Voltar

Novos tempos, novas recomendações para as crianças

Novos tempos, novas recomendações para as crianças

Pediatras alertam para a importância da atividade física desde a fase bebê

Novos tempos, novas recomendações para as crianças

Pediatras alertam para a importância da atividade física desde a fase bebê

As crianças de hoje não são como as de antigamente. Quem nunca ouviu um comentário assim? O fato é que, como o mundo muda, é natural que os comportamentos e necessidades humanas também mudem e, com isso, as orientações dadas para a criação dos pequenos também passam por ajustes.

A pediatra da Unimed Vitória Delza Lúcia Marim de Menezes destaca que, no ano passado, foi lançado um guia inédito pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) com foco, principalmente, na importância das atividades físicas desde a fase bem inicial da vida. “É um novo tempo com novos comportamentos, o que exige novas atenções e cuidados”, analisa.

Para os especialistas, mesmo bebês que ainda não começaram a se arrastar ou engatinhar devem ser estimulados a serem ativos fisicamente. “É muito importante incentivar os pequeninos a tentar alcançar, puxar e empurrar objetos, por exemplo, de modo a fazê-lo movimentar a cabeça, o corpo e os membros”, pontua Delza de Menezes.

Outra recomendação importante do novo guia é a exclusão total do tempo em frente à TV, tablet, celular e jogos eletrônicos até os dois anos de idade. “Acima dessa idade, é preciso critério. O máximo é de até duas horas”, alerta a pediatra.

Ela ressalta ainda que a distância mínima da tela do equipamento em relação ao olho da criança deve ser de 30 centímetros. “Porém, as crianças menores não têm o bracinho desse tamanho, ou seja, é preciso ter ainda mais atenção ao uso das tecnologias”. Além disso, em caso de utilização de tablete, celular e computador, é importante reduzir a intensidade da luz nas telas.

Exercícios físicos

Segundo a especialista, os benefícios das atividades físicas para as crianças já foram comprovados cientificamente. “O objetivo do documento lançado pela SBP é estimular uma vida mais saudável num mundo em que, cada vez mais, a tecnologia toma conta do dia a dia das crianças levando à inatividade e causando, inclusive, problemas de saúde”, explica.

Para as crianças que já conseguem andar sozinhas, o manual da Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda pelo menos 180 minutos de atividades que podem ser divididas durante o dia. “É lógico que não se pode exagerar. A criança tem que ter horário de descanso. O ócio na infância também é muito importante. O exercício, para os menores, deve ser algo mais voltado para a brincadeira, para o lúdico”, orienta Delza.

Outra dica importante da médica é que, a partir de 2 anos de idade, seja estimulada a natação. “Por dois motivos: pelo exercício físico em si e pelo fato de saber se proteger caso, por acidente, a criança caia na água sozinha”.

Para crianças de três a cinco anos, a recomendação da SBP é de pelo menos 180 minutos de atividades de qualquer intensidade ao longo do dia, principalmente aquelas que, de alguma forma, desenvolvam a coordenação motora. Esse tempo pode ser fracionado, para não ficar muito pesado. A partir dessa faixa etária, atividades físicas sistematizadas também são bastante válidas, como natação, luta e dança.

Já para crianças de 6 anos até adolescentes de 19 anos, o manual indica pelo menos 60 minutos de atividade física, de moderada a vigorosa. E, aí, entram opções como pedalar, nadar, correr, saltar ou outros esportes. A intensidade deve, no mínimo, equivaler a uma caminhada.

Algumas recomendações do manual da SBP

De 0 a 2 anos

- Bebês: aqueles que ainda não começaram a se arrastar/engatinhar devem ser encorajados a serem fisicamente ativos alcançando, segurando, puxando e empurrando objetos, movendo a cabeça, corpo e membros durante as rotinas diárias.

- Já crianças que conseguem andar sozinhas devem ser ativas todos os dias durante pelo menos 180 minutos, em atividades que podem ser fracionadas durante o dia e feitas em ambientes fechados ou ao ar livre, como ficar de pé, movendo-se, rolando e brincando, além de atividades mais intensas como saltar, pular e correr

- Tempo recomendado de tela (TV, tablet, celular, jogos eletrônicos): zero

De 3 a 5 anos

- Crianças dessa faixa etária devem garantir pelo menos 180 minutos de atividade física de qualquer intensidade distribuída ao longo do dia, incluindo atividades que desenvolvam a coordenação motora.

- Brincadeiras como andar de bicicleta, atividades na água, pega-pega, e jogos com bola são práticas recomendadas

- A partir dos três anos de idade, atividades físicas estruturadas, como natação, danças, lutas, esportes coletivos, entre outras, também podem ser incluídas aos poucos.

- Tempo recomendado de tela (TV, tablet, celular, jogos eletrônicos): no máximo, duas horas por dia.

De 6 a 19 anos

- Crianças e adolescentes dessa faixa etária devem fazer pelo menos 60 minutos diários de atividades físicas de intensidade moderada a vigorosa. Vale pedalar, nadar, brincar em um playground, correr, saltar e outras atividades que tenham pelo menos a intensidade de uma caminhada

- Atividades de intensidade mais vigorosa, incluindo as que fortalecem músculos e ossos, devem ser realizadas em, pelo menos, três dias por semana. Podem incluir saltos, atividades de empurrar, puxar e exercícios suportando o peso corporal

- Atividades de flexibilidade envolvendo os principais movimentos articulares devem ser realizadas pelo menos três vezes por semana

- Tempo recomendado de tela: máximo de 2 horas por dia (exceto para tarefas escolares)

Fonte: Manual “Promoção da Atividade Física na Infância e Adolescência” (Sociedade Brasileira de Pediatria)


  • Símbolo com nome instituto Unimed
  • Sem imagem
  • Mulher sentada na grama com um tablet na mão