Voltar

Especialista explica o que fazer para driblar o cansaço mental

Especialista explica o que fazer para driblar o cansaço mental

Equilíbrio entre a mente e o corpo é essencial para uma vida mais saudável

Especialista explica o que fazer para driblar o cansaço mental

Equilíbrio entre a mente e o corpo é essencial para uma vida mais saudável

30 Julho 2021

Sentir-se esgotado após um longo dia de trabalho, dificuldades para se concentrar e com a memorização, insônia e estresse. Estes são alguns sinais do cansaço mental.  

A maioria das pessoas costuma buscar diminuir o cansaço físico, mas o que muitos precisam ficar de olho é que a mente também precisa de atenção. Afinal, o equilíbrio entre os dois é essencial para garantir uma vida mais saudável, além de qualidade de vida e bem-estar. 

Segundo Dr. José Carlos Rosa Pires de Souza, psiquiatra da Unimed Campo Grande, as pessoas precisam entender que o corpo e a mente caminham juntos, por isso, é necessário adotar uma série de hábitos no dia a dia para driblar o cansaço mental, que pode atingir jovens e adultos.  

“O cérebro precisa sair da sua zona de conforto. Se ele está sofrendo com aquele esgotamento, tire-o de lá”, diz o especialista. E, pensando nisso, o médico listou algumas dicas para adotar na rotina: 

- Faça um exercício físico 

- Medite 

- Faça uma oração 

- Durma bem 

- Alimente-se bem 

“Tudo isso aumenta a serotonina, um neurotransmissor cerebral responsável pela atenção, memória, sono, apetite e também pelo nosso humor”, explica Dr. José Carlos. 

O especialista ainda adverte que para este processo é de extrema importância mudar hábitos que nos fazem mal. “Vamos abandonar hábitos ruins, que lhe façam mal, como por exemplo, tomar muita cafeína, álcool e nicotina”, completa.  

Além disso, o psiquiatra destaca que quando as emoções, sejam elas quais forem, tornam-se prejudiciais de alguma maneira, é hora de buscar ajuda profissional. “Seja esse prejuízo físico, psicológico, social ou nos relacionamentos, não se autodiagnostique, mas procure um profissional de saúde para que ele prescreva o tratamento. Importante também não se automedicar, ainda que com os chamados naturais, porque eles também podem causar problemas à nossa saúde”, conclui o especialista. 


Comunicação Unimed Campo Grande.