Voltar

5 curiosidades sobre o paladar

5 curiosidades sobre o paladar

Conheça melhor o sentido que é responsável por um dos maiores prazeres da vida: saborear um bom alimento

5 curiosidades sobre o paladar

22 Maio 2019

O paladar é, de longe, o sentido responsável por um dos mais importantes prazeres do ser humano: o de comer. É ele que traz de volta aquela sensação de infância feliz, quando experimentamos um prato que nos remete à comida da avó ou da mãe, ou que, por outro lado, nos faz rejeitar um sabor amargo ou azedo, que não fomos habituados a comer.

Mas uma das mais atuais curiosidades é que o nosso paladar reconhece mais do que os quatro gostos básicos que aprendemos na escola: doce, salgado, azedo e amargo. O químico e professor da Universidade de Tóquio, Kikunae Ikeda, descobriu, em 1908, esse quinto gosto, o umami, que significa saboroso. Mas só agora, no século 21, é que os pesquisadores reconheceram-no como o quinto gosto.

Logo, quando comemos alimentos que possuem o aminoácido glutamato, que é encontrado naturalmente em carnes, peixes, frutos do mar, cogumelos, queijos e soja, além dos vegetais como couve-flor, brócolis, berinjela, repolho, espinafre e alcachofra, sentimos o gosto do umami.

 

 

Identificando o paladar

Selecionamos cinco curiosidades para que você desmitifique esse sentido que proporciona tantos momentos de prazer à mesa:

1 – Gosto e sabor não é a mesma coisa.

Por mais que pareçam, são diferentes. O gosto, segundo especialistas, refere-se apenas ao sentido do paladar. Receptores específicos presentes na língua reconhecem um determinado estímulo proporcionado por substâncias presentes nos alimentos. Já o sabor dos alimentos é reconhecido pela combinação de dois ou mais sentidos: o paladar (que se refere ao gosto) e mais algum outro sentido, que pode ser o olfato (que dá o aroma dos alimentos). Na prática, é assim: coloque um pedaço de chocolate na boca e segure o nariz. Tente identificar o sabor. Você notará que, com o nariz tampado, sentirá somente o gosto doce. Ao liberar o olfato, você então será capaz de notar o sabor do doce. Essa é a diferença.

2 – Você pode identificar o gosto umami.

Uma boa forma de identificar o gosto umami na boca é degustar um dos alimentos pelo qual ele é reconhecido. Saboreie lentamente e espere passar o gosto doce, salgado, azedo ou amargo inicial presente nele. O residual que ficará na boca será o umami. E como ele produz bastante saliva, esse residual tende a permanecer na boca um bom tempo.

3 – Não existe um mapa gustativo na nossa língua.

A língua é o órgão responsável pela percepção de gosto do nosso paladar. No entanto, diferente do que acreditávamos, não existe uma divisão das papilas gustativas que identificam cada gosto, chamado até então de mapa da língua, onde cada área delimitada identificava os gostos: doce, salgado, amargo, azedo e umami. Os estudos recentes mostram que as papilas gustativas estão distribuídas aleatoriamente por toda a área da língua.

4 – Nascemos com o paladar naturalmente propenso ao doce.

A nossa primeira alimentação é o leite materno, que tem um sabor levemente adocicado. E mesmo as fórmulas infantis receitadas para recém-nascidos que não são amamentados tentam imitar esse sabor do leite da mãe. E é exatamente nessa fase que a criança começa a desenvolver o paladar. Logo, o pequeno tende a ser mais tolerante aos doces. Por esta razão, a recomendação do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Pediatria é evitar alimentar bebês com alimentos adoçados artificialmente até os 2 anos de vida. Segundo as entidades, o açúcar mascara o sabor original do alimento e o bebê tenderá a recusá-lo quando este for oferecido da forma natural. E ainda deixará de lado outros sabores naturais que devem ser estimulados nessa fase.

5 – As papilas gustativas podem parar de funcionar.

Segundo especialistas, quando elas não funcionam bem, a pessoa pode começar a sofrer alterações no paladar, que pode ser causado por qualquer motivo que interrompa a transferência das percepções de gosto para o cérebro. As causas podem ser desde o hábito de fumar, o uso de medicamentos e algum ferimento na boca, a doenças respiratórias como gripes, resfriados, infecção nasal, sinusite, faringite e infecções nas glândulas salivares. Ou ainda a deficiência de vitamina B12 e zinco, tratamento para certos tipos de câncer, como quimioterapia e radioterapia, e Alzheimer. Por isso, ao perceber qualquer mudança no paladar, é preciso procurar um especialista.

 

Leia também: 5 curiosidades sobre o olfato


Texto: Fabiana Gonçalves | Edição: Thaís Guimarães de Lima | Design: Alex Mendes e Fernanda Assato

Fonte: Portal Educação, Brasil Escola, Hospital Sírio Libanês e Portal Umami

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (9 Votos)
Avaliar:

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em