Voltar

Unimed Catanduva: HUSD realiza cirurgia inédita para recuperação de audição

Unimed Catanduva: HUSD realiza cirurgia inédita para recuperação de audição

Unimed Catanduva: HUSD realiza cirurgia inédita para recuperação de audição

16 Junho 2020

Procedimento é minimamente invasivo e dura, em média, duas horas

O Hospital Unimed São Domingos (HUSD) realizou no dia 10 de junho, a primeira cirurgia de estapedectomia da unidade. O procedimento, coordenado pelo otorrinolaringologista Evandro Marton da Silva, foi realizado em paciente do sexo masculino, de 71 anos, que apresenta perda mista severa de audição no ouvido direito.

A cirurgia é minimamente invasiva, feita com ajuda de microscópio ou endoscópio, e realizada por dentro do canal do ouvido, sem cortes. No caso deste paciente, o procedimento durou cerca de duas horas. Os cuidados no pós-operatório são simples: repouso de uma semana, evitar atividade física intensa, proteger o ouvido da água durante a cicatrização (de dois a três meses) e manter acompanhamento com especialista.

A perda de audição foi causada pela otoesclerose, doença que gera acúmulo de osso entre a base do estribo, que é a platina, e a membrana da janela oval, dificultando a mobilidade do estribo e, consequentemente, da cadeia ossicular - atrapalhando a transmissão do som. “O som entra pelo canal auditivo, mas, em razão da rigidez causada pelo acúmulo de osso, o ciclo desta transmissão do som não é finalizado”, explicou Silva.

médicos realizam cirurgia em ouvido de paciente

Procedimento foi realizado de forma minimamente invasiva

Com a estapedectomia, o osso doente é removido e substituído por uma prótese. “O procedimento permite que o indivíduo volte a ter uma movimentação adequada da cadeia ossicular do ouvido, desta forma, recuperando a capacidade de audição”, disse o médico otorrinolaringologista.

Para prevenir a doença, é importante manter a avaliação de rotina no especialista, pelo menos, uma vez por ano. A recomendação é de que o cuidado com o ouvido seja redobrado a partir dos 50 anos ou até antes, caso existam queixas de dificuldade auditiva. 

“Reforçamos sempre a importância do cuidado com exposição a ruídos intensos e atenção para o uso frequente do fone de ouvido. Hábitos saudáveis, como uma boa alimentação e a prática de atividade física regular e adequada também contribuem preventivamente”, ressaltou o especialista.

Fonte: Helen Ventura / Unimed Catanduva


Média (0 Votos)

COMPARTILHAR:


 
 
 

Uma publicação compartilhada por Unimed (@unimedbr) em