Voltar

Unimed Santos adere à Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose

Unimed Santos adere à Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose

Unimed Santos adere à Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose

Na primeira edição da Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose em Santos, a Unimed Santos se fez presente, apoiando o movimento que busca chamar a atenção para a patologia, ainda pouco conhecida pela população. Além de copatrocinar a iniciativa, a Cooperativa garantiu a infraestrutura médica do evento, fornecendo ambulância com equipe de enfermagem.

O médico Ivan Akaoui Vianna, diretor de Mercado da Unimed Santos, vestiu a camiseta alusiva ao Março Amarelo e aderiu à EndoMarcha, como é chamado o movimento que ocorre, simultaneamente em 70 países. No Brasil, 22 cidades mobilizaram-se, e Santos fez bonito, sob a organização do grupo EndoMulheres Baixada Santista, que reúne mais de 300 participantes.

Mulheres portadoras da doença, familiares e profissionais da saúde marcharam do Avenida Conselheiros Nébias até a Concha Acústica. No percurso, Akaoui Vianna fez uso da palavra, reforçando o comprometimento da Unimed Santos com as lutas em defesa da saúde. “Nada mais importante do que divulgar essa causa para toda a população e reforçar a importância do diagnóstico precoce”, enfatizou.

LUTA

O grupo EndoMulheres Baixada Santista reivindica política públicas que facilitem o diagnóstico e o tratamento. O subdiagnóstico é uma das causas do agravamento do quadro de saúde das mulheres portadoras. Calcula-se que 50 mil mulheres na Baixada Santista sejam vítimas da endometriose.

Para a coordenadora do Endomulheres da Baixada Santista, Flávia Marcelino Silva, os sintomas apareceram com 11 anos de idade, mas o diagnóstico só foi feito mais de 30 anos depois, quando ela tinha 42 anos de idade.

Tudo começou com dores abdominais tão fortes, que a faziam desmaiar. Sem diagnóstico e sem tratamento, intestino, bexiga e vesícula foram sendo afetados. Um médico chegou a abrir o abdômen de Flávia e fechar, por perceber que precisaria de uma equipe.

“Quando me abriu, o médico disse que parecia que tinha dado um nó dentro de mim”, afirma Flávia. Em uma cirurgia com duração de mais de 6 horas, cinco especialistas se empenharam para recompor os órgãos danificados. Flávia perdeu 40% do intestino, mas ganhou a vida.

A cirurgia e o tratamento foram feitos pela Unimed Santos. Quem comandou a equipe cirúrgica foi o cooperado Fábio Morozetti Ramajo, que se tornou militante da luta, estava presente à Marcha, e fez uma fala em defesa do direito ao diagnóstico e tratamento também pelo serviço público.

O QUE É

A endometriose ocorre quando células do endométrio, tecido que reveste o útero, migram para a cavidade abdominal, e se desenvolvem em outros órgãos, provocando reação inflamatória. Cólicas exageradas, que chegam a incapacitar as mulheres para realizar suas atividades normais, fazem suspeitar que a doença esteja instalada.

“É muito comum as pessoas deslegitimarem a dor que a mulher sente, como se fosse um fricote, uma coisa menos importante. Pior, como se fosse normal e inerente à mulher sentir dor. A dor na mulher não é valorizada”, alertou a ginecologista Maria Virginia de Oliveira e Oliveira, em breve palestra na Concha Acústica. “É preciso distinguir quando existe a cólica, que é chamada de desmenorréia, previsível dentro do ciclo menstrual, e quando essa dor é de fato relacionada a uma patologia”, frisou.

A endometriose pode apresentar também, entre outros sintomas, dor pélvica grave, dor lombar e dor durante a relação sexual. Ainda podem surgir prisão de ventre, diarreia e dor na hora de urinar. Além disso, estima-se que 40% das mulheres com endometriose apresentem dificuldades para engravidar.

A endometriose pode surgir logo após as primeiras menstruações, mas a doença é mais comum entre mulheres de 25 a 35 anos. Não há cura definitiva, mas existem tratamentos bastante eficazes.

REFERÊNCIA

O secretário de Saúde de Santos, Fábio Ferraz, também participou da caminhada, e fez um anúncio que foi comemorado: a criação de um centro de referência para tratamento de endometriose na região, no Hospital dos Estivadores. Convênio com o governo do Estado deverá ser assinado em breve, segundo o secretário.

 

Legendas:

Na primeira edição da Marcha Mundial pela Conscientização da Endometriose em Santos, mulheres, familiares e simpatizantes da causa vestiram-se de amarelo e foram às ruas lutar para que suas reivindicações sejam ouvidas

Unimed Santos patrocinou a 1º EndoMarcha Baixada Santista e garantiu a infraestrutura de atendimento médico do evento

O médico Ivan Akaoui Vianna, diretor da Unimed Santos, fez uso da palavra para reforçar a importância do diagnóstico precoce e para confirmar o apoio da Unimed Santos à causa

Vereadora Audrey Kleys, diretor Ivan Akaoui Vianna, coordenadora Flávia Marcelino Silva e secretário de Saúde Fábio Ferraz: união de propósitos

Concentrados na Concha Acústica, os participantes reiteraram os objetivos da luta, compartilharam informações e celebraram, com música, o sucesso da 1ª EndoMarcha na cidade de Santos