Voltar

Geriatria trata o paciente de forma global

Geriatria trata o paciente de forma global

Para a médica do Centro Médico Unimed, Leticia Heidemann, a procura pelo geriatra já pode acontecer a partir dos 40 anos.

Geriatria trata o paciente de forma global

Para a médica do Centro Médico Unimed, Leticia Heidemann, a procura pelo geriatra já pode acontecer a partir dos 40 anos.

20 Março 2019

Cuidar da saúde é importante em todos os momentos da vida. Porém, ao envelhecer, alguns cuidados precisam ser redobrados, pois com o passar dos anos as pessoas vão ficando mais debilitadas. Aí surge a dúvida: quando devo procurar um geriatra?

Segundo a geriatra do Centro Médico Unimed, Leticia Heidemann, a recomendação é buscar a ajuda desse especialista a partir dos 60 anos. “Mas, nada impede que você recorra antes de completar essa idade. Já a partir dos 40 anos é possível procurar um geriatra, até porque o processo de envelhecimento se inicia entre os 25 e 30 anos”, ressalta.

Orienta que, ao se buscar um médico mais cedo, se consegue realizar um acompanhamento mais preventivo. Desta forma, o profissional médico, além de tratar possíveis doenças, vai ajudar o paciente a compreender sobre as mudanças nessa fase da vida, buscando oferecer segurança e melhor qualidade de vida.

 “O foco é fazer com que o paciente seja visto de forma global, sem aquela necessidade inicial de se fazer um roteiro por especialistas. Se você tem dor no joelho, vai direto ao ortopedista. Se tem pressão alta corre ao cardiologista.  Então, a meta é fazer com que se consiga agregar o maior número de cuidados através do atendimento do geriatra”, acentua.  

A grande diferença de médico especialista para um geriatra é que, o especialista vai cuidar apenas de uma parte do corpo, o geriatra vai cuidar do indivíduo completo. A função do geriatra é garantir uma vida saudável ao idoso.

Indo ao geriatra, segundo Leticia Heidemann, ele saberá o momento em que o paciente deverá ser encaminhado a outro profissional médico, especialista no seu caso.  Além disso, num segundo foco, é fazer com que a experiência do envelhecimento seja bem sucedida. “Envelhecer com qualidade de vida, sem dependência e com autonomia, é essencial”, avalia.

 

VITALIDADE

Para a médica, é preciso buscar um envelhecimento saudável que, além de passar pelo atendimento médico, precisa do apoio integral do paciente para que se consiga alterar seus hábitos de vida, especialmente em relação às práticas de atividades físicas e hábitos alimentares.  “Não existe milagre. O paciente acha que com uma medicação e um encaminhamento a um especialista, seu quadro de saúde está resolvido. Ele precisa fazer a sua parte. “O nosso corpo paga pelas nossas decisões, desde a juventude”, alerta.

Ao procurar um geriatra, o paciente não irá se sentir mais novo ou mais velho, mas deverá garantir maior vitalidade do organismo. “E por parte do paciente, não é necessário ter vergonha ao procurar um geriatra, o que importa é a sua saúde”, conclui a geriatra.