Voltar

Consulta com o Coloproctologista

Consulta com o Coloproctologista

Consulta com o Coloproctologista – Não tenha medo

Consulta com o Coloproctologista

Consulta com o Coloproctologista – Não tenha medo

23 Novembro 2009

Consulta com o Coloproctologista – Não tenha medo

A consulta com o Coloproctologista sempre foi vista com muito receio pelos pacientes. Quando nós vemos na TV o ator Marcelo Madureira do Casseta e Planeta se intitulando Coloproctologista, com aquele dedo indicador enorme, o pavor aumenta ainda mais. Brincadeiras e gozações à parte, o Coloproctologista é um médico semelhante ao Urologista e Ginecologista, pois lidam com áreas muito delicadas do corpo humano. Para esclarecer vamos descrever  como é a consulta com o Coloproctologista.

A primeira parte da consulta chamada anamnese, é exatamente igual à de outras especialidades: constam de um interrogatório sobre o início da doença, as causas, os sintomas, o ritmo intestinal, as doenças pré-existentes, cirurgias anteriores, doenças na família, etc.  

A segunda parte é o exame proctológico. O paciente é  encaminhado à sala de exame, onde veste uma capa apropriada e deita-se em geral do lado esquerdo, com as pernas fletidas (encolhidas) contra o abdome. Quando se trata de paciente do sexo feminino, o exame é feito sempre na presença da atendente de sala. Este exame é dividido  em três partes:

Primeiro é  feita uma inspeção do ânus, para verificar a presença de doenças como hemorróidas externas, fissuras anais, fístulas e doenças dermatológicas que causam prurido (coceira) anal. Em seguida, calçamos uma luva, lubrificamos o dedo com uma substancia tipo gel, e fazemos o toque retal. Embora seja o motivo maior do receio do paciente, o toque retal é uma etapa importante do exame: através dele nós avaliamos o tônus esfincteriano, presença de tumores, fezes, corpos estranhos, orifícios fistulosos, sangue na ampola retal e alterações da próstata. Por ultimo, realizamos a chamada anuscopia, que consiste na introdução de um pequeno aparelho, com o canal anal já lubrificado pelo o toque retal, para uma visualização direta da ampola retal. É com a anuscopia que diagnosticamos as afecções da parte interna do canal anal como hemorróidas internas, inflamações da mucosa e tumores. Tanto o toque retal como a anuscopia são procedimentos indolores, a menos que o paciente tenha algum processo inflamatório doloroso. Nestes casos, trata-se primeiro o processo doloroso e posterga-se o exame para outra data. 

Se for preciso, sempre no sentido de investigar as causas da doença, poderão ser pedidos exames complementares, como a retossigmoidoscopia rígida (exame endoscópico do reto) a retossigmoidoscopia flexível (exame endoscópico do cólon esquerdo), a colonoscopia (exame endoscópico de todo o intestino grosso) e o Enema Opaco (radiografia contrastada de todo o intestino grosso), além de exames laboratoriais.  

Em caso de doença cirúrgica benigna, o paciente poderá decidir com tranqüilidade a melhor data para sua cirurgia. Nos processo malignos, o tratamento deverá ser o mais precoce possível, tempo suficiente para os exames necessários, e sempre com o intuito de aumentarmos as chances de cura.  

O exame preventivo hoje e sempre, ainda é a melhor arma contra as doenças malignas. Deve ser feito pelo menos uma vez por ano nas pessoas com mais de 50 anos (risco médio) e mandatório naqueles a partir dos 40 anos, caso tenham familiares portadores de câncer do intestino.

São estes os detalhes com algumas variações entre os colegas da consulta coloproctológica. Portanto, quando precisar, marque sua consulta com o Coloproctologista sem medo. 


Antônio Carlos de Assis Freitas

Médico Coloproctologia – Cremeb: 6636

Odontomed: Rua Castro Alves, 1418, Kalilândia,

Tel.: 3623 0116 – Feira De Santana – Bahia. 
 

 


Rose Leal