Voltar

Hipertensão arterial

Hipertensão arterial

Entenda os perigos da pressão alta, os efeitos no organismo e os hábitos que ajudam a controlar o problema

Hipertensão arterial

23 Abril 2018

A hipertensão arterial é uma doença silenciosa e, por isso, muitas pessoas têm o problema e não sabem. Em alguns casos, os sintomas só surgem depois de alguns anos. O perigo está justamente quando se desconhece que a doença está presente, pois quando a pressão arterial não é controlada, podem surgir problemas graves no coração, rins, cérebro e em outros órgãos do corpo. Apesar de não ter cura, mudanças no estilo de vida ajudam a controlar o problema e a minimizar suas consequências.

 

 

O que é hipertensão arterial?

Pressão arterial é a pressão exercida pelo sangue dentro dos vasos sanguíneos que saem do coração – as artérias. De modo semelhante que a água que corre nos canos de nossas casas exerce pressão dentro deles, o sangue também o faz dentro das artérias. Se comprimirmos a saída de uma mangueira de água ao lavar o piso, por exemplo, a pressão da água se eleva. De modo similar, se houver um estreitamento nas artérias em função da presença de placas de aterosclerose, a pressão sanguínea também se elevará ocasionando a hipertensão arterial. Embora existam outras causas para a hipertensão este é um modo simples de explicar o mecanismo das causas mais frequentes.

A pressão arterial é considerada alta quando é igual ou superior a 140 por 90 mmHg (popularmente fala-se 14x9). Mas pressões em níveis inferiores já representam sinal de alerta (tabela a seguir).

O diagnóstico de hipertensão arterial sistêmica será confirmado com a medida em pelos menos duas ocasiões da pressão arterial sistólica > 140 mmH e pressão diastólica > 90 mmHg

 

 

Sintomas

A maioria das pessoas não apresenta sintomas que possam identificar claramente que ela é portadora da doença. Algumas podem ter dor de cabeça, sangramento nasal, falta de ar, mas esses sinais podem ser ignorados ou confundidos com outras doenças. Quando o problema não é tratado, os sinais tendem a se intensificar e podem resultar em fortes dores de cabeça, vômito, dispneia, agitação e visão borrada. 

 

Consequências

O endurecimento ou estreitamento das artérias prejudica a circulação sanguínea. Com o passar dos anos, as artérias podem se romper ou entupir e as consequências podem ser sérias como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC), aneurisma, insuficiência renal, alterações na visão, entre outras complicações.

 

Fatores de risco

A pesquisa Vigitel 2016, realizada pelo Ministério da Saúde, identificou um aumento de 14,2% nos casos de hipertensão. Os dados mostram que a doença aumenta conforme a idade e está presente em mais de 60% dos idosos acima de 65 anos.  Os fatores de risco são:

• Histórico familiar de pressão alta;

• Ter acima de 60 anos;

• Obesidade;

• Sedentarismo;

• Má alimentação;

• Sal em excesso;

• Consumo exagerado de álcool;

• Tabagismo;

• Diabetes, doenças renais e apnéia do sono;

• Excesso de trabalho, preocupações e ansiedade.

 

Orientações preventivas

• Medir a pressão pelo menos uma vez por ano;

• Praticar atividades físicas todos os dias;

• Manter o peso ideal, evitar a obesidade;

• Adotar uma alimentação saudável com pouco sal, sem frituras e mais frutas, verduras e legumes;

• Reduzir ou banir o consumo de álcool;

• Não fumar;

• Seguir o tratamento recomendado pelo médico;

• Desfrutar de tempo livre com a família e os amigos.


Texto: Jailde Barreto / Design: Carolina Moura - Alex Mendes

Fonte: Mayo Clinic, Sociedade Brasileira de Hipertensão e Ministério da Saúde

Conteúdo aprovado pelo responsável técnico-científico do Portal Unimed.


Média (5 Votos)

COMPARTILHAR:


Cadastre-se para receber novidades e notícias

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso.

 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em