Voltar

Pneumologista aponta as consequências do frio para a saúde

Pneumologista aponta as consequências do frio para a saúde

Filipe Viana, do Centro Médico Unimed, aponta fatores que desencadeiam as ocorrências das doenças respiratórias

Pneumologista aponta as consequências do frio para a saúde

Filipe Viana, do Centro Médico Unimed, aponta fatores que desencadeiam as ocorrências das doenças respiratórias

10 Julho 2018

O inverno, que chegou em 21 de junho e segue até setembro, é um problema para muita gente que, além de não gostar do frio, acaba sofrendo com as consequências do tempo em sua saúde.  No frio, a baixa umidade do ar, as mudanças bruscas de temperatura e o aumento da poluição do ar são os principais motivos de preocupação, especialmente para quem já tem doenças respiratórias crônicas, aponta o pneumologista Filipe Viana Corrêa, do Centro Médico Unimed Tubarão.

Segundo ele, a época também provoca queda da imunidade nas pessoas, tornando-as mais predispostas a desenvolver a asma. A doença atinge cerca de 16 milhões de brasileiros, com índice de mortalidade que chega a três mil pessoas por ano, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Asma, bronquite crônica, rinite alérgica, sinusite e enfisema são as doenças respiratórias mais comuns e frequentes no inverno. Vários fatores são apontados como problemas no desencadeamento das ocorrências das doenças respiratórias. A baixa umidade, contato com ácaros de roupas guardadas e o resfriamento do ar, são os estimulantes para as doenças de inverno, acrescentando-se aos ambientes fechados e ventilação reduzida. Isto facilita a transmissão de vírus, que fica no ar até 24 horas, e os bacilos até 48 horas. O ambiente úmido também é outro problema, favorecendo a proliferação de fungo.

O pneumologista Filipe Viana, ressalta que as infecções respiratórias agudas, em mais de 90% dos casos, são causadas por vírus e as reações alérgicas, em sua grande maioria, são ocasionadas pelos ácaros, que são microorganismos gerados pela poeira.  Lembra que, a asma, doença genética, não tem cura, mas o seu controle.

VACINA

O médico pontua a diferença entre resfriado e gripe que, muitas vezes causa uma certa confusão. A gripe é causada pelo vírus influenza e caracteriza-se por um quadro de infecção mais intenso. Segundo o pneumologista do Centro Médico Unimed, os sintomas podem vir com febre alta, dor de cabeça, no corpo e calafrios. A coriza, faringite e tosse podem ficar em segundo plano. Vômitos, febre, diarreia e dor abdominal são comuns em crianças e uma gripe mal curada pode resultar em sinusite ou pneumonia. O resfriado, segundo ele, tem os mesmos sintomas, mas caracteriza-se por aparecer de uma forma mais branda.

A vacina é a solução mais efetiva e eficaz contra a gripe, utilizada de forma preventiva, aponta o pneumologista Filipe Viana, do Centro Médico Unimed.

Crianças e idosos são os mais atingidos pela gripe. Os idosos porque apresentam imunidade mais baixa, além de diabetes, enfisema, bronquites crônicas e doenças cardíacas. As crianças,  devido ao convívio em creches e por estarem em ambientes fechados, resulta que, uma acaba contaminando a outra.

DICAS PARA PREVENIR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS

  • Sempre deixar o ambiente ventilado.
  • Beber bastante água, mesmo que não sinta sede.
  • Lavar as mãos frequentemente.
  • Quando tossir, use o punho e dorso como proteção.
  • Evitar o contato de crianças com pessoas com infecção respiratória.
  • Manter o ambiente limpo de poeiras.
  • Ao lavar roupas quentes de inverno, secar sempre ao sol.