sangue (insuficiência cardíaca), distúrbios do ritmo cardíaco (arritmias) e inflamação do pericárdio (membrana que reveste o coração).

Cerca de 1/3 dos pacientes hospitalizados com coronavírus apresentam níveis elevados de Troponina (uma proteína identificada no sangue, que revela a presença de danos ao tecido cardíaco). Desse subconjunto, talvez 2% a 5% acabem com um problema cardíaco detectável, como arritmia cardíaca ou disfunção cardíaca, e apenas em torno de 1% apresenta problemas cardíacos clinicamente significativos.

LESÕES
São dois os modos como o vírus produz a lesão cardíaca: lesão direta do tecido cardíaco pelo vírus; excessiva resposta inflamatória, produzida sistemicamente pelo vírus, e que indiretamente atinge o músculo cardíaco.

Pessoas com doenças cardiovasculares preexistentes, como hipertensão arterial sistêmica, doença arterial coronária e miocardiopatia dilatada, têm maior probabilidade de serem internadas... irem para a UTI e apresentarem curso mais preocupante da doença. Entretanto, a doença não se restringe apenas a indivíduos portadores dessas comorbidades. Estudo recente com ressonância nuclear magnética, em atletas pós infecção por covid-19, evidenciou a presença de injúria miocárdica, mesmo naqueles que não apresentavam sintomas graves da infecção.

Os sintomas mais frequentes da covid-19, que podem sugerir o envolvimento cardíaco, são palpitações, tonturas, dor torácica e desconforto respiratório. Quando indicados, exames para identificar lesão do músculo cardíaco (Troponina) e exames para detectar distúrbios do ritmo cardíaco e de avaliação da função cardíaca, como o eletrocardiograma e o ecocardiograma com Doppler colorido (um ultrassom do coração), podem ser necessários. Em alguns poucos casos, podemos lançar mão de estudos como a ressonância nuclear magnética e a cintilografia do miocárdio.

Aproximadamente 10% dos indivíduos que tiveram covid-19 (muitos sem sintomas graves da doença), exibem sintomas que reduzem sua capacidade laborativa, como fadiga persistente, cansaço fácil, falta de ar aos esforços, palpitações e ainda dor torácica, e muitas vezes extenuantes investigações não revelam o envolvimento cardíaco na origem desses sintomas.

CONVALESCENÇA
Os pesquisadores afirmam que há ainda um longo caminho a ser percorrido, até que por completo possamos elucidar todos os aspectos desta terrível infecção. Não sabemos ainda, por completo, qual a repercussão, a longo prazo, do comprometimento cardíaco e de outros órgãos.

De qualquer modo, a presença de sintomas, na fase de convalescença da infecção por covid-19, deve ser acompanhada sempre por uma equipe médica,  que dará as diretrizes e o melhor tratamento para cada caso em particular.

Crianças infectadas com SARS-COV-2 também podem apresentar comprometimento cardíaco sob forma de uma vasculite, que produz alterações nas artérias coronárias, a doença de Kawasaki, e os médicos pediatras devem estar atentos às crianças acometidas pela covid-19.

É importante ressaltar que indivíduos portadores de doenças cardiovasculares e comorbidades associadas, como diabetes, dislipidemia e obesidade, não devem interromper o seu tratamento de forma alguma, e devem intensificar os cuidados com sua saúde, adotando hábitos saudáveis para a sua vida.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dr. Carlos Vinetou Ayres é Coordenador Médico da Cardiologia -Ecocardiograma e Métodos Gráficos do Centro de Diagnóstico por Imagem (CDI) Unimed Santos, médico do Serviço de Ecocardiografia da Santa Casa de Santos, Médico Coordenador do Serviço de Cardiologia do AME Santos e Professor Assistente de Fisiologia Cardiopulmonar da Unimes.