Voltar

Depressão e dor emocional. Você não está só!

Depressão e dor emocional. Você não está só!

Depressão e dor emocional. Você não está só!

 

Depressão e dor emocional, são fatores que muitas vezes incapacitam e deixam pessoas fortes e saudáveis em situações de extrema vulnerabilidade. De acordo com estudo epidemiológico a prevalência de depressão ao longo da vida no Brasil está em torno de 15,5%. 

 

E o que são essas doenças? Dor emocional. Existe mesmo? A resposta é Sim! De acordo com a psicóloga Sâmia Ferreira, a dor emocional se origina de fatores psicológicos e emocionais que interferem na psique do sujeito. “O individuo é um ser único que integra mente e corpo, aquilo que afeta o sujeito fisicamente irá influenciar no corpo e vice-versa. Experiências de vida como frustrações, decepções, perdas, luto, mudanças podem gerar muito sofrimento de ordem mental, psicológica e emocional decorrendo em dores físicas, devido a tensão que tais fatores provocam. O corpo sente e somatiza as emoções, podendo levar a dores de cabeça, tensões musculares, crises inflamatórias em órgãos como intestino, estômago são muito comuns devido à ansiedade. O famoso bruxismo, sinal de que alguma tensão, preocupação, algo não dito pode levar a esse "ranger de dentes" involuntário, o próprio estresse gerado em situações conflituosas no trabalho, ou nas relações familiares e sociais de modo geral. O fato é que nosso corpo responde as nossas emoções de diversas formas, de modo singular em cada pessoa”, explica. 

 

E a depressão? doença psiquiátrica crônica e recorrente que produz alteração do humor caracterizada por uma tristeza profunda, sem fim, associada a sentimentos de dor, amargura, desencanto, desesperança, baixa autoestima e culpa, assim como a distúrbios do sono e do apetite, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a quantidade de casos de depressão cresceu 18% em dez anos e até o próximo ano em 2020, será a doença mais incapacitante do planeta. Então é possível superá-la? Como Depressão tem cura?

Para a psicóloga a Depressão é uma patologia ligada ao sentimento da perda de sentido na vida. “As pessoas acometidas pela depressão desenvolvem a doença por diversos fatores de ordem biopsicossocial, ou seja, tem aspectos biológicos e genéticos, sociais que envolve a vida social da pessoa, processos de trabalho, vida financeira, religião, cultura, preconceitos e os aspectos psicológicos que tratam da experiência de vida de cada pessoa. Nesse sentido, o tratamento da depressão é algo que se prolonga por toda a vida. Pessoas que estão em tratamento podem nunca mais voltar a sentir os sintomas da depressão, mas é esperado que em algum momento da vida os mesmos possam retornar em menor ou maior grau”. 

 

 

Neste caso é necessário acompanhamento contínuo de psicoterapia, outras terapias holísticas, vida social ativa, laços afetivos, e a dependendo de cada caso, também tratamento medicamentoso. 

 

“A depressão não é uma tristeza, ela é uma melancolia profunda, às vezes sem causa aparente. É importante destacar essa diferença, pois nem todos que estão vivendo uma experiência de tristeza estão em depressão, mas a continuidade desse sentimento deve ser levado à sério e cuidado”, destacou Sâmia.

 

Tem como ajudar? A resposta também é Sim. Existem inúmeras maneiras de auxiliar. A psicóloga destaca “em forma mais ampla, é necessário que a sociedade como um todo se conscientize de que atitudes de preconceito, violências e banalização do sofrimento alheio são fatores de adoecimento psíquico grave que pode levar uma pessoa ao suicídio. O cuidado que podemos ter uns com os outros leva em consideração aceitar as pessoas como elas são, não negligenciando os seus sentimentos e respeitando as diferenças de cada um”. 

 

Então à medida que se desenvolvem atitudes de empatia, é possível perceber quando as pessoas necessitam de apoio e ajuda. “Assumindo uma atitude ética do cuidado, não julgando a dor do outro, não dando ‘soluções’ como se fosse fácil para a outra pessoa resistir ao próprio sofrimento, podemos escutar sem crítica, apenas em uma postura de acolhimento e de amparo, assim poderemos sugerir que essa pessoa busque ajuda profissional”. 

 

E ainda conhecer pontos de atenção à saúde especializados é fundamental. Serviços como unidades terapêuticas, Centros de Atenção Psicossocial, ambulatórios de psicologia e psiquiatria, e, toda rede de saúde é fundamental. 

 

O CVV - Centro de Valorização da Vida é um outro canal de ajuda, onde a pessoa pode ligar para falar sobre o que sente. As pessoas que trabalham são voluntários preparados para escutar a pessoa em sofrimento.  O atendimento é feito através do 188. 

 

Setembro amarelo

O Setembro Amarelo é uma campanha de prevenção do Suicídio que visa desmistificar mitos com relação ao tabu do suicídio, atentando a sociedade para gravidade desse problema já considerado um problema de saúde pública. A campanha está em defesa da vida, compreendendo que muitos casos que são levados a última consequência, poderiam ser evitados. 


Texto: Juciana Cavalcante

Fonte: Ascom