Voltar

Tem dor nas costas? A causa pode estar no uso de celulares e computadores

Tem dor nas costas? A causa pode estar no uso de celulares e computadores

Tem dor nas costas? A causa pode estar no uso de celulares e computadores

Segundo o ranking de auxílios-doença concedidos pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), a dor nas costas é a doença que mais afasta trabalhadores no Brasil por mais de 15 dias. Em 2016, 116.371 pessoas tiveram de se ausentar do emprego por, no mínimo, duas semanas em razão dessa enfermidade. O número representa 4,71% de todos os afastamentos.


A informação é ainda mais preocupante quando levamos em consideração estudos da Organização Mundial da Saúde que comprovam que, em média, 80% da população já sofreu ou sofrerá com esse mal, que não mata, mas é o que mais provoca sofrimento persistente e maior número de invalidez.


O ortopedista da Unimed Vitória, Bernardo Terra, explica que as dores e desconfortos na coluna tem se tornado um dos males da contemporaneidade e existe um agravante: as queixas são ouvidas também por pessoas jovens. “Em média, metade dos que chegam aos consultórios se queixando de dores e desconfortos na coluna, têm menos de 30 anos”, afirma o ortopedista.


Porque faz mal - O ortopedista explica que as pessoas estão tão vidradas nos meios eletrônicos que se esquecem da postura. “Cabeça inclinada por muito tempo, pescoço virado e mau posicionamento ao sentar, são atitudes que, com o tempo, demasiadamente repetitivas sobrecarregam a coluna”, diz. “Toda posição que inverta a curvatura normal da cervical, pode causar instabilidade e dor”, acrescenta.

Para quem trabalha, são em média oito horas diárias, ou mais, de frente para uma tela, seja ela o computador, o tablete ou o celular. “Enquanto trabalha, o paciente desenvolve uma série de movimentos que, se não executados corretamente, trarão, a curto prazo, não só problemas para coluna, como dores no ombro, no braço, nas articulações e nos músculos da nuca”, explica Terra.

Segundo o ortopedista, o segredo é vigiar a postura e não tentar fazer tudo ao mesmo tempo. “Sentar corretamente, atender adequadamente o telefone, sem segurá-lo no pescoço, por exemplo, enquanto digita ao mesmo tempo, são dicas que todos devem levar em consideração”, enfatiza. “É importante também pausar o trabalho a cada 30 minutos para alongar e mudar a postura”, recomenda.


Na Unimed Vitória, um grupo especializado no tratamento da dor crônica foi criado dentro do Viver Unimed para tratar os casos de dor em geral. O tratamento é multidisciplinar e conduzido por um fisioterapeuta especializado em terapia manual. O paciente passa por uma avaliação biomecânica realizada pelo fisioterapeuta e depois começa um ciclo sessões com técnicas manuais específicas, que consistem na mobilização de articulações, trabalho muscular específico e na desativação de pontos gatilhos de dor. A cada sessão, o paciente é avaliado e orientado a mudar alguns hábitos que podem aumentar as dores.